Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

ESTREIA

Choque de gerações em "Os Roni"

Na terceira temporada, a série mescla nomes em alta da internet com veteranos da tevê
02/06/2020 16:00 - Caroline Borges/TV Press


 

A internet ganha cada vez mais força e relevância no setor artístico. Não à toa, a “web” tornou-se um celeiro de novas atrações. O Multishow, inclusive, foi um dos primeiros a absorver os nomes que surgiram das redes sociais para sua programação na tevê. Tanto é que a trama de “Os Roni”, é capitaneada por dois fenômenos do humor e das redes sociais: Whindersson Nunes e Tirullipa, que, juntos, contabilizam mais de 55 milhões de seguidores no Instagram. “Cada vez mais essas plataformas estarão integradas. Todos estamos aprendendo e evoluindo para aproveitar e explorar essas possibilidades. O Whindersson começou sozinho na internet. Agora está estudando e evoluindo seus potenciais artísticos. O Tirullipa fez um caminho oposto. Veio do circo para a tevê e tornou-se também mais um fenômeno na internet. No final, estamos falando de talentos naturais que estão se lapidando. E a tevê agradece por esse encontro”, valoriza o diretor César Rodrigues, que também é responsável pela direção do “Vai Que Cola”, um dos maiores sucesso do canal a cabo.

A série narra a trajetória dos irmãos Ronivaldo, Roniclayson e Roniwelinton, vividos por Tirullipa, Whindersson e Carlinhos Maia, o último, no entanto, deixou o elenco na nova leva de episódios. Eles saem do Nordeste para tentar a sorte em São Paulo, acompanhados da avó Dona Santinha, de Ilva Niño. Ao chegarem na capital paulista, eles procuram a ajuda da irmã, que é casada com um cirurgião plástico e mora numa luxuosa mansão. Na terceira temporada, os dois irmãos resolvem virar empreendedores, transformando a casa de Itaquera em uma bodega. “A gente está mais engraçado, o Vadinho (apelido de Ronivaldo) está mais entrosado, mais sem vergonha. O Vadinho e o Clayson (apelido de Roniclayson) já estão mais em sintonia, a gente só se olha e um já sabe o que o outro vai fazer. Ganhamos mais espaço por conta de a bola agora estar sempre com o Clayson e Vadinho. Vai ter muita coisa boa, muita coisa interessante”, adianta Tirullipa.

Apesar da saída de Carlinhos Maia, o elenco não ficou menos numeroso. Rafael Cunha, que interpreta Josebson, é a novidade do “casting” do seriado, que também conta com Raphael Vianna, Falcão, Karla Karenina e Titina Medeiros. Na história, Josebson é funcionário de Jennyfer, papel da influenciadora digital GKay. Como a jovem cresceu na vida e ascendeu nos negócios, ela precisará de alguém para assessorá-la. “Então, chega o meu personagem. Um cara meio ignorante e bruto, que não tem muitos termos. Ele, inclusive, tem até um bordão: ‘perguntou besteira, leva rasteira’. Perguntou besteira, ele dá um fora na hora, sem pestanejar. E tem uma pitada de humor de resenha, ele é meio vigaristão, eu amei fazer esse personagem”, valoriza Rafael.

A equipe de diretores também ganhou um novo nome. Régis Faria, filho do ator e diretor Reginaldo Faria e irmão do ator Marcelo Faria, entrou no seriado através de um convite da dupla César Rodrigues e Christian Machado, que formataram as primeiras duas temporadas. Recém-chegado ao projeto, Régis acredita no poder de identificação da série com o público. “Temos uma família que vem do Nordeste tentar a vida em uma grande metrópole e se depara com as adversidades inerentes a este movimento. As situações que surgem são muito divertidas e trazem em si uma crítica social. O texto é muito bem construído e trabalhado de forma coletiva. Toda a produção é muito bem feita. Estamos todos felizes de fazer este projeto e nossa felicidade imprime na tela. O público capta essa leveza e boa vibração”, elogia.

 

Felpuda


Candidato a prefeito em cidade do interior tremeu que só nas bases diante da decisão que tirou a corda do pescoço de adversário, liberando o dito-cujo para disputar a eleição.

Como acreditava que o pleito seria “um passeio”, estava até pensando no modelito que usaria no dia da posse.

Agora, teme nadar, nadar e morrer na beira da praia, deixando o terno pendurado no cabide.