Cidades

INOVAÇÃO

Médicos de MS recebem destaque internacional com técnica de autotransfusão de sangue

Artigo sobre método utilizado em tratamento alternativo durante a pandemia de covid-19 foi publicado em revista científica nos EUA

Continue lendo...

Bastante utilizada durante a pandemia de covid-19, a técnica de “autotranfusão de sangue” foi destaque internacional através de um estudo feito pelo dr. Marco Antonio Araujo de Mello do Hospital Universitário Maria Aparecida Pedrossian (Humap-UFMS/Ebserh).

Publicada como artigo no renomado jornal científico americano - American Journal of Case Reports - em junho deste ano, a prática é considerada inovadora, já que consiste na reintrodução do sangue do paciente em suas próprias veias, ou seja, é uma transfusão autóloga.

Durante a pandemia de Covid-19, que levou à situação de baixos estoques de sangue, a técnica de autotransfusão sanguínea se tornou uma alternativa para a realização de cirurgias de emergência em Mato Grosso do Sul. Segundo Marco, que coordena a equipe médica, o método utiliza o recuperador de células, uma máquina que recupera o sangue do próprio paciente durante a cirurgia.

O recuperador de células também é é utilizado na rede privada em qualquer tipo de cirurgia, além das cardíacas, tais como nas ortopédicas, neurocirurgias, vasculares dentre outras. Sobre o valor de investimento, a aquisição do kit de autotransfusão em comodato para ser utilizado no recuperador de células. O valor do kit, utilizado para cada cirurgia é em torno de R$2.800,00.

“Esse sangue é lavado, filtrado e reinfundido, mantendo o mesmo DNA do paciente, eliminando assim os riscos de reações alérgicas, inflamatórias e imunológicas que poderiam ocorrer caso o paciente recebesse sangue de uma outra pessoa doadora. Essa nova classe de recuperadores, na qual se enquadra aquele mencionado no artigo, tem um modo de pós-operatório automatizado que é possível fazer a autotransfusão nessa fase do pós-operatório”, explica o pesquisador.”, afirma Mello.

Equipamento protetor de células sanguíneas - Foto: Humap/UFMS 

O Humap-UFMS/Ebserh já possui com uma máquina de faz a recuperação de células, o que permite a realização do procedimento no hospital. Entre os benefícios da autotransfusão estão: 

  • disponibilidade imediata do sangue do próprio paciente; 
  • diminuição do tempo de internação hospitalar; 
  • redução de infecções e mortalidade;
  • diminuição da demanda de sangue homólogo proveniente das agências transfusionais, como a Rede Hemosul MS.

Seguindo recomendações mais recentes da OMS (Organização Mundial de Saúde), a técnica foi realizada em um homem de 55 anos submetido à cirurgia combinada mitral e aórtica. Conforme descrito no artigo, a cirurgia de substituição valvar com circulação extracorpórea teve um resultado bem-sucedido após transfusão de sangue autóloga intra e pós-operatória, usando um protetor de células sanguíneas.

“O paciente não aceitou transfusão de sangue por motivos de consciência religiosa e encontrava-se em estado crítico, recebendo cuidados paliativos. Ele precisava de uma cirurgia combinada de troca valvar mitral e aórtica. A cirurgia foi realizada com cell saver (Sistema de Autotransfusão Sorin Xtra) no intra e pós-operatório por 24 horas, para resolução deste caso desafiador, do ponto de vista técnico e ético. O volume de hemácias recuperado no intraoperatório foi de 1.430 mL, com nível de hematócrito de 40%, e de 690 mL, com hematócrito de 35%, no pós-operatório. Portanto, foi recuperado um volume significativo de sangue autólogo. A transfusão sanguínea autóloga resultou em excelente evolução clínica para o paciente, que recebeu alta hospitalar no nono dia de pós-operatório”, descreve o documento que traduzido para o português fica intitulado como: Caso de sucesso de cirurgia de troca valvar dupla com transfusão de sangue autólogo: autonomia do paciente preservada com excelente resultado clínico.

Conclusões 

O estudo concluiu que o uso do protetor de células sanguíneas em cirurgia cardíaca, tanto no intra quanto no pós-operatório, resultou na manutenção de níveis adequados de hemoglobina e hematócrito, ausência de infecção no pós-operatório e recuperação rápida e completa do paciente. Assim, a utilização do protetor de hemácias garantiu autonomia ao indivíduo para recusar hemoderivados com segurança, com bons resultados clínicos e sem dependência de transfusões de sangue alogênico.

