Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

CONTRATOS

Governo gasta R$ 6,4 milhões em máscaras e itens hospitalares

Dos quatro contratos, dois são para materiais para o Hospital Regional de Campo Grande
02/07/2020 11:00 - Adriel Mattos


A Secretaria de Estado de Saúde (SES) de Mato Grosso do Sul homologou quatro contratos sem licitação para a compra de máscaras e itens hospitalares. Os extratos dos contratos foram publicados na edição desta quinta-feira (2) do Diário Oficial Eletrônico (DOE).

Dois deles são para a aquisição de correlatos hospitalares, como máscaras, aventais e lençóis, para o Hospital Regional de Mato Grosso do Sul (HRMS) Rosa Pedrossian, em Campo Grande.  

O primeiro tem valor de R$ 125,6 mil com a empresa Alfema Dois Mercantil Cirúrgica. O outro contrato foi assinado com a Cirúrgica MS, no valor de R$ 1,1 milhão.

Por R$ 2 milhões, a pasta adquiriu oxímetros de pulso, que mede o nível de saturação de oxigênio ou os níveis de oxigênio no sangue. O último contrato é de R$ 3,1 milhões de máscaras de tecido. As máscaras serão doadas para servidores públicos e famílias de baixa renda, como anunciou o governo há duas semanas.

MULTA

Por outro lado, a SES multou a Cirúrgica MS em R$ 19,3 mil por não fornecer R$ 193,1 mil em luvas descartáveis. Conforme despacho do secretário Geraldo Resende, a empresa se negou a assinar o contrato e não apresentou justificativa consistente para não cumprir o contrato.

A multa foi estimada no valor do contrato, fixada a 10%. A empresa tem cinco dias úteis para pagar, mas ainda pode apresentar defesa.

 
VEJA TAMBÉM

Felpuda


Apressadas que só, figurinhas tentaram se “apoderar” do protagonismo de decisão administrativa. Não ficaram sequer vermelhas quando se assanharam todas para dizer que tinham sido responsáveis pela assinatura de documento que, aliás, era uma medida estabelecida desde 2019. Quem viu o agito da dupla não pode deixar de se lembrar daquele pássaro da espécie Molothrus bonarienses, mais conhecido como chupim, mesmo. Afe!