Cidades

Cidades

Lula: amigo de ditadores assassinos

Lula: amigo de ditadores assassinos

AUGUSTO ARAÚJO DE OLIVEIRA, MÉDICO VETERINÁRIO, [email protected]

17/03/2010 - 07h10
Continue lendo...

Cuba é uma ditadura comunista. Fidel Castro é um ditador comunista. Isto não se discute. É fato. Os cubanos trocaram uma ditadura ruim (a de Fulgêncio Batista) por outra bem pior. Por 50 anos no governo, el comandante passou o poder para seu irmão somente por motivos de saúde, como se a ilha fosse uma propriedade particular da família Castro. Dada a atmosfera dos anos 50 e 60, a revolução cubana tomou ares chiques e progressistas, como se lá estivesse sendo lançada uma nova diretriz para a América Latina que, segundo as teorias terceiro-mundistas, era subdesenvolvida pelo dito “imperialismo” de outras nações, em especial os EUA. O tempo se encarregou de demonstrar que tudo não passou de ilusão. Cuba é a penúltima economia do continente, e não pelo tal embargo americano, afinal ganhou gorda mesada da URSS enquanto esta se manteve de pé. Alguém deveria acusar o Japão de também ter sofrido embargo econômico da China e URSS nos anos da Guerra Fria, mas a ilha oriental nunca se preocupou com isto, apenas trabalhou para produzir bens de consumo demandados, o cerne do capitalismo, tornando-se a segunda economia mundial. O Muro de Berlim caiu e o que se falava de positivo dos países da cortina de ferro mostrou-se propaganda enganosa. Assim é Cuba. A Educação na verdade trata-se de doutrinação ideológica, que apenas faz uma lavagem cerebral nos alunos em nome de uma “consciência revolucionária”. A Saúde então nem se fala, tanto que quando Fidel necessitou de maiores cuidados apelou para médicos espanhóis. Investe-se no esporte apenas como meio de propaganda do regime, como todo país comunista sempre fez. O que acho interessante de tudo isso é que Lula não é um esquerdista nato. Moldado no sindicalismo, ele é mais chegado a um entendimento de ambos os lados do que a um confronto, sobretudo ideológico. Porque então tentar tapar o sol com a peneira desqualificando as críticas à Cuba? Afinal, de múmias como Marco Aurélio Garcia pode-se entender que ainda tenham seus devaneios da juventude intactos no seu obsoletismo ideológico, mas Lula deveria poupar seus malabarismos verborrágicos para defender a ditadura castrista. Logo que a URSS entrou em colapso, Fidel Castro estendeu sua xicarazinha pedindo esmolas em países da América Latina. Para isso ele congregou a esquerda do continente numa reunião chamada Foro de São Paulo, ao lado do PT em 1990. O maior fruto disso talvez seja Hugo Chávez que hoje é fiel colaborador econômico de Cuba. Contudo, Lula só se elegeu quando deixou de lado o discurso de luta de classes, tão caro a Fidel et caterva, tanto que escolheu um rico industrial para ser seu vice. De forma que não vejo motivos para algum tipo de agradecimento de Lula a Fidel. No fim penso que apenas o ímpeto de agradar a gregos e troianos é que pode levar Lula a esta visita a Cuba. Afinal, a antiga ala mais radical do PT ainda vive com a cabeça nos anos 60. Mas não é tirando fotos e gargalhando ao lado de déspotas que Lula ganha ares de estadista, pelo contrário. Ao fazer isto apenas endossa seu desapreço pela democracia e pelos verdadeiros direitos humanos, atestando que o PT tem sim um DNA totalitário e que não evoluiu, mas apenas se adaptou para chegar ao poder.

DIREITOS HUMANOS

Guajajara repudia fala de técnico do Palmeiras; Abel reconhece erro

Treinador fez declaração xenófoba após jogo contra Atlético Goianiense

13/07/2024 20h00

Foto: Frame / Canal Gov

Continue Lendo...

A ministra dos Povos Indígenas, Sonia Guajajara, disse neste sábado (13) que foi procurada pelo Palmeiras e informada sobre o pedido de desculpas do técnico Abel Ferreira. Na última quinta-feira (11), depois da vitória sobre o Atlético Clube Goianiense por 3 a 1, pelo Brasileirão, ele afirmou que o time paulista “não é uma equipe de índios”. A expressão foi usada como sinônimo de desorganização.

“A assessoria do Palmeiras entrou em contato com nosso gabinete para informar sobre o posicionamento do técnico Abel Ferreira, após sua fala. Importante o reconhecimento do erro e o pedido de desculpas às comunidades indígenas do Brasil”, escreveu Guajajara nas redes sociais.

O pedido de desculpas citado pela assessoria do clube foi postado nas redes sociais de Abel Ferreira na sexta-feira (12).

“Repudio toda e qualquer forma de preconceito e discriminação. Infelizmente, há expressões que continuamos a perpetuar sem que nos debrucemos sobre o seu conteúdo. Errei ao usar uma dessas expressões na coletiva de imprensa. Reconheço que palavras têm poder e impacto, independentemente da intenção. Devemos todos questionar, pensar e melhorar todos os dias. Peço desculpa a todos e, em especial, às comunidades indígenas”, escreveu o técnico.

Também na sexta-feira, a ministra escreveu que as falas de Abel Ferreira eram “inadmissíveis”, por revelar a permanência de estereótipos em relação aos povos indígenas.

“O técnico do Palmeiras errou, e muito, na sua declaração. Gostaria de convidá-lo a conhecer a história dos povos indígenas do Brasil. E também conhecer a história de colonização de Portugal, seu país de origem, em relação ao Brasil e como estamos trabalhando para rever isso”, escreveu.

