Clique aqui e veja as últimas notícias!

PANDEMIA

Em expansão, dezembro será o mês mais letal da Covid-19 em MS

Sem contabilizar dois dias, números do período já estão muito perto do registrado em agosto, o pior até agora
30/12/2020 09:00 - Ana Karla Flores


Dezembro deve registrar recorde no número de mortes causadas por Covid-19 durante todo o período de pandemia em Mato Grosso do Sul. 

Em agosto, mês com maior número de mortes até agora, foram registrados 488 óbitos pela doença, apenas 13 casos a mais do que já foi contabilizado neste mês. 

Últimas Notícias

Não bastasse isso, o Estado está há quase um mês em elevação da média móvel de mortes.

A macrorregião de Campo Grande possui maior número de óbitos, com 1.450 (64,6%), seguida de Dourados, 441 (19,6%), Três Lagoas, 157 (7,0%) e Corumbá, que notificou 222 mortes (9,9%). No total, Mato Grosso do Sul já registrou 2.270 mortes em 10 meses de pandemia, onde 21% dos casos ocorreram apenas em dezembro, que até ontem tinha 475 óbitos.

Dados do boletim epidemiológico divulgado pela Secretaria de Estado de Saúde (SES) mostram que Mato Grosso do Sul está com média diária de 24 mortes pela Covid-19, uma das maiores desde o início da pandemia no Estado. 

Caso a média de mortes continue, nos dois últimos dias do mês será registrado o maior número de mortes por Covid-19 do ano.  

De acordo com a secretária adjunta de saúde do Estado, Christinne Maymone, mesmo sendo uma doença nova, Mato Grosso do Sul planejou ações de prevenção precocemente e, com isso, conseguiu frear a curva de crescimento durante 10 meses. 

No entanto, o número voltou a crescer com o cansaço da população em seguir as regras de biossegurança.  

“Atualmente, observo dois aspectos sociais acontecendo: um de continuidade de algumas pessoas que negam a existência da doença. Negar a doença para não entrar em contato com o que ela exige de você, no caso, mudanças comportamentais. O segundo é que as pessoas estão exaustas da obrigatoriedade das mudanças de comportamento, uso de máscaras, distanciamento social”, explica Maymone.

De acordo com dados da plataforma Farol Covid, feita por pesquisadores e utilizada pelo governo do Estado, Mato Grosso do Sul é o estado brasileiro com a maior média móvel de mortes por Covid-19. Nos últimos sete dias, o Estado registrou média móvel de 0,86 a cada 100 mil habitantes. O segundo estado do País com maior número de mortes, em média, é Espírito Santo, com 0,71, seguido de Santa Catarina, com 0,62 de média de mortes.  

Conforme publicação do Farol Covid, Mato Grosso do Sul possui a segunda maior média de casos confirmados por Covid-19 nos últimos sete dias. 

O Estado tem 37,51 de média móvel de casos por 100 mil habitantes. A segunda unidade da federação com o maior número de episódios do País é Espírito Santo, com 43,13% proporcionalmente a sua população. Na segunda-feira, porém, ele também era o primeiro do País nesta estatística.

Segundo o boletim da SES, em dezembro foram registrados 30.699 novos casos confirmados de Covid-19, 23% do total de casos da doença no Estado. A taxa de reprodução da doença, ou seja, o número de pessoas que serão infectadas a cada caso positivo, está em 1,11 no Estado.

Além disso, em 10 meses de pandemia, o coronavírus se tornou a segunda maior causa de mortes por doença no Estado este ano. A doença só fica atrás de óbitos indeterminados pelo sistema de contabilização, que marcam 3.590 casos. Os dados são do Registro Civil, que se baseia nas Declarações de Óbito (DO) registradas nos Cartórios do País.

De acordo com o Registro Civil, a Covid-19 já matou 2.220 pessoas desde março, quando o primeiro caso foi identificado no Estado. Outras causas com maiores números de óbitos são pneumonia, com 1.925 e infarto, com 1.427 mortes.  

FERIADOS

De acordo com a Diretoria de Ensino, Pesquisa e Qualidade Institucional (DEPQI) do Hospital Regional de Mato Grosso do Sul (HRMS) durante feriados comemorativos, quando há um relaxamento no isolamento social e flexibilização no horário de comércio, os números de contágio e morte por coronavírus aumentam significativamente.

De acordo com a estimativa, que leva em conta as evoluções da pandemia pós-feriado, os efeitos do Natal e do Ano Novo podem levar, em janeiro de 2021, o coronavírus a atingir números recordes de casos.

No dia 25, feriado de Natal, o boletim emitido pelo Hospital Regional registrou 3.406 casos com 630 mortes. A evolução aponta que até o 15° dia após o Natal e virada do ano, se o relaxamento continuar, os números podem chegar a mil óbitos, com aproximadamente 5 mil casos notificados pelo HRMS.

BOLETIM

De acordo com o boletim epidemiológico da SES, divulgado ontem, Mato Grosso do Sul tem ao todo 130.850 casos confirmados de Covid-19 e 2.270 óbitos pela doença. Em 24 horas foram registrados 1.366 novos casos confirmados da doença e 25 mortes.

Os recuperados somam 114.563, mas em isolamento domiciliar encontram-se 13.328 pessoas que ainda transmitem o vírus. 

Entre os internados, 689 pessoas confirmadas com a doença ocupam leitos, das quais 371 estavam em leitos clínicos (244 público e 127 privado) e 318 em unidades de terapia intensiva (222 público e 96 privado).

Assine o Correio do Estado