Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

GAFANHOTOS

Nuvem de gafanhotos: origem, riscos e como se proteger deste fenômeno

Formação com milhões de insetos tem colocado em alerta governos dos países latinos
05/08/2020 14:00 - Fábio Oruê


E se no meio de uma pandemia mundial alguns países também tivessem que enfrentar uma nuvem de gafanhotos que está causando destruição e prejuízos em plantações? 

Alguns países da América Latina estão de fato enfrentando uma nuvem de gafanhotos, que podem viajar até 150 quilômetros por dia. 

Países como Argentina, Paraguai, Uruguai e até o Brasil tiveram que prontamente combater o fenômeno, que chega a ser formado por milhões de insetos, para minimizar os danos ou prevenir possíveis prejuízos aos produtores. 

Esse fenômeno já é conhecido, mas nem sempre atinge proporções como as que repercutiram no noticiário este ano. Informações do Serviço Nacional de Saúde e Qualidade Agroalimentar da Argentina (Senasa) trazem relatos de nuvens com cerca de 400 milhões de insetos.

“Algumas espécies de gafanhotos possuem naturalmente a capacidade de formar nuvens, seja em ambiente alterado ou não pelo homem. No caso da espécie Schistocerca cancellata esse aumento exponencial no número de indivíduos é conhecido e cíclico, mas nem toda às vezes atinge as proporções que noticiamos recentemente e que causaram tanto alerta por parte das autoridades governamentais competentes”, disse o biólogo e mestre em Biologia Animal, Renan Olivier. 

Apesar de ainda não ter chegado ao Brasil, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) declarou estado de emergência fitossanitária no Rio Grande do Sul e em Santa Catarina devido ao risco de surto da praga.

A portaria foi publicada no Diário Oficial da União no dia 25 de junho deste ano e tem validade de um ano, para caso os gafanhotos atravessem a fronteira com o país, as autoridades tenham respaldo para o combate. 

Entenda porque este fenômeno ocorre, onde os insetos surgiram, seus potenciais estragos, formas de se proteger e tudo que é conhecido sobre essa nuvem de gafanhotos. 

Acompanhe as principais notícias rurais do MS

Como se forma a nuvem de gafanhotos?

Segundo Olivier, essa espécie de gafanhoto possui a capacidade de mudança de comportamento, podendo passar da fase solitária para fase gregária, quando se agrupam (e vice-versa) entre as gerações. Essa transição acontece devido a mudanças fisiológicas estimuladas por fatores como baixa umidade e elevada temperatura. 

“Após um aumento exponencial no número de indivíduos em uma mesma localidade, esses têm a tendência de se agruparem e como é esperado, essa grande população de gafanhotos necessita de uma quantidade considerável de alimento”, explicou ele ao Correio do Estado

Depois destas duas etapas eles começaram a migração e neste momento formam as conhecidas “nuvens”. 

Na fase em que os gafanhotos estão agrupados, esta espécie desenvolve uma série de adaptações favoráveis ao seu deslocamento pelo ar, ou seja, voando. 

Em seu ciclo de vida, esses gafanhotos passam pela fase de ovo, ninfas (ou imaturos) e, por fim, gafanhotos adultos.

 
 

De onde veio a nuvem de gafanhotos que assustou o Brasil?

Conforme divulgou o Senasa, há registros de nuvens os gafanhotos se formando em janeiro de 2017 na Bolívia. Depois, o mesmo problema foi registrado no Paraguai. 

A partir desta época os governos criaram o Programa de Gerenciamento Regional de Gafanhotos da América do Sul, que hoje inclui acordos de cooperação técnica, após a Argentina ajudar o Paraguai e a Bolívia. 

A origem mais provável para as duas nuvem que migraram para a Argentina é o Paraguai. Porém, este é um fenômeno que não há como prever, só é possível monitorá-lo depois da formação, ou seja, não há como saber exatamente onde ele surgiu. 

Trajetória da nuvem de gafanhotos 

Quatro nuvens estão sendo monitoradas pelas autoridades - três na Argentina e uma no Paraguai, onde todas elas provavelmente surgiram. 

A primeira nuvem registrada surgiu na região sul do Paraguai e os insetos teriam entrado na Argentina na região da província de Formosa, na divisa paraguaia no dia 19 de junho. 

Esta formação é a que preocupa o Brasil e Uruguai devido à proximidade das fronteiras. Segundo previsão do Senasa, os insetos estão seguindo em direção ao Uruguai, já que uma frente fria no sul do Brasil ajudou a afastar os insetos, que preferem temperaturas mais elevadas. 

Ainda conforme o órgão, ela está na região de Entre Ríos (AR), próximo do fronteira uruguaia. Entretanto, trabalhos de combate feitos nessa região eliminaram cerca de 80% dessa nuvem.  

 
 

Uma outra nuvem foi detectada na região de Parque Nacional Defensores del Chaco, dentro do departamento de Boquerón (PY), no mês passado. 

