Cidades
CAMPO GRANDE

Projeto para revitalizar antiga rodoviária deve ser concluído em setembro

Revitalização da região deve custar mais de R$ 16 milhões

Eduardo Miranda

05/05/2020 14:15

A empresa Restaura Arquitetura foi a escolhida pela Prefeitura de Campo Grande para elaborar o projeto de revitalização do terminal rodoviário Heitor Eduardo Laburu, no Bairro Amambaí, desativado desde dezembro de 2009. 

Atualmente, o local tornou-se moradia de pessoas em situação de rua e usuários de droga.  

A Restaura Arquitetura obteve a maior pontuação no processo seletivo conduzido pelo município. 

A empresa receberá R$ 483 mil para elaborar os projetos básicos, executivo e complementares para a requalificação da área pública do terminal rodoviário. 

O projeto será financiado com recursos do programa Reviva Campo Grande, que integram montante de US$ 56 milhões emprestados em 2018 pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID).  

A obra, entretanto, será bancada por recursos federais, garantidos através de emenda parlamentar ao orçamento deste ano. 

O investimento previsto para revitalizar a antiga rodoviária é de R$ 15,8 milhões. 

O investimento na obra, se somados os valores do projeto e o da execução,  deve se aproximar de R$ 16,2 milhões.

A expectativa, conforme a chefe da Coordenadoria Especial da Central de Projetos da Prefeitura, Catiana Sabadin, é de que o projeto de revitalização esteja concluído até setembro deste ano. 

Depois desta fase, o edital de licitação para a revitalização da antiga rodoviária deve ser lançado, e a expectativa é que o processo de escolha da empreiteira seja concluído até dezembro.

Além da Restaura Arquitetura, outros 13 escritórios de projetos na área de engenharia e arquitetura participaram do processo seletivo. 

A Restaura obteve 8,56 pontos, e ficou em primeiro lugar. 

Em segundo lugar ficaram a STPC Engenharia de Projetos e a Beck de Souza Engenharia, ambas com 7,76 pontos.