Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

EM CHAMAS

Estado tem aumento de 15% na quantidade de queimadas registradas em setembro

Inpe monitora com imagens de satélite surgimento de pontos de calor no Brasil
13/09/2020 09:30 - Ricardo Campos Jr


Mato Grosso do Sul teve aumento de 15% na quantidade de focos de queimadas, segundo monitoramento por satélite do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). O Estado teve 861 pontos de calor entre os dias 1º e 12 de setembro.

Levando em consideração os dados desde janeiro, já são 7.401 focos acumulados em 2020 contra 6.427 em 2019.

As queimadas se concentram principalmente na região do Pantanal. Ontem, a cidade de Corumbá amanheceu coberta por fumaça causada pelo fogo nas áreas de vegetação. 

O fenômeno se explica pela umidade relativa do ar e temperaturas altas. Em coletiva ao vivo pelas redes sociais, o gerente de Recursos Hídricos do Imasul (Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul), Leonardo Sampaio, disse que deve chover na região entre os dias 19 e 21 de setembro e também 25 e 26.

Embora a água não seja suficiente para aumentar o nível dos rios, que estão rumo aos piores níveis da história, pode ser que ajudem a reduzir o fogo que atinge a região pantaneira.

NACIONAL

Mato Grosso do Sul, apesar disto, está longe do pior cenário brasileiro. O Inpe contabiliza 30.751 queimadas em Mato Grosso desde o dia 1º de janeiro, aumento de 35% em relação ao ano passado. 

Somente em setembro, já foram registrados 22.666 pontos de calor em vegetações no estado vizinho. 

O Pará aparece em segundo lugar no ranking com 19.815 incêndios registrados pelo Instituto, mesmo porcentual de aumento que teve o Mato Grosso. Neste mês, o estado teve 14.616 focos de queimadas.

Já o Brasil, na soma dos incêndios florestais de todas as unidades da federação, acumula 125.031 focos desde o começo do ano, acréscimo de 10% em relação ao mesmo período de 2019.

 
 

Felpuda


Casal de políticos muito conhecido a-do-ra cargos públicos, e, assim, “um puxa o outro” na maratona política, que inclui disputa de mandatos, direção de órgãos e até mesmo nomeações com prerrogativa de não ter de bater ponto. A nova empreitada agora é conquistar uma das prefeituras do interior. Em caso de derrota, é quase certo que os nomes de ambos deverão aparecer no Diário Oficial antes mesmo do fim deste ano.