Clique aqui e veja as últimas notícias!

NATUREZA

Pantanal de Mato Grosso do Sul pode demorar até 100 anos para se recuperar

No Estado bioma já teve mais de 1,2 milhão de hectares devastados pelo fogo só em 2020
23/09/2020 08:30 - Daiany Albuquerque, Rodrigo Almeida


Queimadas recordes têm sido registradas no Pantanal desde 2019, principalmente em Mato Grosso do Sul. Para especialista, pela particularidade da área é possível que sejam necessários mais de 100 anos para que a vegetação do local consiga se recuperar completamente.

Nesta terça-feira (22) as autoridades que combatem o fogo no Pantanal atualizam os dados da devastação do bioma. Desde primeiro de janeiro, mais de 1,2 milhão de hectares do bioma em Mato Grosso do Sul já foram devastadas.

As informações são do analista ambiental Alexandre Pereira, do Prevfogo/Ibama (Sistema Nacional de Prevenção e Combate aos Incêndios Florestais).

De acordo com a bióloga Angélica Guerra, doutora em Ecologia e Conservação, estudos indicam que pelas características únicas do bioma, essa devastação causada pelo fogo pode demorar muito para ser completamente apagada do local.

“Em áreas úmidas como o Pantanal, com eventos sucessivos de fogo e com queima subterrânea são necessários mais de 100 anos para recuperação da vegetação”, explicou. O bioma é a maior planície alagada do mundo.

De acordo com a pesquisadora, o tronco das árvores continua queimando mesmo após o fogo ter se apagado, e as chamas chegam até as raízes. “Além do fogo nas copas e troncos das árvores, está ocorrendo o fogo subterrâneo, que queima também as raízes das árvores. Nesses locais, com fogos consecutivos é muito difícil a recuperação dessas árvores. Quanto mais fogo, mais difícil o restabelecimento do ecossistema. O Pantanal tem espécies adaptadas ao alagamento, e não ao fogo como o Cerrado, e ele apresenta a pior estiagem dos últimos 50 anos, quanto mais seco, mais fácil a propagação do fogo”, alertou.

“A regeneração natural ocorre, mas leva muitos anos e dificilmente a vegetação estabelecida será igual a original, fora a grande perda de espécies animais que é necessária para estabelecer o funcionamento do ecossistema”, completou.