Este grupo de insetos se deslocou para o sul do Chaco – uma grande região que compreende Argentina, Bolívia e Paraguai. De acordo com informação do Senasa, esta segunda nuvem se estabeleceu na cidade de Ingeniero Juárez (AR).

 
 

A terceira nuvem foi identificada no Paraguai. Ela teria surgido no dia 16 de julho no radar do Serviço Nacional de Qualidade e Sanidade Vegetal e de Sementes do Paraguai (Senave). 

Conforme a última atualização, no dia 21, os insetos estavam localizados na área de Picada 500, a cerca de 200 quilômetros da fronteira argentina.

 
 

Além disso, uma quarta nuvem foi informada ao Senasa por um produtor rural, em Salta, também na Argentina. Porém, ainda não foi possível prever o tamanho desta formação. 

Segundo explicou o biólogo consultado pelo Correio do Estado, esse deslocamento acontece porque os insetos vão saem a procura de alimento. “[As migrações são] sempre orientadas por fatores climáticos como direção do vento e temperatura”, disse Olivier. 

Além disso, eles se deslocam à procura de locais para reprodução e postura de seus ovos.

O que uma nuvem de gafanhotos pode fazer?

O mestre em Biologia Animal explica que esta espécie (Schistocerca cancellata) é polifágica, ou seja, tem capacidade de se alimentar de uma ampla variedade de plantas disponíveis no ambiente. 

Como já citado, os insetos migram à procura de alimentos em grande quantidade e com as monoculturas, como trigo e cevada, além de pastagens, esses locais se tornam “uma opção de fácil acesso e grande fartura para esses gafanhotos”. 

Esses insetos também consomem grande quantidade de alimentos, sendo que cada indivíduo dessa formação pode se alimentar de até 100% do seu próprio peso diariamente. 

“Desse modo, considerando que uma nuvem possui milhões deles, rapidamente uma plantação pode ser devastada”, explicou o biólogo. 

 
 

“Também devemos notar que existem vários tipos de culturas que podem ser atacadas, cada qual com sua particularidade no que se refere ao tipo de prejuízo causado”, continuou, exemplificando se o alvo da nuvem for uma pastagem - utilizada para alimentação do gado leiteiro ou de corte - “com certeza essa devastação pode trazer prejuízos também aos criadores de animais”.

Porém, o principal dano é este relativo às diversas culturas que podem ser atacadas, já que não há riscos de transmissão de doenças aos humanos, pois os gafanhotos não são vetores. 

Algum tipo de desequilíbrio ambiental temporário pode acontecer, mas sem maior gravidade. 

“Por exemplo, podemos pensar no fato de que gafanhotos servem de alimento para diversas espécies de aves, as quais podem aproveitar a grande disponibilidade momentânea desse alimento, consequentemente possibilitando um aumento na população dessas espécies de aves nos meses seguintes, entretanto essas retornariam ao seu número normal com o passar do tempo sem causar problemas”, exemplificou o biólogo. 

Como se proteger?

“A melhor forma de combate a essas nuvens é a prevenção”, diz Olivier, explicando que ao se localizar uma área com uma grande população de gafanhotos em crescimento (ninfas, sem capacidade de voo) deve-se constatar o potencial de uma futura formação de nuvem. 

Se caso aquele sítio vir a dar origem a uma nuvem deve ser iniciado imediatamente um plano de combate por parte dos órgãos governamentais. 

“Nunca é recomendado que uma pessoa tome providências precipitadas e por conta própria, principalmente com relação ao uso de produtos químicos, como inseticidas”, alerta o biólogo. 

Segundo ele, para as ninfas a melhor opção é o controle biológico e para isso existem algumas opções disponíveis, como utilização dos fungos que afetam exclusivamente os insetos (Beauveria bassiana e Metarhizium anisopliae), provocando sua morte e auxiliando no controle da população sem causar danos mais severos ao meio ambiente. 

Caso os gafanhotos já terem se agrupado e formado a nuvem - espécimes adultos e com capacidade de voo -, o indicado é o uso de inseticidas específicos.

Porém, Olivier faz outro alerta:“[...] essa possibilidade não é tão efetiva - é dispendiosa economicamente e tem que ser muito bem avaliada, pois traz diversos riscos ao meio ambiente e também aos seres humanos”.

 
Combate à nuvem de gafanhotos com inseticidas na Argentina - Reprodução/ Senasa
 

O Ministério da Agricultura criou um manual de orientação - com base no modelo da Argentina - com ações específicas para monitoramento e controle, seguindo das fases de desenvolvimento do gafanhotos (ovos, ninfas e adultos).

Conforme o documento, o monitoramento precisa ocorrer onde tiveram registrados dos ovos do inseto. "Um gafanhoto adulto pode fazer a postura mais de uma vez, entre 80 e 120 ovos por postura aproximadamente", diz o manual.

