Cidades

INVESTIGAÇÃO

Polícia Federal apura elo entre facção do Rio e clube de tiro de Campo Grande

Pessoas com registro de CAC, moradoras da da Capital de MS, podem ter sido usadas como laranjas para armar facções, como a Terceiro Comando Puro, do RJ; clube de tiro gosta de manter relações com políticos e artistas

Continue lendo...

Alguns moradores de bairros de periferia de Campo Grande, que mal conseguem manter em dia a conta de luz, de aproximadamente R$ 200, compraram mais de R$ 100 mil em armamentos de grosso calibre, como fuzis 7,62 milímetros, aproveitando-se de um registro de caçador, atirador e colecionador (CAC), tudo intermediado por um clube de tiro com unidades nas cidades de Campo Grande (MS) e Maracaju (MS). Este é o perfil de pessoas usadas como supostos laranjas para legalizar a entrada de armamentos em organizações criminosas que atuam em um esquema investigado pela Polícia Federal, cuja parte do inquérito o Correio do Estado teve acesso.

O Clube de Caça Golden Boar, alvo de uma operação da Polícia Federal em 2022, já se gabou em suas redes sociais da proximidade com políticos e artistas, como os deputados federais Marcos Pollon (PL-MS), presidente do Pro-Armas no Brasil, e seu colega de bancada Eduardo Bolsonaro (PL-SP), filho do ex-presidente da República Jair Bolsonaro e um dos principais interlocutores da extrema-direita brasileira com a extrema-direita de outros países.

Proprietários do Clube de Caça Golden Boar com os deputados federais Marcos Pollon e Eduardo Bolsonaro, ambos do PL

Quanto aos artistas, no auge, o Golden Boar ostentou visitas e caçadas de javalis com artistas do sertanejo universitário sul-mato-grossense, como Jads, da dupla Jads e Jadson, e Munhoz, da dupla Munhoz e Mariano.

O operador do clube de tiro e caça, Rodrigo Donovan de Andrade, conforme indica o inquérito a que o Correio do Estado teve acesso, é uma pessoa que há aproximadamente 10 anos foi envolvida em duas acusações de roubos e furtos a agências do Banco do Brasil nos estados de Mato Grosso e Sergipe, nas pequenas cidades de Salgado (SE) e Ribeirãozinho (MT). A modalidade, em que criminosos explodem agências e quebram caixas eletrônicos para levar dinheiro, ficou conhecida Brasil afora como “novo cangaço”.

Rodrigo e Ellen de Lima Souza Andrade, que na época em que a Operação Oplá foi deflagrada era sua esposa, ostentam fotos ao lado de Marcos Pollon e Eduardo Bolsonaro nas redes sociais.

Porém, pelos documentos apurados pela Polícia Federal, eles comandam uma complexa rede que envolve depósitos em dinheiro de mais de R$ 1,5 milhão, além de compras e transferências de armas e munições, muitas delas para mulheres de presidiários faccionados e outras para a própria irmã de Rodrigo, que era sócia dele em uma loja de armas.

CAC ou testa-de-ferro?

Um dos casos de pessoas com registro de CAC, usadas como possíveis testas-de-ferro pelo crime organizado, é Kessiene Vieira Pinheiro. Mesmo tendo quatro de suas oito armas registradas no Exército Brasileiro transferidas de Mirella Andrade, irmã de Rodrigo e possível laranja nas operações do esquema, no processo de Kessiene para tornar-se uma CAC, a Polícia Federal destaca que não há requerimento, declaração de idoneidade ou laudo de tiro emitido por instrutor da PF ou Exército.

Trecho da investigação que mostra uma conta de luz prestes a ter o fornecimento interrompido/ Fonte: Reprodução/PF

Um dos dossiês feitos pelos agentes e que constam no inquérito mostra a falta de notas fiscais e documentos sobre as transferências, o que, segundo a Polícia Federal, demonstra o controle falho que o Exército tinha sobre a atividade até 2022. Neste contexto, Kessiene, moradora do Jardim Canguru, bairro distante quase 15 quilômetros do centro de Campo Grande, adquiriu nada menos que quatro fuzis calibre 7,62 mm e quatro pistolas 9 mm, um arsenal avaliado em 2022 em R$ 118 mil.

