Cidades
RACISMO

Discriminação contra raça, cor e etnia aumenta 30% no Estado neste ano

Professor negro foi agredido verbal e fisicamente por casal em atacado; agressores pagaram fiança e vão responder em liberdade

Natália Olliver

06/08/2022 09:00

 

Crimes de discriminação racial cresceram 30% em Mato Grosso do Sul nos primeiros sete meses deste ano, em comparação ao mesmo período de 2021. O caso mais recente é o do professor mestre em Bioquímica e doutor em Ciências da Saúde Sikiru Olaitan Balogun, de 48 anos. 

Ele e o filho, de 6 anos, foram agredidos verbal e fisicamente por um casal de idosos em um mercado do município de Dourados, na quarta-feira (3).

A ocorrência entrou para as estatísticas do Estado como mais um caso de injúria qualificada por elementos de discriminação.  

Conforme o índice de casos registrados pela Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública (Sejusp), o número de casos classificados como injúria racial, que está amparado pelo artigo 140, inciso 3º, do Código Penal Brasileiro, saltou de 169 nos sete primeiros meses de 2021 para 221 em igual período deste ano. 

O caso de Balogun, registrado por clientes nas dependências de um atacadista, ilustra a realidade vivida por inúmeras minorias no País.

O docente leciona há dois anos a disciplina de Farmacologia na Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD), local onde reside como professor visitante.  

Balogun é nigeriano e está no Brasil há 12 anos, com a esposa e o filho, de 6 anos. Antes de residir no interior de Mato Grosso do Sul, o professor estava em Cuiabá (MT).