Clique aqui e veja as últimas notícias!

CRISE

Prefeitura de Campo Grande busca formas de financiar o transporte coletivo

Consórcio Guaicurus teve prejuízo na pandemia e administração teme devolução do serviço
17/02/2021 09:00 - Daiany Albuquerque


A Prefeitura de Campo Grande analisa formas de subsidiar o transporte coletivo da Capital. Isso porque o Consórcio Guaicurus, responsável pelo serviço, teve prejuízo em 2020 e a perspectiva é de que a mesma situação ocorra este ano.

De acordo com o diretor-presidente da Agência Municipal de Regulação dos Serviços Públicos (Agereg), Vinícius Leite Campos, se não houver uma forma de subsídio para as empresas que cuidam do serviço, há o risco de que elas entreguem a concessão.

“Não há como manter a continuidade do transporte público da forma que está, a conta não fecha. Se não houver subsídio, como tem no setor aéreo, o sistema vai parar. É inviável da forma que está hoje”, argumenta.

Últimas notícias

Segundo dados da própria Agereg, em 2020 o Consórcio Guaicurus teve mais despesas do que faturamento, o que fez com que o conjunto de empresas que operam o transporte público na Capital terminasse com deficit nas contas.

Em 2019, a empresa teve uma receita de R$ 166 milhões e uma despesa de R$ 158 milhões. Apesar da margem de lucro de R$ 8 milhões, a situação foi melhor que no ano passado, quando as despesas continuaram altas, R$ 112 milhões, mas a receita caiu para R$ 92 milhões, um saldo negativo de R$ 20 milhões.

“O custo de 2020 equivale a 71% de 2019, mas a receita de 2020 equivale a 55% de 2019”, avaliou a Pasta. A diferença é ocasionada pela pandemia da Covid-19, quando o transporte público ficou restrito por algum tempo, por conta da possibilidade alta de contágio pela doença.

Por causa dessa discrepância, que a prefeitura imagina que deva ocorrer ainda este ano, é que novas formas de ajudar a manter o serviço estão sendo estudadas. 

“Os governos federal, estadual e municipal precisam ajudar, são muitas gratuidades, que são subsídios cruzados, ou seja, quem usa paga por quem não usa. O governo do Estado pode, por exemplo, nos ajudar subsidiando os estudantes estaduais”, explicou Campos.