Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

CORONAVÍRUS

Governo adia Caravana da Saúde e Santa Casa suspende cirurgias eletivas

Medidas foram tomadas para evitar aglomerações e não lotar hospitais com pacientes não emergenciais
19/03/2020 15:16 - Daiany Albuquerque


 

O Governo do Estado anunciou que a realização da Caravana da Saúde terá sua data adiada por conta da pandemia do Covid-19, o novo coronavírus, declarada pela Organização Mundial de Saúde (OMS). Além disso, a Santa Casa de Campo Grande, o maior hospital de Mato Grosso do Sul, também paralisa, a partir de sexta-feira (20), as cirurgias eletivas agendadas na unidade. 

A determinação do hospital foi tomada após a Prefeitura de Campo Grande decretar situação de emergência por conta da pandemia do novo coronavírus, na tarde de quarta-feira (18).

De acordo com nota publicada pela assessoria de imprensa do hospital, “a decisão será revista assim que as autoridades públicas e sanitárias revogarem o decreto”.

No início desta semana o centro médico já havia suspenso os atendimentos ambulatoriais por conta do avanço da doença. Sobre a Caravana da Saúde, que deveria ocorrer a partir deste mês e seguir até dezembro deste ano, a Secretaria de Estado de Saúde (SES) informou que ainda não há previsão de nova data para o evento ser realizado. A etapa custaria R$ 7 milhões e tinha previsão de fazer menos procedimentos que a anterior.

Em Mato Grosso do Sul, segundo o último boletim epidemiológico, divulgado na quarta-feira (18), havia sete casos confirmados, sendo todos em Campo Grande. Outras 48 pessoas aguardavam resultado dos exames.

Colaborou: Ricardo Campos Jr.

Felpuda


Nos bastidores, há quem garanta que a única salvação, de quem está com a corda no pescoço, é ele aceitar ser candidato a vice-prefeito em chapa de novato no partido. Vale dizer que isso nunca teria passado por sua cabeça, uma vez que foi eleito com, digamos, “caminhão de votos”. Se aceitar a imposição, pisaria na tábua de salvação; se recusar, poderá perder o mandato. Ah, o poder!