Conforme os pesquisadores da UFMS, a OMS incentiva fortemente a criação de programas de conservação do sangue do próprio paciente, conhecidos como Patient Blood Management (PBM). O PBM é guiado por três pilares fundamentais: otimizar a massa eritrocitária do paciente, minimizar a perda sanguínea do paciente e otimizar a tolerância fisiológica de cada paciente à anemia. No estudo conduzido pela equipe do Hospital Universitário, houve um foco especial em minimizar a perda sanguínea do paciente.

Além do uso intraoperatório do recuperador de células, a técnica foi aplicada nas primeiras 24 horas de pós-operatório, conectando o recuperador ao dreno do mediastino na unidade coronariana. “Houve uma recuperação de um volume de 690 ml de hemácias no pós-operatório, além de 1430 ml no intraoperatório. O desfecho clínico do paciente foi muito satisfatório, com alta hospitalar no nono dia de pós-operatório, sem complicações cirúrgicas e, o mais importante, respeitando a sua autonomia”, aponta. 

“Essa é uma técnica inovadora por dois aspectos: pelo fato de utilizar o equipamento dando condição ao paciente que não deseja receber sangue doado fazer a autotransfusão; e também, como segundo aspecto inovador, por potencializar a vontade do paciente de levar o equipamento para o pós-operatório. Essa nova classe de recuperadores, na qual se enquadra aquele mencionado no artigo, tem um modo de pós-operatório automatizado que é possível fazer a autotransfusão nessa fase do pós-operatório”, explica o pesquisador.

No estudo conduzido pela equipe do Hospital Universitário, houve um foco especial em minimizar a perda sanguínea do paciente. Além do uso intraoperatório do recuperador de células, a técnica foi aplicada nas primeiras 24 horas de pós-operatório, conectando o recuperador ao dreno do mediastino na unidade coronariana.

“Houve uma recuperação de um volume de 690 ml de hemácias no pós-operatório, além de 1430 ml no intraoperatório. O desfecho clínico do paciente foi muito satisfatório, com alta hospitalar no nono dia de pós-operatório, sem complicações cirúrgicas e, o mais importante, respeitando a sua autonomia”, destaca.

Hospitais ao redor do mundo buscam instituir protocolos para racionar o consumo de sangue, um critério de qualidade hospitalar promovido por agências certificadoras, como a Joint Commission International (Comissão Conjunta Internacional). Um hospital que recebe um selo de qualidade compromete-se a reduzir a prática médica transfusional.

*Com informações da assessoria 

Assine o Correio do Estado 

ESCASSEZ DE PROFISSIONAIS

Falta de mão de obra em oficina mecânica atrasa consertos de carros na Capital

Proprietários de oficinas relatam sérias dificuldades para contratar mecânico, auxiliar de mecânico, funileiro, pintor, polidor, eletricista, alinhador, profissional de lanternagem, preparador de pintura e montador

18/07/2024 09h45

Carro em oficina mecânica para conserto

Carro em oficina mecânica para conserto DIVULGAÇÃO

Continue Lendo...

Oficinas mecânicas têm encarado falta de mão de obra, nos últimos meses, em Campo Grande.

Proprietários relatam dificuldades para contratar mecânico, auxiliar de mecânico, funileiro, pintor, polidor, eletricista, alinhador, profissional de lanternagem, preparador de pintura e montador.

Com isso, a falta de mão de obra atrasa o conserto e entrega de carros aos proprietários.

Os possíveis motivos para escassez de profissionais são falta de interesse, falta de cursos profissionalizantes e falta de incentivo. Os salários para as profissões citadas variam de R$ 1,7 mil a R$ 7 mil.

Proprietário da Vilela Auto Center, Durval Afonso Vilela Neto, afirmou que atende, em média, quatro veículos diariamente e que precisa urgentemente de profissionais capacitados na área para trabalhar em sua oficina.

“Está muito em falta mão de obra na área mecânica, inclusive estou precisando. Estão em falta todos [os tipos de profissionais: mecânico em geral, auxiliar de mecânico, funileiro, pintor, eletricista, profissional de lanternagem e alinhador]. Está difícil profissional num geral porque as pessoas não tem mais compromisso, infelizmente só querem salário e não emprego, não estão dispostas a se dedicar. Digo porque já dei várias oportunidades aqui e eles não permanecem”, comentou.

