Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

PANDEMIA

Surto em frigorífico impulsionou Dourados como epicentro de Covid

Boletim epidemiológico indica o município com 2.454 casos confirmados do novo coronavírus
29/06/2020 08:00 - Da Redação


Os casos de Covid-19 confirmados em Dourados têm deixado autoridades de saúde e de defesa do direito dos cidadãos em alerta. Por causa disso, promotores dos Ministérios Públicos Estadual, do Trabalho e Federal, emitiram nota conjunta anunciando iminente colapso no serviço de saúde. Já são mais de 2,4 mil infectados (2.454) e 22 mortos. E em meio a esses dados, uma informação precisa ser destacada: o surto da doença em plantas frigoríficas da cidade influenciou diretamente na alavancada dos casos.

Conforme dados obtidos pelo Correio do Estado, até o último dia 25, 1.113 trabalhadores de duas plantas industriais da maior cidade do interior, tiveram exame confirmado para Covid-19. Desses, 1.064 são apenas de uma das empresas, a Seara Alimentos Ltda (JBS).

Os dados mostram que as medidas adotadas de forma precoce pelas empresas surtiram efeito. Hoje na JBS já são 1.025 trabalhadores recuperados. Na BRF S.A., 47 profissionais já retornaram aos postos de trabalho.  

Segundo o Comitê de Gerenciamento da Pandemia, e o Ministério Público do Trabalho, testagens em massa ajudaram a dimensionar a real proporção do contágio nas empresas.  

A infectologista Mariana Croda, superintendente-geral de Atenção à Saúde da Secretaria Estadual de Saúde, confirmou que os casos nos frigoríficos tiveram influência sobre a aceleração dos dados em Dourados. “Sim. O surto do frigorífico alavancou o avanço da doença nos municípios da microrregião de Dourados. Não há dúvida em relação a isso. Pondero apenas que o surto foi detectado precocemente. E fomos assistindo a rápida subida dos casos na comunidade sem tomar medidas mais restritivas,  permitindo a rápida disseminação na cidade. Entendemos que em municípios maiores é mais difícil o controle. Guia Lopes por exemplo decretou lock down com poucos casos coisa que talvez fosse inviável em capitais ou maiores cidades”, disse.

Ela avalia as medidas adotadas pelo município como insuficientes para resultados eficazes. “Minha crítica é que continuam assistindo ao crescimento e aplicando medidas paliativas que influenciarão muito pouco nos números. E estamos alertando isso há semanas”.

Sobre o funcionamento parcial do comércio, somente no período vespertino, iniciado na quinta-feira, Mariana se mostra contrária e preocupada com os resultados. Ela acredita que a decisão faz com que a população antes distribuída em dois turnos, concentre-se em um único período para realização de suas atividades. “Isso acaba gerando mais aglomeração e não impactou em quase nada na taxa de isolamento”, avaliou.

“Para mim até agora todas as medidas que a prefeitura tomou elas não impactam diretamente nos indicadores e deveriam ter sido tomadas  no início dos casos e não agora que nós estamos a beira de um colapso”, afirmou.

 
 

AÇÕES EDUCATIVAS

A superintendente ainda ressaltou que não culpa a população pelo contágio acelerado, uma vez que o momento enfrentado exige dos gestores públicos uma postura restritiva. “Eu entendo que as pessoas estão cansadas de ficarem presas e é por isso que eu não culpabilizo a população, porque o gestor tem feito são ‘ameaças’ por falta de conscientização. Precisamos entender que o vírus chegou a uma parcela da população que é muito difícil você solicitar isolamento apenas de maneira informativa, educativa. Precisamos de medidas mais austeras”, afirmou.

JBS

Em nota, a JBS afirmou que a empresa desde o início da pandemia tem adotado um rígido protocolo de prevenção contra a Covid-19 na sua unidade de Dourados e em todas as suas plantas no Brasil, conforme as orientações dos órgãos de saúde e Portaria Interministerial do Ministério da Economia e Secretaria Especial de Previdência e Trabalho.  

A JBS também disse seguir as orientações do Hospital Albert Einstein e especialistas médicos contratados pela Companhia para apoiar na implantação rigorosa de medidas para a proteção de seus colaboradores.

O afastamento de pessoas que fazem parte do grupo de risco, ampliação da frota de transporte, desinfecção diária das unidades, medição de temperatura de todos antes do acesso às fábricas, vacinação contra gripe H1N1 para 100% dos colaboradores, ações de distanciamento social e forte comunicação de prevenção e cuidados foram aplicadas para frear o contágio progressivo.

A empresa ainda encampou movimento de solidariedade doando itens de proteção individual e até leitos hospitalares para pacientes de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) no Hospital Universitário de Dourados. Outros municípios da região também foram beneficiados com materiais de atendimento em saúde.


Números do Estado

Com mais 220 exames positivos para o novo coronavírus (Covid-19) em 24 horas, o número de casos confirmados da doença no Estado chegou a 7.527 neste domingo. São 75 mortes pela doença em Mato Grosso do Sul.  Dos 7.527 casos confirmados, 3.357 estão em isolamento domiciliar, 3.926 estão recuperados e 174 estão internados, sendo 111 em hospitais públicos e 63 em particulares. 

 

Felpuda


É quase certo que a aposentadoria deverá ocorrer de maneira mais rápida do que se pensava em determinado órgão. O que deveria ser a tal ordem natural dos fatos acabou sendo atropelada por acontecimentos considerados danosos para a imagem da instituição. Os dias estão passando, o cerco apertando e já é praticamente unanimidade de que a cadeira terá de ter substituto. Mas, pelo que se ouve, a escolha não deverá ser com flores e bombons de grife.