Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

COVID-19

Mesmo com pandemia, banhos em cachorros e gatos devem ser raros

Patas podem ser higienizadas após o passeio, mas banhos frequentes podem prejudicar a saúde dos animais
16/04/2020 07:00 - Naiane Mesquita


 

Companheiros em tempos difíceis, os pets também estão sujeitos a alguns cuidados durante a pandemia do novo coronavírus.

Porém, ao contrário dos humanos, cachorros e gatos não precisam de banhos constantes nem devem ter contato com produtos tóxicos. Sob hipótese alguma deve ser usado álcool, creolina ou qualquer produto desinfetante no animal, como explica a médica-veterinária e especialista em homeopatia Mônica de Souza. “Pode parecer estranho, mas os cães, por sua produção natural de gordura na pele, não necessitam de banho algum, quanto mais banhos frequentes. Isso porque as necessidades de higiene dos cães são diferentes das nossas. Essa gordura é fator de proteção da pele. Se retirada rotineiramente, predispõe a pele a infecções por fungos e bactérias, coceiras e alergias”, esclarece.

Caso o animal esteja sujo ou com mau cheiro, o ideal é oportunizar o banho a cada 20 dias. “A recomendação para se garantir minimamente a saúde da pele dos animais com menor odor é de um banho a cada 20 dias. Isso porque as necessidades de higiene dos cães são diferentes das nossas”, ressalta. Para os gatos, os banhos são ainda mais desnecessários, já que os felinos têm o hábito de se limparem diariamente.

Patas

No caso dos cachorros que são levados para passear fora de casa, as patas podem ser higienizadas, mas com cuidado.

“As patas dos animais são diferentes do resto do corpo, é por onde eles transpiram também. Como estarão em contato com o chão, a pessoa pode passar um pouco de álcool em gel apenas nessa área. Não é para dar um banho de álcool em gel no cachorro ou usar creolina, como tive notícias de pessoas que estavam fazendo. Isso é extremamente tóxico”, explica Mônica.  

A higienização frequente pode ressecar as patas dos cachorros, que devem ser hidratadas. “Nesse caso, são indicados os hidratantes à base de óleo de uva, que são usados para aquelas hiperqueratoses de cotovelo de raças grandes, os famosos calos de apoio”, frisa.  

Além de fungos, a veterinária alerta que os animais não devem tomar banho durante o clima frio. “Pode causar problemas respiratórios. Banhos durante o inverno, que deixam os animais úmidos, causam tosses, além dos problemas de pele”, frisa. 

 
 

Coronavírus  

De acordo com dados da Organização Mundial da Saúde Animal divulgados no fim do mês de março pelo Conselho Federal de Medicina Veterinária (CRMV), não há evidências de que os animais de estimação desempenhem algum papel na disseminação da doença causada pelo novo coronavírus.

Há casos de gatos e cachorros infectados pelo novo coronavírus, mas porque entraram em contato com tutores contaminados pela Covid-19. Ou seja, quem levou o vírus para dentro de casa foi o ser humano.  

Além disso, as pesquisas também alertam que os animais não reagem da mesma forma à infecção, sendo mais resistentes e muitas vezes não apresentando sintomas.

Um estudo sobre o assunto chegou a ser publicado na revista Science, uma das mais conceituadas entre a comunidade científica.  

A investigação foi feita na cidade de Wuhan, na China, onde a pandemia começou. Os cientistas testaram 102 gatos e descobriram que apenas 15 deles haviam desenvolvido anticorpos contra o novo coronavírus, mas sem indício de sintomas e nem de transmissão para outros animais ou humanos.  

O aconselhado no caso de contaminação de seres humanos pelo coronavírus é evitar manusear os animais de estimação durante o isolamento, mantendo a mesma distância segura que é adotada no caso de seres humanos que residem na mesma casa.  

Além disso, todos, independentemente de contaminação ou não, devem manter a rotina de higienização e cuidado, como a adoção de máscaras no cotidiano, o uso de álcool 70% e, principalmente, manter as mãos sempre limpas com o uso de água e sabão.  

Maçanetas, portas e outras superfícies, como embalagens de entregas, também devem ser higienizadas, já que estudos apontam a sobrevivência do vírus por algumas horas.  

Nesse caso, a água sanitária é uma grande aliada: basta usar como medida metade de um copinho de café de 50 ml e dissolver em um litro d’água. Após a mistura, é só limpar as superfícies.

 

Felpuda


Devidamente identificadas as figurinhas que agiram “na sombra” em clara tentativa de prejudicar cabeça coroada. Neste segundo semestre, os primeiros sinais começarão a ser notados como reação e “troco” de quem foi atingido. Nos bastidores, o que se ouve é que haverá choro e ranger de dentes e que quem pretendia avançar encontrará tantos, mas tantos empecilhos, que recuar será sua única opção na jornada política. Como diz o dito popular: “Quem muito quer...”.