Proprietário da Auto Sul, Rafael Almeida, comentou que a escassez de profissionais tem atrasado o conserto e atrapalhado as entregas de carros.

“Os consertos estão atrasados. No passado toda semana tinha jovens atrás de serviços nas oficinas, hoje não tem mais essa procura. Falta cursos profissionalizantes na área. Funileiro é uma das profissões mais carente no momento”, disse.

Proprietário da Domínio Auto Reparos, Ronnie Von, comentou que se aparece um profissional, não convém deixá-lo ir embora.

“Em oficina, funileiro, pintor, preparador, montador, polidor, tudo nessa área aí, não tem [profissional] não, você não encontra mais. Se encontrar, se for bom, pode abraçar e não deixar sair, porque se sair depois nunca mais encontra e vai passar raiva”, expressou.

Ronnie Von ainda disse que agenda a entrega de carros e pede um prazo maior para o cliente, mas que pode acontecer de atrasar a entrega.

"A gente trabalhar com agendamento e procura pedir um tempo maior de dias para fazer os reparos dos veículos já para não acontecer isso aí. Mas um caso ou outro acontece de atrasar, nunca é 100%, mas a gente sempre pede uns dias a mais, tipo, se for três dias, pede um ou dois dias a mais, para não acontecer esse tipo de imprevisto, para o cliente não ficar chateado com a gente", disse.

CURSO PROFISSIONALIZANTE

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI-MS) oferece curso profissionalizante de Técnico em Manutenção Automotiva presencial e semipresencial. Nos últimos dois anos, o SENAI-MS formou 282 alunos na área.

Confira os valores:

  • Técnico em Manutenção Automotiva - Semipresencial - R$ 79,90 + 23 x R$ 190,00
  • Técnico em Manutenção Automotiva - Presencial - R$ 79,90 + 23 x R$ R$ 275,00

O objetivo é habilitar profissionais para realizar diagnósticos, coordenar a manutenção, apoiar tecnicamente o aprimoramento de sistemas veiculares e inspecionar veículos e seus sistemas, considerando as normas, padrões e requisitos técnicos, de qualidade, saúde e segurança e de meio ambiente.

A carga horária é de 1.280h. Os pré-requisitos são estar cursando no mínimo o 2° ano do ensino médio, ter concluído o ensino médio e idade mínima 16 anos.

Confira os componentes curriculares:

  • Comunicação e Informática Aplicada
  • Fundamentos da Tecnologia Automotiva
  • Manutenção de Sistemas de Freios, Suspensão e Direção de Veículos
  • Processos Básicos de Manutenção Automotiva
  • Manutenção de Motores de Veículos
  • Manutenção de Sistemas Eletroeletrônicos Veiculares
  • Tapeçaria e Vidraçaria Automotiva
  • Diagnósticos Avançados em Sistemas Automotivos
  • Gestão de Serviços de Manutenção Veicular
  • Manutenção de Sistemas de Transmissão de Veículos
  • Fundamentos de Funilaria e Pintura Automotiva
  • Inspeção Veicular
  • Metodologia de Projetos
  • Projeto de Inovação em Manutenção Automotiva
  • Vistoria de Sinistros

SAÚDE PÚBLICA

MS não acompanha aumento de vacinação infantil brasileira

O imunizante contra a poliomielite, por exemplo, permanece com índices abaixo de 90% desde 2019, registrando leves aumentos nos últimos dois anos na Capital

18/07/2024 09h30

Vacina contra a Poliomielite disponibilizada em Campo Grande

Vacina contra a Poliomielite disponibilizada em Campo Grande Foto: Gerson Oliveira / Correio do Estado

Continue Lendo...

O Brasil conseguiu nesta semana, sair da lista de 20 países que a Organização Mundial da Saúde (OMS) e o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) classificam com baixo índice de vacinação infantil.

O Ministério da Saúde (MS) relata que desde 2016 o país enfrentava quedas consecutivas nas coberturas vacinais, e que em 2023 essa realidade começou a mudar.

No entanto, Mato Grosso do Sul não acompanhou os avanços do governo federal, e possui diversas coberturas vacinais abaixo dos 95%, meta do MS.

