Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

ACIMA DE R$ 4

Preço da gasolina sobe pela segunda semana consecutiva

Etanol e diesel também registraram aumento
03/11/2019 18:03 - GLAUCEA VACCARI E RICARDO CAMPOS JR.


 

Pela segunda semana consecutiva, o preço médio da gasolina ficou mais caro aos consumidores campo-grandenses, segundo levantamento da Agência Nacional do Petróleo (ANP). Na semana encerrada neste sábado (2), preço médio do litro da gasolina ficou em R$ 4,049, aumento de 0,37% em relação a semana anterior, quando o valor médio era de R$ 4,034.

Quando considerado o preço mínimo, nesta semana o menor valor encontrado nos 43 postos de combustíveis percorridos pelos técnicos se manteve em R$ 3,939, mesmo preço registrado nas últimas cinco semanas. Já o preço máximo teve alta de 2,33%, saltando de R$ 4,199 registrado na semana anterior para R$ 4,299 nesta.

A diferença entre o menor preço e o maior preço é de R$ 0,36 por litro de gasolina, sendo a maior variação em dinheiro das últimas seis semanas.

No ranking nacional, a gasolina vendida em Campo Grande é a quarta com menor preço médio do País.

Em relação ao etanol, levantamento da ANP aponta que o litro do biocombustível registrou alta pela terceira semana na Capital. O preço médio ficou em R$ 3,325 , frente a R$ 3,303 na semana anterior.

Seguindo a tendência de aumentos, o diesel encerrou a semana com preço médio de R$ 3,723 nos postos de combustíveis de Campo Grande, enquanto era comercializado a R$ 3,643 na semana de 20 a 26 de outubro.

No Estado, a média de preço da gasolina também acumula duas semanas de aumento, passando de R$ 4,130 para R$ 4,140 o preço médio. No entanto, os preços máximos e mínimos não tiveram alteração, de R$ 3,939 e R$ 4,759, respectivamente.

Nos municípios do interior do Estado, a gasolina encerrou a semana custando em média R$ 4,609 em Corumbá, R$ 4,431 em Coxim, R$ 4,181 em Dourados, R$ 4,409 em Nova Andradina, R$ 4,544 em Ponta Porã e R$ 4,420 em Três Lagoas.

Felpuda


Nos bastidores, conversas, ou melhor, quase sussurros, dão conta de que compromisso assumido teria prazo de validade se acontecer a vitória de aliado.

A partir de então, o papo passaria a ser bem, mas bem diferente mesmo, pois, com acordo cumprido, novos objetivos passariam a ser fonte dos desejos, e sem nenhuma moeda de troca.

No caso, não haveria mais sequer um fio de bigode. Tipo, cada um na sua.