O que chamou a atenção dos policiais federais foi o comprovante de residência apresentado para obter o registro de CAC: uma conta de luz com aviso de corte iminente por falta de pagamento.

“As informações declinadas a respeito da capacidade econômica de Kessiene vão totalmente de encontro com a capacidade financeira de uma pessoa com recursos para adquirir 8 armas de fogo, as quais totalizam um valor estimado de R$ 118.450,00. A incongruência é flagrante: possui dinheiro para comprar armas, mas não possui condições de arcar com o pagamento da própria conta de energia elétrica”, afirmou a Polícia Federal em um de seus relatórios de investigação.

Chama a atenção dos policiais federais a proximidade de Kessiene com pessoas com problemas com a lei. Conforme a Polícia Federal, ela é irmã de Tiago Vinícius Vieira, apontado como integrante da facção Terceiro Comando Puro (TCP), organização afilhada ao Primeiro Comando da Capital (PCC) no Rio de Janeiro (RJ). Na época das investigações, ele estava preso na penitenciária de Bangu IV, na capital fluminense.

Mas não para por aí. Kessiene é ex-mulher de André Luis Flores Simião, investigado na Operação Eventus da Polícia Federal, que também apura um esquema de tráfico de armas. Ela tem três filhos com ele.

No sistema penitenciário, Kessiene é cadastrada como visitante do irmão Tiago, do ex-marido Andrezinho, e de mais outros dois presidiários, um deles Hudson Ajala de Matos, que a Polícia Federal afirma ser faccionado, e que tem passagem pelos crimes de assalto à mão armada, tentativa de homicídio, tráfico de drogas e posse ilegal de arma de fogo.

“Empresária”

Para conseguir o registro de CAC, Kessiene disse que era empresária, dona de uma empresa de eventos, que a Polícia Federal acredita ser de fachada. Apesar de se declarar empresária, no Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho, ela afirmou ser auxiliar de serviços gerais quando trabalhou formalmente pela última vez, em 2013, recebendo um salário de R$ 870.

Kessiene, apesar de ser dona de oito armas de fogo, nunca comprou uma munição, outra incoerência apontada pela Polícia Federal.

“Ou seja, além de toda incompatibilidade do perfil de Kessiene destacada acima, o fato dela não ter adquirido munições reforça ainda mais o pensamento de que ela não seja de fato CAC - no caso dela, caçadora/atiradora. Há indícios de que se trate apenas de pessoa interposta por facção criminosa para obter armamento de maneira legalizada e, após, empregá-lo a serviço da criminalidade.”

A irmã

O dossiê da Polícia Federal também indica um papel crucial da irmã de Rodrigo Donovan de Andrade, Mirella de Andrade, no esquema. Apesar de ela também ser CAC, em suas redes sociais ela está mais preocupada em falar de sua faculdade de nutrição do que em mostrar estandes de tiro ou posar ao lado de javalis mortos, prática comum entre os CACs.

O dossiê apresentado pelo Exército à PF indica que ela já foi proprietária de nove armas de fogo, das quais oito foram adquiridas de outras pessoas por meio de transferência de propriedade, e não compradas diretamente em uma loja.

A PF afirma em seu relatório que a estratégia de transferência de armas torna difícil o rastreio da cadeia dominial dos equipamentos. Na investigação, porém, os agentes federais identificaram que Mirella recebeu três armas de Ellen Lima de Souza Andrade - sua cunhada, esposa de Rodrigo - e as transferiu para Kessiene. Nesta época, Ellen presidia o Clube de Caça Golden Boar.

A operação

Conforma a investigação, foram algumas das armas e munições que já pertenceram a Mirella que geraram a Operação Oplá, deflagrada em duas fases: a primeira em 14 de outubro de 2022, e a segunda em 3 de dezembro de 2022.

No primeiro flagrante, em 14 de outubro, os federais encontraram Narciso Chamorro, nas Moreninhas, perto do Estádio Jacques da Luz. Mirella havia transferido as pistolas 9 milímetros com as quais ele foi flagrado. Ele também tinha armamentos e até coletes balísticos com a inscrição “Polícia Civil”.

Quando foi flagrado, Narciso usava um boné do clube Golden Boar e alegou ser funcionário. Depois da operação, o clube afirmou que Narciso era apenas um prestador de serviços.

