Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

SUV DE LUXO

Jeep Wagoneer, marca o retorno do modelo de automóvel que foi a origem da tendência

Precursor dos utilitários esportivos modernos, e representado no Brasil pela Rural, retorna à produção no próximo ano
15/09/2020 10:40 - Daniel Dias/AutoMotrix


Vem das trincheiras da Jeep um dos grandes lançamentos do mundo automotivo deste ano. Apresentado nos Estados Unidos como conceito, o Grand Wagoneer marca o renascimento de um ícone norte-americano e antecipa a visão moderna do próximo utilitário esportivo premium da marca. O carro começará a ser produzido em série a partir do próximo ano em Detroit, a eterna “Capital do Automóvel”. O Wagoneer era um utilitário esportivo de grande porte fabricado inicialmente pela Willys Overland Motors. Depois, de 1963 a 1991, passou para as mãos da Jeep e foi sucedido pelo Grand Cherokee. No Brasil, ele “vestiu” a roupa de uma station wagon chamada de Rural - vendida primeiro com a marca Willys e depois pela Ford -, que fez imenso sucesso.

Nascido nos Estados Unidos em 1962 como modelo de 1963, o Wagoneer foi pioneiro dos SUVs modernos ao se tornar o primeiro veículo com sistema de tração nas quatro rodas acoplado a uma transmissão automática. Duas décadas depois, o Grand Wagoneer simbolizou o nascimento do SUV premium. Sempre na vanguarda, aquela família de veículos exibia um design artesanal e, ao mesmo tempo, “desfilava” classe, elegância e distinção. A estreia do Grand Wagoneer, em 1984, significou o surgimento do SUV premium ou, para os compradores, uma combinação de itens de série que incluíam estofamento de couro, ar-condicionado, rádio estéreo AM/FM/CB e isolamento acústico. Considerado “o padrão de ouro do mercado de SUVs”, o Grand Wagoneer usava um V8 de 5,9 litros com grande potência e torque e a melhor capacidade de reboque em seu segmento. “O Grand Wagoneer original foi o primeiro SUV premium da história, cujo design atemporal combinado com o espírito norte-americano o fez ocupar um lugar especial em muitos corações. Procuramos criar um design elegante com uma silhueta imperecível, com inúmeros e marcantes detalhes artesanais que se unem em uma imagem integral de presença indiscutível”, orgulha-se Ralph Gilles, diretor de Design da FCA.

O novo Grand Wagoneer terá um “powertrain” elétrico híbrido plug-in (PHEV) em linha com os planos da Jeep de oferecer opções de eletrificação em todos os seus modelos nos próximos anos. Segundo a fabricante norte-americana ligada à FCA (Fiat Chrysler Automobiles), a eletrificação modernizará a Jeep em sua busca da liderança em tecnologia verde premium comprometida com o ambiente. Ainda conforme a marca, esses veículos serão os Jeep mais eficientes e ecologicamente corretos já feitos, ao mesmo tempo em que elevarão o desempenho, as capacidades off-road e a diversão nas estradas graças ao maior torque e resposta imediata. “Nosso Grand Wagoneer Concept é o primeiro passo para o renascimento do Wagoneer, um genuíno símbolo norte-americano. Com a eletrificação chegando a todos os modelos da Jeep nos próximos anos e a reintrodução do Wagoneer, cresceremos rapidamente em novos segmentos e espaços premium”, explica Christian Meunier, presidente global da marca Jeep.

 
 

Gilles promete um interior espaçoso para o novo Grand Wagoneer, com materiais premium para acentuar a obsessão de sua equipe pela atenção aos detalhes, prestando homenagem ao artesanato puramente norte-americano. O “cockpit” totalmente digital usará tecnologias de ponta na indústria automotiva, com a extensa utilização de telas “touchscreen” em detrimento do uso de botões tradicionais, tudo para conferir uma experiência intuitiva e agradável para o motorista e os passageiros. O novo carro oferecerá - pela primeira vez em sua história - uma terceira fileira de assentos. As versões de produção do Wagoneer e do Grand Wagoneer estão programadas para chegarem às concessionárias nos Estados Unidos no próximo ano e serão produzidas na planta de Warren, no Estado do Michigan, perto do centro de Detroit. De acordo com a Jeep, quando a versão de produção do Grand Wagoneer chegar ao Exterior no próximo ano – com forte “radar” no mercado brasileiro -, terá capacidade líder em sua categoria, cortesia de três sistemas 4x4 disponíveis, suspensão pneumática Quadra-Lift, dinâmica de direção premium com suspensão dianteira e traseira independentes, alta capacidade de reboque, desempenho marcante, tecnologia avançada, segurança, conectividade e um novo nível de conforto.

O exterior do Grand Wagoneer é dominado pela carroceria em azul claro Artic Ice com as letras do nome “Wagoneer” iluminadas acima da grade. A equipe de design criou uma fonte (tipo de letra) exclusiva para o modelo. O desenho do SUV revigorado é ancorado por uma proeminente grade com as sete fendas da marca Jeep com detalhes em Obsidian Black. Cada espaço acima e entre cada fenda é iluminado para criar um efeito de led, contribuindo para realçar as dimensões do painel frontal. Em ambos os lados estão fixados ainda projetores de leds bifuncionais em teca (árvore de madeira nobre com características marcantes para uso na construção naval, especialmente pela durabilidade e presença de oleosidade e sílica) genuína. A funcionalidade de um design premium tem sua máxima expressão no Grand Wagoneer nas placas de proteção dianteiras e nos ganchos de reboque de alumínio preto.

O futuro modelo de produção terá um perfil imponente e rodas de alumínio com acabamento em Obsidian de 24 polegadas e vários raios, com elementos impressos em 3D logo abaixo dos arcos das rodas trapezoidais. No terço inferior das portas dianteiras, está o nome do carro gravado com letras de alumínio e detalhes em cobre. Luzes de leds envolvem a traseira do veículo. O pacote completo de luzes em leds externas, incluindo grupos ópticos dianteiros, traseiros e faróis de neblina, permitem que o Grand Wagoneer brilhe em qualquer ambiente. Um amplo teto panorâmico fornece luz natural abundante a todos os ocupantes e dá uma impressão de amplitude do espaço interior. O teto solar é rodeado por dois trilhos com quatro laços duplos de madeira de teca e uma moldura de bronze.

Todo o espaço do painel de instrumentos é praticamente ocupado pelas 45 polegadas das quatro telas que cumprem várias funções de ajuda e informação. Uma primeira tela, de 12,3 polegadas, atrás do volante, projeta dados para o motorista. Uma segunda tela “touchscreen”, de 12,1 polegadas, no console central horizontal permite gerir o sistema de infoentretenimento, enquanto uma terceira, de 10,25 polegadas, abaixo da anterior, serve como elemento de conforto. O passageiro da frente (no caso, um “navegador de rali”) tem à disposição uma quarta tela, de 10,25 polegadas. A segunda fila de assentos tem mais 30 polegadas de três novas telas, afixadas no console central entre os dois assentos, e outras duas de entretenimento, de 10,1 polegadas cada, para os dois passageiros da terceira fileira.

 
 

Felpuda


Depois de se “leiloar” durante meses, e afirmando que estava até escolhendo o município para se candidatar a prefeito, ex-cabeça coroada não só não recebeu acenos amistosos, como também não encontrou portas abertas com tapete vermelho a esperá-lo. 

Assim, deverá pendurar as chuteiras e fazer como cardume em seu pesqueiro: nada, nada...