Cidades

ENTREVISTA

"Trazer novas tecnologias agrega valor tanto para dentro quanto para fora da porteira"

O presidente do Sindicato Rural Alessandro Coelho apresenta o Interagro, evento que promete levar conhecimento de ponta aos produtores e à sociedade, e que contará, com a presença do ex-ministro Paulo Guedes

Continue lendo...

Em um ano de dificuldades para o agronegócio, o Interagro, evento que ocorrerá entre os dias 20 e 22 deste mês no Centro de Convenções Rubens Gil de Camillo, em Campo Grande. Em meio aos problemas de cotações baixas e perdas na última safra, a intenção do Sindicato Rural de Campo Grande é levar uma mensagem otimista para o setor, que continua sendo um dos principais da economia brasileira. Para o presidente do Sindicato Rural, Alessandro Coelho, a iniciativa tem objetivo de levar conhecimento, e “agregar valor tanto para dentro, quanto para fora da porteira”. Entre os convidados para o evento estão o ex-ministro da Economia, Paulo Guedes, e também produtores do agronegócio que estão dando um excelente exemplo de como aliar tradição, faturamento e preservação ambiental. Confira a entrevista:

Conte-nos, primeiramente, sobre a preparação do Interagro, e o contexto para o evento. 

O ano de 2024 é um ano difícil para os produtores rurais, e também para os consumidores. A gente vê aí uma série de problemas na cadeia que geram reflexo na ponta de consumo. E a gente busca, com isso, trazer uma situação mais apaziguadora, onde vamos trazer novos horizontes para que os produtores venham com uma mensagem otimista, uma forma mais suave de ver essa situação, problemas, os desafios colocados, e a gente poder levar para o consumidor muito mais qualidade, de forma sustentável, com muito carinho.  

Fale-nos sobre o evento, que terá muitas pessoas proeminentes na sociedade, até mesmo ex-ministro da Economia, é isso?

Sim, uma das atrações principais é o ex-ministro da economia Paulo Guedes, e também teremos uma equipe de Taiwan, que fará uma exposição do uso da inteligência artificial na produção rural. 

Vai ser um evento aí que se inicia no dia 20 de junho e vai até o dia 22. A gente vai ter uma abertura bem legal com apresentações, shows culturais. Temos uma parceria aí com a Asumas da Suínocultura, e lá teremos  degustação de carne suína produzida aqui no Estado. 

Também vamos mostrar a importância da produção pantaneira, teremos  o Pantanal Meat Festival, comidas regionais. No evento teremos programação para toda a família, que pode degustar um pouco da comida tradicional de comitiva. Entre outras atrações, também vamos expor o Projeto Fazendinha, em que o cidadão, o produtor, poderá ter um contato os animais em miniatura.

Então o evento, que será no Centro de Convenções Rubens Gil de Camilo não será segmentado para o público do agronegócio?

Não, ele é aberto para todo o público, para aqueles que tenham interesse na cadeia, para que venham conhecer. Vamos ter vários expositores, as universidades estarão junto conosco, vamos ter escolas fundamentais trazendo produtos que são produzidos nas escolinhas rurais aqui do município de Campo Grande. É um projeto bem legal que nós estamos fazendo junto com a prefeitura e vamos levar, dar um destaque para nossos alunos do ensino fundamental. E para completar, o que vai ser um diferencial será essa programação cultural, técnica e bem informativa para quem está aqui no meio urbano poder saber o que está acontecendo no campo.

Então é uma imersão no cotidiano do agronegócio. É lógico que também para quem vive o agronegócio no dia a dia é bom porque a pessoa pode se especializar, pode descobrir uma nova técnica, pode saber de tendências de mercado, é isso?

O nosso estado é um estado vocacionado para o setor rural. Para contextualizar, nós temos uma população relativamente pequena e uma grande extensão de superfície de altíssima produção, com alta qualidade. Em um evento como este, a gente busca levar mais informação para o produtor e levar informação também para aqueles que queiram entrar no (agro)negócio, seja como prestador de serviço, seja como um estudante da área, seja como um pesquisador. Por exemplo, a Embrapa está conosco, a ABPO (Associação Brasileira de Pecuária Orgânica), A Acrissul, a Famasul, o Senar, o Sebrae... São várias instituições que trabalham de forma articulada e agente espera, nesta quarta edição, promover um evento inovador. São luzes que a gente traz para mostrar um novo horizonte, para que elas possam tomar decisões assertiva, para dar um caminho para os que quiserem entrar no negócio, e para os que já estão, mostrarmos novidade, para melhorar o caminho.  

Além do Paulo Guedes, quais outros nomes teremos na programação?

Sim, como já dissemos, teremos o Paulo Guedes no dia 21 de junho; a pecuarista Carmen Perez no dia 22, e assim como ela, pessoas que estão inovando em suas áreas, como a Flávia Brunelli Sclauser (22), que está inovando no mercado de suínos; e irmãs Jank (Diana e Taís) que vêm com inovações na parte de lácteos muito interessantes. 