Versões

O Correio do Estado procurou o deputado federal Marcos Pollon, mas não houve resposta até a publicação da reportagem. Pollon é presidente do Movimento Pro Armas e integra a Bancada da Bala no Congresso Nacional.

Na época da operação, o clube de caça se posicionou da seguinte forma:

“O único vínculo havido entre o clube e o Sr. Narciso foi de prestação de serviços de construção civil, de modo que o uso indevido ou a associação do nome Clube em suas práticas supostamente criminosas serão oportunamente esclarecidas pela Justiça, em quem o Clube deposita sua absoluta confiança”.

Novo foro

O caso, investigado pela Polícia Federal, será integralmente julgado pela Justiça Estadual. A decisão foi da Justiça Federal, que entendeu que o foro para investigar o envolvimento de clubes de caça ou tiro com o crime organizado é crime estadual, por não haver transnacionalidade.

Assine o Correio do Estado

Cidades

Após alta no fluxo de caminhões, BR-163 soma 11 mortos em acidentes graves próximos a Campo Grande

Acidente na tarde do último domingo (21) fez mais duas vítimas

22/07/2024 12h00

Reprodução

Continue Lendo...

Duas pessoas morreram na tarde do último domingo (21) em um acidente envolvendo dois caminhões no km-525 da BR-163, em Jaraguari.

As vítimas fatais estavam em um Scania G 380, com placa de São Gabriel do Oeste, e não tiveram o nome divulgado pela Polícia Rodoviária Federal (PRF). Elas foram identificadas apenas como um homem de 60 anos, que conduzia o veículo, e uma mulher de 40, passageira.

Uma criança de três anos, que estava com o casal, foi socorrida em estado grave, atendida inicialmente em um Posto de Saúde de Jaraguari, e posteriormente encaminhada para a Santa Casa de Campo Grande.

O motorista do outro veículo, um Volvo/FH 460, com placas de Sapucaia do Sul (RS), era um homem de 43 anos, que teve apenas lesões leves.

Ele alegou que o Scania teria invadido a pista, mas a PRF diz que a causa do acidente segue sendo investigada.

Este foi o terceiro acidente grave na BR-163, em trechos próximos a Campo Grande, em menos de quatro meses. Somados, o número de óbitos chega a 11.

Os acidentes mencionados tem em comum o envolvimento de carretas e caminhões, e coincidem com o recente aumento no tráfego de veículos pesados pela BR-163.

Conforme noticiado anteriormente pelo Correio do Estado, dados da CCR MSVia mostraram que o tráfego de caminhões aumentou na BR-163 no segundo trimestre deste ano na comparação com igual período do ano passado.

Na praça de pedágio de Pedro Gomes, por exemplo, o aumento foi de  8,7%. Nos meses de abril, maio e junho do ano passado foram 191.537 caminhões e carretas que pagaram pedágio na região de Sonora. Neste ano, o total aumentou para 208.305. Isso significa quase 17 mil veículos pesados a mais na 163 no segundo trimestre deste ano. 

O aumento está associado ao inicio da cobrança do pedágio em rodovias que serviam como rota alternativa para os caminhoneiros escaparem da taxa. 

Acidentes graves

Além do acidente do último domingo, outros dois graves foram registrados recentemente na BR-163 em Campo Grande.

No primeiro sábado deste mês, dia 6 de julho, a colisão frontal entre um Fiat Siena e uma carreta deixou três mortos. O acidente aconteceu no início da madrugada, na altura do quilômetro 468, que fica a 2 km da rotatória da saída de Campo Grande para São Paulo anel viário de Campo Grande. 

Conforme informações do boletim de ocorrência, o carro de passeio teria invadido a pista contrária.

Em abril, uma carreta que carregava porcos também invadiu a pista contrária na BR-163, entre Campo Grande e Anhanduí, e atingiu outros três veículos, deixando seis mortos em um acidente sem sobreviventes.

Duas das vítimas estavam em um Chevrolet Onix, duas em uma carreta que transportava porcos, uma em uma carreta que transportava milho e uma em um caminhão baú.

Rodovia da morte

Números compilados de 2018 mostram que no Mato Grosso do Sul e na Região Centro-Oeste, a BR-163 ainda mantinha o título de "rodovia que mais mata", sendo que a privatização de 2013 buscava tirar o título macabro do trecho. 