Já nas fases de ninfas os insetos ainda não conseguem voar, então, o indicado é monitorar os gafanhotos ao nível do solo. A publicação diz que os locais onde estão os ovos devem ser monitorados periodicamentes para verificar os nascimentos e que algumas plantas ou culturas com danos podem orientar o monitoramento. 

Por fim, a indicação da pasta para controlar gafanhotos adultos é por via aérea ou no solo com o uso de atomizadores do tipo canhão. 

"O controle aéreo exige o monitoramento das ‘nuvens’ de gafanhotos durante o dia, até o local em que aterrissam à tarde/noite. Nesse momento, a superfície onde a praga está localizada deve ser estimada e marcado polígono para que a aplicação possa ser realizada no dia seguinte, na primeira hora do dia. Assim sendo, há uma diminuição da superfície a ser tratada, menor impacto ambiental, menor custo de aplicação e menor risco para o aplicador", cita a publicação.

Combate

A nuvem de gafanhotos que está em Entre Ríos (AR) chegou a ter 15 quilômetros quadrados em voo, conforme o Senasa. 

Porém, aproximadamente 80% dessa formação foi eliminada em ações de combate a praga - as pulverizações aéreas aconteceram em 26 de junho e 2 de julho.

Uma nova pulverização foi feita no dia 30 de julho, mas ainda foram vistos alguns gafanhotos isolados em voos curtos. 

Conforme o Sindicato Nacional das Empresas de Aviação Agrícola (Sindag) não há insetos suficientes para a formação de uma nova nuvem.

 As equipes técnicas estão na região rastreando pequenos grupos remanescentes. 

Prevenção brasileira 

Portaria publicada pelo Ministério engloba os estados de Santa Catarina e Rio Grande do Sul, sendo que este último já tem se mobilizados para eventuais combates aos insetos. 

A Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (SEAPDR) publicou o Plano de Emergência para Supressão e Controle de Gafanhotos para o RS. 

O plano prevê ações emergenciais contra o gafanhoto, como a criação do Comitê de emergência Fitossanitária do estado e estabelece regras para as operações aéreas e terrestres contra a praga, entre outras.

O governo de RS também confirmou a liberação de R$ 600 milhões do governo federal para custear ações contra a praga. 

Além disso, a secretaria realizou cursos para treinar fiscais agropecuários e técnicos para o monitoramento das nuvens e atuação nas operações e mapeou com fornecedores estoque dos produtos utilizados para as operações.

O estado também tem 70 aeronaves de prontidão - entre uma frota de mais de 400 colocadas à disposição - nas regiões de fronteira.

Mato grosso do Sul criou um comitê para monitorar e definir ações caso venha a ocorrer eventuais ataques de gafanhotos nas lavouras, formado por representantes do governo do Estado, da Federação de Agricultura e Pecuária de MS (Famasul) e da Associação de Produtores de Soja de MS(Aprosoja).

Segundo o secretário Jaime Verruck, o Estado não está inserido no decreto de emergência por que as nuvens de gafanhoto que estão no Paraguai estão direcionadas para a Argentina, mas o monitoramento continua. 

“Caso haja modificações e deslocamento de ventos nós estabeleceremos a emergência e com isso colocaremos em prática um plano efetivo de combate, junto com Ministério que inclusive já estabeleceu o tipo de agrotóxico a ser utilizado, forma e dosagem”, disse ele.

Conforme explicou Verruck, caso haja necessidade de um trabalho de combate, este será realizado pelos produtores, com atenção as unidades ambientais pois os produtos são específicos de uso na agricultura e pecuária.

Na avaliação do pesquisador da Embrapa Clima Temperado, Dori Edson Navas, será necessário acompanhar o movimento do gafanhoto sul-americano nos próximos meses. 

“Uma das nuvens que está no norte da Argentina seria maior do que essa que nós temos perto do Brasil, sendo o mesmo local de entrada da que está em Entre Ríos”, disse.

Conforme Navas, a Argentina já teve várias nuvens desde o ano passado e a equipe tem observado que isso faz parte do processo de migração dos gafanhotos. 

“Não sabemos se os gafanhotos farão o mesmo trajeto [da nuvem em Entre Ríos] ou se vão se deslocar para os Andes, o que normalmente acontece", indagou. 

Conclusão

Como explicado, apesar do fenômeno ser normal, em outros anos não havia atingido grandes proporções como em 2020. Para que o mesmo não aconteça outra vez, é preciso avisar as autoridades competentes quando se avistar uma grande concentração de ninfas, para que haja um controle efetivo antes que elas adquiram capacidade de voo.  

Escolha o melhor plano e fique sempre informado!

 
 
VEJA TAMBÉM

Felpuda


Comentários maldosos nos meios políticos dão conta que duas figurinhas que se rebelaram contra os próprios colegas poderão ficar no sereno político e, de forma indireta, serem personagens das próprias manifestações.

Um deles defendeu a redução do número de vereadores, e o outro disse ter vergonha de exercer o cargo. Agora enfrentam altos e baixos na campanha eleitoral.