Guajajara também citou os posicionamentos recentes do governo português, que em junho assinou Memorando de Entendimento com o Observatório do Racismo e Xenofobia do país, durante visita da ministra da Igualdade Racial, Anielle Franco.

“O próprio presidente de Portugal, recentemente, admitiu que o país foi responsável por uma série de crimes contra escravos e indígenas no Brasil. Uma declaração muito importante porque o reconhecimento de tais crimes é o primeiro passo para ações concretas de reparação”.

“Seu posicionamento, naquele momento, trouxe para o debate público a relevância inadiável de avançarmos numa agenda de igualdade étnico racial como premissa para a cidadania, com o resgate, a preservação e a valorização da história e dos saberes da cultura afro-indígena do BR”, completou a ministra.

*Com informações da Agência Brasil

VÍRUS

Com caso em MS, Saúde recomenda atenção para casos de febre Oropouche no país

Estados e municípios devem intensificar vigilância para possibilidade de transmissão do vírus

13/07/2024 18h00

Sesau confirma que não há foco do mosquito Oropouche em MS

Sesau confirma que não há foco do mosquito Oropouche em MS Foto: Divulgação

Continue Lendo...

O Ministério da Saúde (MS) emitiu uma recomendação aos estados e os municípios para que intensifiquem a vigilância em saúde para a possibilidade de transmissão vertical do vírus Oropouche. Em Mato Grosso do Sul, apenas um caso foi registrado neste ano, em Campo Grande.

Conforme a Secretaria Municipal de Saúde (Sesau), o caso registrado no dia 12 de junho trata-se de uma mulher de 42 anos, que contraiu o vírus na cidade de Ilhéus, na Bahia, onde passava férias, no início de junho.

Desta forma, o caso foi tratado como alóctone, que é quando a doença é importada de outra localidade

Um dia após o registro do primeiro caso, a Sesau emitiu um comunicado informando que não há foco do mosquito transmissor na Capital até o momento.

Nesta semana, o Ministério da Saúde emitiu a recomendação de intensificação de vigilâmcia após o Instituto Evandro Chagas detectar presença do anticorpo do vírus em amostras de um caso de abortamento e quatro casos de microcefalia.

“Significa que o vírus é passado da gestante para o feto, mas não é possível afirmar que haja relação entre a infecção e o óbito e as malformações neurológicas”, disse o Ministério em nota divulgada na quinta-feira (11).

No documento, a pasta orienta que estados e municípios também intensifiquem a vigilância nos meses finais da gestação e no acompanhamento dos bebês de mulheres que tiveram infecções por dengue, Zika e Chikungunya ou febre de Oropouche.

O Ministério recomenda ainda coletas de amostras e preenchimento da ficha de notificação; que se alerte a população sobre medidas de proteção a gestantes, como evitar áreas com a presença de maruins (tipo de inseto) e mosquitos, instalar telas em portas e janelas, usar roupas que cubram a maior parte do corpo e aplicar repelente.

Segundo as informações, o serviço de detecção de casos de Oropouche foi ampliado para todo o país em 2023, após o Ministério da Saúde disponibilizar testes diagnósticos para toda a rede nacional de Laboratórios Centrais de Saúde Pública (Lacen).

Com isso, os casos, até então concentrados prioritariamente na Região Norte, passaram a ser identificados também em outras regiões do país.

“A descoberta reforça a eficiência da vigilância epidemiológica no SUS, principalmente em relação a possíveis transmissão vertical de doenças, fundamental para antecipar diagnósticos e proteger gestantes e recém-nascidos”, informou o ministério.

Febre Oropouche

A Febre do Oropouche é uma doença causada pelo  arbovírus Orthobunyavirus oropoucheense (OROV), que foi isolado pela primeira vez no Brasil em 1960. 

Desde então, casos isolados e surtos foram relatados no Brasil, principalmente, nos estados da região amazônica. Também já foram relatados casos e surtos em outros países das Américas Central e do Sul (Panamá, Argentina, Bolívia, Equador, Peru e Venezuela).

A transmissão é feita principalmente por mosquitos da espécie 'maruim' ou 'mosquito-pólvora.

Depois de picar uma pessoa ou animal infectado, o vírus permanece no sangue do mosquito por alguns dias. Quando esse mosquito pica outra pessoa saudável, pode transmitir o vírus para ela.

Existem dois tipos de ciclos de transmissão da doença:

  • Ciclo Silvestre: Nesse ciclo, os animais como bichos-preguiça e macacos são os hospedeiros do vírus. O mosquito Culicoides paraenses, conhecido como maruim ou mosquito-pólvora, é considerado o principal transmissor nesse ciclo.
  • Ciclo Urbano: Nesse ciclo, os humanos são os principais hospedeiros do vírus. O mosquito Culicoides paraenses também é o vetor principal.

Sintomas

Os sintomas da Febre do Oropouche são parecidos com os da dengue e da chikungunya: dor de cabeça, dores musculares e nas articulações, além de tontura, dor na parte posterior dos olhos, calafrios, náuseas, vômitos.

Em cerca de 60% dos pacientes, algumas manifestações, como febre e dor de cabeça persistem por duas semanas

Não existe tratamento específico. Os pacientes devem permanecer em repouso, com tratamento sintomático e acompanhamento da rede de saúde.

A prevenção é feita a partir da proteção contra os mosquitos transmissores.

* Com Agência Brasil

NEWSLETTER

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo.

Fique Ligado

Para evitar que a nossa resposta seja recebida como SPAM, adicione endereço de

e-mail [email protected] na lista de remetentes confiáveis do seu e-mail (whitelist).