Cerca de dois anos após a privatização, os números de 2015, de fato, apontavam para uma queda de mais de 50% nas mortes, com a PRF indicando que os 64 óbitos de 2014 haviam caído para apenas 30 em 2015.

Acontece que os números voltaram a subir, e as melhorias na via estão paradas há sete anos, já que a CCR MSVia, não cumpriu com o contrato, que previa a duplicação de todos os 845 km da BR-163, de Mundo Novo, na divisa com o Paraná, a Sonora, na divisa com o Mato Grosso. Desde o início da concessão, há dez anos, foram duplicados apenas cerca de 155 km.

O prazo para a duplicação completa terminaria em 2024, mas a concessionária fez apenas a duplicação necessária para iniciar a cobrança de pedágio, nos três primeiros anos.

A rodovia não recebe investimentos desde 2017, quando a empresa solicitou o reequilíbrio do contrato. A CCR chegou a dizer em 2019 que não tinha interesse em permanecer com a rodovia e até cobrou a devolução de ativos da União, no valor de R$ 1,4 bilhão.

Desde então, o Governo Federal vem prorrogando o contrato com a CCR MSVia para a administração da BR-163.

Em 2023, foram realizadas audiências públicas em Brasília e em Mato Grosso do Sul para debater o futuro da rodovia federal que corta o estado. Em julho, uma decisão do Tribunal de Contas da União (TCU) autorizou a assinatura do acordo consensual entre o Governo e a CCR MSVia.

Dois meses depois, a União e o Estado fizeram uma proposta para que a CCR MSVia continuasse com a concessão, apresentando regras para assinatura do novo contrato, como a manutenção do pedágio, a duplicação de mais 68 km de rodovia e a implantação de 63 km de faixa adicional, 8 km de marginais e 9 km de contornos.

A CCR MSVia teria mais 20 anos com a BR-163, porém, com esse novo acordo, o prazo será estendido por mais 15 anos. Nos primeiros três anos contratuais, haverá investimento de boa parte do total de recursos destinados.

A empresa promete a duplicação de mais 190 km e mais 170 km de terceira faixa.

O novo contrato, que prevê R$ 12 bilhões de investimento na rodovia, deveria ter sido assinado no primeiro mês de 2024. No entanto, um impasse do Tribunal de Contas da União atrasou o processo, que ainda está parado.

Assine o Correio do Estado.

PANTANAL EM CHAMAS

Após duas semanas de trégua, Pantanal volta a pegar fogo

Retorno do calor, tempo seco, sol, baixa umidade e altas temperaturas trouxeram os incêndios de volta para o bioma

22/07/2024 11h45

Pantanal sul-mato-grossense pegando fogo após dias de trégua

Pantanal sul-mato-grossense pegando fogo após dias de trégua DIVULGAÇÃO

Continue Lendo...

Após quase duas semanas sem queimadas, o Pantanal Sul-mato-grossense voltou a pegar fogo.

Frente fria, que atingiu Mato Grosso do Sul entre os dias 7 e 14 de julho de 2024, reduziu os focos de calor e extinguiu incêndios e queimadas, momentaneamente, no bioma.

O trabalho intenso dos brigadistas/militares e a atuação do avião KC-390 Millennium, da Força Aérea Brasileira (FAB), que “faz chover”, também colaboraram para apagar o fogo temporariamente.

De acordo com boletim divulgado pelo governo de Mato Grosso do Sul, a área queimada, entre os dias 7 e 14, no Pantanal, foi baixíssima. Veja:

  • 07/07 - 25 ha/dia
  • 08/07 - 50 ha/dia
  • 09/07 - 0 ha/dia
  • 10/07 - 25 ha/dia
  • 11/07 - 25 ha/dia
  • 12/07 - 50 ha/dia
  • 13/07 - 0 ha/dia
  • 14/07 - 75 ha/dia

Mas, com o retorno do calor, tempo seco, sol, baixa umidade e altas temperaturas trouxeram os incêndios de volta para o bioma.

Em visita ao Pantanal em 16 de julho, a ministra do Meio Ambiente e Mudança do Clima do Brasil, Marina Silva já havia avisado que o fogo poderia voltar, em razão de uma onda de calor e tempo seco previstos para os próximos dias.