Campo Grande, também segue na mesma linha do Estado, com índices de imunização contra a Poliomielite abaixo da meta brasileira, com 87,47% das crianças menores de 1 ano de idade vacinadas contra a doença este ano, segundo informações da Secretaria Municipal de Saúde (Sesau).

Apesar das taxas ainda serem menores que os 95% esperado pelo Ministério da Saúde, a vacinação mostra uma leve recuperação nos últimos dois anos.

A Capital, que tinha 95,43% de cobertura vacinal contra a Poliomielite em 2019, teve uma queda significativa em 2020, quando apenas 77,74% das crianças foram imunizadas.

Campo Grande apresentou mais uma queda, em 2021, quando registrou 73,25% de vacinação contra a doença, e a partir de 2022 notificou um aumento, mas sem atingir a meta do ministério novamente.

Enquanto isso, o MS aponta que o Estado, já em 2019, não atingiu a meta de vacinação contra a Poliomielite, mas chegou aos 94,41% de cobertura.

Em 2020, assim como a Capital, MS registrou uma queda expressiva, com apenas 83,16% das crianças imunizadas contra a doença. No ano seguinte, esse índice continuou em queda, chegando a 75,71% da população apenas.

Também a partir de 2022 o Estado começou a registrar uma retomada da vacinação, mas ainda abaixo da meta estabelecida pelo Ministério da Saúde, quando a cobertura vacinal foi de 86,07%.

Vacina contra a Poliomielite disponibilizada em Campo Grande

De acordo com dados do Ministério da Saúde, no ano passado apenas a primeira dose da vacina Tríplice Viral, que imuniza contra o sarampo, caxumba e rubéola, teve índice acima da meta estabelecida, com 96,88% da população vacinada. No entanto, a segunda dose da Tríplice Viral teve apenas 44,41% de adesão.

Os demais imunizantes, como contra a Hepatite B, Febre Amarela e BCG, estão no mesmo patamar que a vacina da Poliomielite, variando entre 70% e 80% de cobertura no Estado. Já este ano, vacinas como a BCG, Febre Amarela e, novamente, Tríplice Viral 2ª dose, estão com índices abaixo de 70%.

A superintendente de vigilância em saúde da Sesau, Veruska Lahdo, relatou que há alguns anos Campo Grande vem tentando, principalmente com ações extra muro, aumentar novamente o índice de imunização.

A ampliação do horário de algumas unidades de saúde e vacinação aos finais de semana em locais como shoppings e supermercados, são atividades que já mostraram resultados positivos.

Veruska relembra que em 2022 a cobertura vacinal contra a Poliomielite estava em 80,49%, e em 2023 foi para 85,72%, o que mostra uma recuperação de 5%.

“A gente acredita que a queda (na cobertura vacinal) pode ter a ver com as pessoas que não conhecem o risco, a gravidade dessas doenças”, pontuou a superintendente.

Além disso, Veruska também elenca o afastamento da população das unidades de saúde durante a pandemia e a disseminação de informações falsas na internet como outros fatores que colaboram para o baixo índice de imunização.

“As vacinas são as melhores formas de imunização disponíveis no Sistema Único de Saúde”, relata Lahdo.

Ela informa ainda que atualmente 20 vacinas estão previstas no Programa Nacional de Imunização (PNI), e já foram responsáveis por erradicar do país doenças como a pólio e o sarampo. No entanto, o sarampo voltou a circular no Brasil, e em 2019 a nação perdeu o certificado de país livre do vírus.

FIM DA GOTINHA

O Ministério da Saúde relatou ainda que as popularmente conhecidas como “gotinhas”, que são as doses de reforço contra a pólio, serão substituídas pelo imunizante injetável.

Em nota, o ministério afirmou que “o país está em fase de transição para substituir as duas doses da Vacina Oral Poliomielite (VOP) por apenas um reforço com a Vacina Inativada Poliomielite (VIP). Ou seja, o esquema vacinal e a dose de reforço serão feitos exclusivamente com a VIP. O PNI está preparando o protocolo que orientará estados e municípios sobre a substituição das doses nos reforços ainda no segundo semestre”.

Saiba

Veruska informa ainda que as vacinas auxiliam na redução das complicações decorrentes de infecções, como riscos de morte e de internação.

Assine o Correio do Estado

NEWSLETTER

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo.

Fique Ligado

Para evitar que a nossa resposta seja recebida como SPAM, adicione endereço de

e-mail [email protected] na lista de remetentes confiáveis do seu e-mail (whitelist).