Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

ÔNIBUS

Mercedes-Benz inaugura a primeira fábrica 4.0 de chassis de ônibus do Brasil

Nova linha de produção no ABC Paulista é a mais moderna e conectada do Grupo Daimler no mundo
07/10/2020 18:00 - Luiz Humberto Monteiro Pereira/AutoMotrix


Com parte das comemorações de seis sessenta e quatro anos de atividades no Brasil – 28 de setembro –, a Mercedes-Benz do Brasil inaugurou sua Nova Linha 4.0 de Produção de Chassis de Ônibus. Construída na unidade da marca alemã na cidade paulista de São Bernardo do Campo, é a primeira fábrica 4.0 do segmento de chassis de ônibus do país – ou seja, uma unidade industrial na qual modernos recursos de conectividade e inteligência artificial são adotados para aprimorar a qualidade e a produtividade. “Investimos mais de R$ 100 milhões na nova fábrica 4.0 de chassis de ônibus. Esse aporte faz parte do ciclo de investimentos de R$ 2,4 bilhões da marca de 2018 a 2022”, ressalta Karl Deppen, presidente da Mercedes-Benz do Brasil e CEO América Latina. 

Com novos processos e o uso de tecnologias de ponta, a Mercedes-Benz elimina as limitações do mix de produção de sua linha de chassis e, segundo a marca, passa a produzir com ainda mais qualidade, segurança e confiabilidade para os clientes que operam no transporte urbano e rodoviário de passageiros. O conceito da nova linha de produção e os modernos recursos asseguram à Mercedes-Benz do Brasil maior flexibilidade para atender às demandas dos clientes. Esse processo teve início com a Linha de Caminhões 4.0 em 2018, seguida pela Linha de Cabinas em 2019, chegando agora à Linha de Ônibus. O próximo passo é tornar as linhas de agregados, como motores, câmbios e eixos, também 4.0, trazendo mais ganhos de eficiência e produtividade. “A inauguração da Nova Fábrica 4.0 de Chassis de Ônibus coloca nossa planta brasileira em um patamar ainda mais elevado de tecnologia, eficiência, produtividade e melhor ambiente de trabalho”, explica Till Oberwörder, chefe mundial da Daimler Buses. A tecnologia 3D e de simulação virtual foi uma grande aliada durante todo o processo da nova linha de produção de chassis de ônibus. “Saímos de uma fábrica virtual no computador para a fábrica real com mais assertividade, otimizando a execução da obra. E o mais desafiador: conseguimos construir a nova linha sem interromper a produção”, comemora Sérgio Magalhães, diretor-geral de Ônibus América Latina. 

Assim como ocorreu nas áreas de Caminhões e Cabinas, a tecnologia digital, conectividade, dados na nuvem e Internet das Coisas, elementos da Indústria 4.0, também passam a ser realidade na Nova Linha de Chassis de Ônibus. De acordo com a Mercedes-Benz, a Nova Linha de Chassis de Ônibus é 12% mais eficiente em produção na comparação com a anterior, sendo mais rápida em suas entregas. Além disso, alcança 20% de ganho de eficiência logística, devido à redução de armazéns de peças de oito para dois, ao aumento do percentual de entrega de peças diretas na linha de 20% para 45% e à redução do armazenamento de componentes de sete para no máximo cinco dias. Outro aspecto importante associado ao avanço da Indústria 4.0 na Mercedes-Benz é que os próprios colaboradores têm participação decisiva na concepção do ambiente de trabalho, oferecendo melhor ergonomia e segurança e trazendo reflexos positivos em produtividade. 

Na Fábrica de Chassis de Ônibus da Mercedes-Benz do Brasil, um diversificado universo de equipamentos, ferramentas e tecnologias de última geração opera totalmente conectado. Entre os recursos se destaca o Bus Data Center, plataforma online que permite acompanhar 100% das operações de ônibus, desde o planejamento até a qualidade feita no encarroçador, por qualquer plataforma (celular, notebook ou tablet). Essa ferramenta tem interface com diversas áreas de São Bernardo do Campo e, no futuro, com outras fábricas da Daimler.  Na Nova Linha de Ônibus, há avançadas tecnologias, como AGV (Automatic Guided Vehicle ou Veículo Guiado Automaticamente), EOM (Electrical Overhead Monorail, sistema de transporte aéreo), elevadores automáticos, célula robotizada, chamadas de peças por Wi-Fi, e monitores “touchscreen” de tela ampla. “Dados gerados por equipamentos como as apertadeiras eletrônicas e AGVs, por exemplo, são armazenados em um Data Lake e alimentam sistemas de inteligência artificial e Big Data. Utilizando recursos de Analytics, pode-se monitorar a qualidade de todos os produtos, detectar falhas e até fazer uma correlação com as informações de vendas, flexibilizando o mix de produção”, informa Magalhães.

Na logística de peças, destacam-se as empilhadeiras com câmeras que orientam toda a movimentação e os sensores luminosos nas prateleiras de estoque que monitoram a entrada e a saída de materiais. A nova fábrica de ônibus se destaca ainda pela inteligência em aproveitamento de espaço. O conceito “One roof assembly” e o formato em “Y” da linha de produção permitem que sejam inseridos diversos modelos de chassis de ônibus simultaneamente na montagem. Atualmente, são mais de 2 mil variantes de chassis possíveis de serem produzidas, desde os micro-ônibus LO aos O-500 articulados e superarticulados, passando pelos modelos OF, LO, OH e os da linha O 500 de urbanos e rodoviários. Já o conceito “Fishbone” resulta em estoque e supermercado de peças, pré-montagem e montagem final totalmente integrados, otimizando e agilizando o processo de produção dos veículos.

 
 

Felpuda


Candidato a vereador caiu em desgraça, pelo menos em um dos bairros de Campo Grande, ao promover comício em ginásio de esporte, com direito a ônibus lotados e espoucar de muitos fogos de artifício.

Aí dito-cujo foi alvo de muitas críticas, tanto pela zoeira causada, como por ter mandado às favas quaisquer cuidados na prevenção da Covid-19, ao promover grande aglomeração. Irresponsabilidade é pouco, hein?!