Segundo boletim divulgado pelo governo de Mato Grosso do Sul, existe sete focos de incêndio ativos, nesta segunda-feira (22), nas seguintes regiões:

  • Rabicho, próximo ao Rio Paraguai
  • Porto da Manga, nas margens do Rio Paraguai e a Estrada Parque MS-228
  • Paiaguás
  • Maracangalha
  • Bonito
  • Coxim
  • Nhecolândia

Confira o que militares, brigadistas e voluntários fazem em combate aos incêndios:

FOCOS DE INCÊNDIO ATIVOS

O QUE MILITARES E BRIGADISTAS ESTÃO FAZENDO

Rabicho, próximo ao Rio Paraguai

Foram confeccionados aceiros em uma fazenda e combates em solo aos focos na área de adestramento da Marinha do Brasil

Porto da Manga, nas margens do Rio Paraguai e a Estrada Parque MS-228

Bombeiros fazem intervenção para acompanhamento e ações de combate

Paiaguás

Mantém-se o combate a focos de incêndios ativos. As áreas afetadas estão sob vigilância constante, além de patrulhas terrestres frequentes

Maracangalha

Equipe deslocou-se no sábado (20) para realizar uma ação de reconhecimento e possível combate nos pontos de calor detectados na região. Entretanto, devido à dificuldade de acesso por via terrestre, foi possível realizar apenas o mapeamento dos focos de calor com o auxílio do drone. A equipe traçou uma estratégia de acesso e fez o combate no domingo (21). Todo o território se manterá em monitoramento e nos próximos dias a equipe voltará ao foco de calor na área alagada para verificação de situação.

Bonito

Foram realizadas as ações de reconhecimento e monitoramento, sendo necessária a realização de aceiros com o apoio de funcionários e maquinários das propriedades locais

Coxim

Houve intervenção com o auxílio de sopradores e pinga-fogo. Às margens da BR 163, localizado nas imediações de Coxim-MS, no domingo (21), foi realizada uma ação de combate direto em uma área à beira da estrada. A equipe utilizou das ferramentas disponíveis para esse combate e com o sucesso confinou a aproximadamente 1 hectare de área queimada

Nhecolândia

Focos que encontram-se controlados, mantêm-se como pontos de atenção, pontos estes que estão em constante observação por meio da Sala de Situação via satélite.

FOGO EM NÚMEROS

Incêndios transformam cenários verdes e cheios de vinda em desertos cinzentos e cemitérios.

Dados do Laboratório de Aplicação de Satélites Ambientais (Lasa), do departamento de meteorologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), apontam que quase 593 mil hectares foram consumidos pelo fogo, entre 1º de janeiro e 16 de julho de 2024, o que corresponde a 6% da área total do bioma.

O aumento é de a 147% em relação ao mesmo período de 2020, quando foram queimados 239,4 mil hectares - considerada até então, a pior temporada de incêndios.

Segundo dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), 3.099 focos de calor foram detectados via satélite de janeiro até 16 de julho. O aumento é de 38,7% em relação ao mesmo período de 2020, quando foram 2.235 registros.

TURISMO

Turismo segue operando normalmente no Pantanal sul-mato-grossense, apesar das queimadas na região.

Em entrevista exclusiva ao Correio do Estado, o diretor-presidente da Fundação de Turismo de Mato Grosso do Sul (Fundtur-MS), Bruno Wendling, descartou a queda no turismo pantaneiro em decorrência dos incêndios no Pantanal.

Segundo Wendling, passeios, hotéis ou passagens não foram afetados ou cancelados devido ao fogo na região.

“Não há hotéis e nem passeios afetados por conta do fogo na região, até porque a área do Pantanal é muito extensa. A região de Corumbá, que tem a pesca esportiva como principal atividade, os barcos hotéis estão operando num trecho de 200 km de rio que não há nem fogo, nem focos de incêndio, nem fumaça, até porque já diminuiu bastante também nas últimas semanas. Ou seja, o turismo no Pantanal está operando na normalidade, seguro e com ótima vantagem de ocupação”, ressaltou o diretor-presidente.

Conforme noticiado pelo Correio do Estadofrente fria, que atinge o Estado em julho, contribui para a redução dos focos de calor e incêndios no Pantanal, o que favorece o turismo. 

NEWSLETTER

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo.

Fique Ligado

Para evitar que a nossa resposta seja recebida como SPAM, adicione endereço de

e-mail [email protected] na lista de remetentes confiáveis do seu e-mail (whitelist).