Clique aqui e veja as últimas notícias!

PANDEMIA

Mais da metade dos leitos de UTI em MS não são para Covid

Na Capital, são 546 unidades de UTI e leitos clínicos em hospitais públicos e privados
23/07/2020 09:00 - Daiany Albuquerque


Mato Grosso do Sul tem 369 pessoas internadas com Covid-19 em leitos clínicos e em unidades de terapia intensiva (UTIs), sendo 177 em vagas para tratamento da forma mais grave da doença. 

Entretanto, a maioria das internações no Estado são de pacientes com outras enfermidades, prevalência da ortopedia, por conta de acidentes de trânsito.

Cerca de 55% dos internados no Estado são pacientes não infectados pela Covid-19, o que tem preocupado autoridades de saúde por conta da crescente de casos que vive Mato Grosso do Sul e do temor de que, caso a doença continue crescendo, possa faltar leitos para esses doentes em razão de internações que poderiam ser evitadas.  

“Significa que, apesar dos decretos, muita gente está levando a vida normal, não cumprindo toque de recolher, frequentando bares e botecos, enchendo a cabeça de caraminhola e levando a acidentes que ocupam leitos de UTI”, declarou o secretário estadual de Saúde, Geraldo Resende.

Dados da Secretaria de Estado de Saúde (SES) mostram que entre as quatro macrorregiões, a mais atingida é a de Campo Grande, que estava com 98% de ocupação global, sendo 50% da ocupação por pacientes de outras especialidades. 

Já a macrorregião de Dourados tem 58% de preenchimento, 23% por casos de Covid-19 e outros 9% de casos suspeitos. Apenas Corumbá tem mais pacientes do novo coronavírus do que das outras doenças, 36% contra 32%.

Na Capital, que passa por um crescimento exponencial nos casos diagnosticados de Covid-19, em apenas 24 horas foram acrescidos aos números de infectados mais 928 episódios positivos da doença, de acordo com dados da Secretaria Municipal de Saúde (Sesau). 

Apenas 24% das internações em Campo Grande, tanto em UTIs quanto em leitos clínicos, são em razão do novo coronavírus.

A ocupação dos leitos, principalmente das UTIs, continua alta. Até ontem, estava em 83% e aumentando a cada dia. Grande parte dessa taxa de ocupação vem dos politraumatizados – com predominância de acidentes de trânsito, pessoas com problemas cardíacos, entre outros.

Conforme a Sesau, a Capital tem hoje 546 leitos em hospitais públicos e na rede privada, somando a quantidade de vagas em UTIs e os leitos clínicos. 

A Secretaria, entretanto, não soube informar quantos desses pacientes com Covid-19 estão em cada setor.