Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

VOLTA ÀS AULAS

Aulas na rede particular de Campo Grande retornam no dia 21 de setembro

Reunião entre órgãos da prefeitura e Ministério Público definiram que apenas 30% dos alunos podem estudar presencial
03/09/2020 17:08 - Daiany Albuquerque, Rodrigo Almeida


As aulas na rede particular de ensino de Campo Grande serão retomadas a partir do dia 21 de setembro deste ano, para as crianças da educação infantil.

A decisão foi tomada em reunião na tarde desta quinta-feira (3) no Ministério Público de Mato Grosso do Sul, com a participação de promotores, representantes da saúde do município e de instituições de ensino.

De acordo com o presidente da Associação de Instituições de Ensino Particulares de Campo Grande, Lúcio Rodrigues Neto, a reunião foi positiva e o cronograma foi construído em consenso.

“As escolas estão bem satisfeitas com o resultado da reunião. A gente vai iniciar com a educação infantil a partir de setembro, dia 11 sai o decreto”.

Segundo o secretário de Saúde do município, José Mauro de Castro Filho, a volta será de apenas 30% dos alunos das escolas particulares, de 0 a 7 anos, o que daria em torno de 1.800 crianças.

“Houve uma solicitação por parte das escolas, que foi acatado pelo prefeito e ratificado pelo Ministério Público, com toda a fiscalização, que a partir do dia 21 o ensino infantil passaria a ter a possibilidade de funcionar com 30% de ocupação, respeitando todos os planos de biossegurança, em uma situação onde seja opcional para os pais que queriam levar os seus filhos para esse ensino e os pais que não queiram tenham as mesmas condições de fazer as aulas online”, declarou Castro.

O secretário ainda lembrou que a prefeitura tem a prerrogativa, caso os números mudem, a rever essas datas estabelecidas.

“Caso ocorra reversão em ocupação de leitos, ou um aumento inesperado nas notificações que estão em decréscimo, a gente pode rever essa posição”, disse.

 
 

Felpuda


Os bastidores fervem com a ciumeira que vem acontecendo em alguns municípios, onde determinados candidatos estariam sendo mais prestigiados que outros depois das alianças que foram formalizadas nas convenções. As queixas só aumentam, e as lideranças partidárias já não sabem o que fazer, temendo a possibilidade de que a vitória vá para o ralo. A bronca maior está entre integrantes das chapas puras de vereadores que se coligaram na majoritária. E salve-se quem puder!