É, isso aí entra no projeto de verticalização. São todos jovens com projetos bem inovadores, tá? Que buscaram inovação dentro da cadeia produtiva. fazendo essa verticalização. O que é verticalização? É você ir além da porteira, você não só produzir e vender para uma pessoa que vai beneficiar ou transformar. Eles trabalham no beneficiamento e na produção final.  

Estes jovens que você citou conseguem combinar inovação, tradição, bom faturamento e sustentabilidade. Voltando mais à sustentabilidade, como esse termo pode ou deve entrar na cadeia do agro?

Sustentabilidade é um termo muito popularizado, porém pouca gente tem uma real noção do que ele é. Ele é composto do tripé, onde você tem a parte social, a parte ambiental e a parte econômica. E todas trabalham de forma integrada. A partir disso muita gente fala de ESG, um termo americanizado que chega para nós, mas que ele está inserido dentro do conceiro de sustentabilidade.  Isso melhora a parte sustentável, faz com que seja mais eficiente esse tripé. Em síntese, não há como falar hoje que uma pessoa do campo vive como vivia uma pessoa do campo há 20 anos.

Hoje o produtor rural tem de ter cultura, acesso à tecnologia, acesso à todas informações. Por isso, quando a gente fala em sustentabilidade, a gente trabalha o social, daí aplicação de tecnologia para você melhorar. E a tecnologia é aplicada se houver algum benefício, seja ele ambiental, seja ele social, seja ele econômico. Normalmente, os três benefícios aparecem juntos.

Você poderia dar um exemplo?

Vamos usar um exemplo clássico que a gente tem agora, e que também vai estar aqui na Interagro: os drones agrícolas. Vamos ter curso de drone com habilitação. Se a pessoa quiser, ela pode ter a carteirinha, que dá condições de ter a documentação hábil para você voar o drone agrícola, que ele precisa estar registrado na Anac (Agência Nacional de Aviação Civil) e no Ministério da Agricultura para você poder proceder ao seu voo, vai ter terá esse curso dentro da Interagro e é um básico que é para aquele que não tem noção, quer saber como é que funciona o drone. O que esse tal de drone agrícola, o que ele faz? Porque as vezes a gente fala drone agrícola e pensa assim, não, é aquele produto que é para aplicar um agroquímico. Não, ele vai muito além, ele é para produtos biológicos também. O drone é  muito utilizado e desenvolvido para isso, inclusive. Ele também é usado para semear. 

E como estão as técnicas que contribuem para o sequestro de carbono, aplicadas pelo agronegócio?

A gente pode falar, por exemplo, do plantio direto, que foi desenvolvido no Brasil. É uma técnica utilizada em que o carbono é fixado no solo. Hoje a aplicação do plantio direto é majoritária, em relação ao tombamento da terra, aliás, quando se revolve a terra, ela libera carbono. Ao promover o plantio direto, por exemplo, evitamos que o carbono saia. E a qualidade do solo melhora, e é por isso que o Brasil desenvolveu o cerrado, que é um dos biomas com solo pobre, quando comparado com o solo dos biomas amazônico e de Mata Atlântica. Mas por causa desta tecnologia, o cerrado transformou-se no celeiro do Brasil. E no caso da pecuária, tivemos o desenvolvimento de várias variedades de braquiarias, muitas delas, inclusive, dentro da Embrapa de Campo Grande, que comemora 50 anos. 

Por exemplo, desenvolvemos aqui em Campo Grande o taldo “braquiarão”, um capim que hoje é muito comum, e que também transformou o cerrado brasileiro e também boa parte das regiões tropicais do mundo, como as savanas africanas. Também temos uma gama de forrageiras que estão sendo desenvolvidas na Embrapa Gado de Corte. 

Vamos trazer novos horizontes para que os produtores venham com uma mensagem otimista, uma forma mais suave de ver essa situação, os problemas, os desafios colocados”

E por falar em tecnologia, me lembro que rastreabilidade bovina também surgiu na Embrapa de Campo Grande...

Não só isso, as primeiras inseminações feitas aqui foram feitas na Acrisul, pelos técnicos da Embrapa. Hoje o Brasil tem os melhores exemplares bovinos das raças Gir e Nellore do mundo.  

E como a agregação de valor aos produtos da agropecuária podem transformar o Estado ainda mais?

A gente pode pegar um exemplo muito simples aqui. Vamos pegar a região de Rio Brilhante, que é uma região de Entre Rios muito antiga, que são os campos de vacaria do nosso estado. Então, nos campos de vacaria hoje, é uma região onde se produz muita cana-de-açúcar. E essa cana hoje é toda beneficiada, é feito todo o sistema de biodigestores com aproveitamento energético, com uma série de benefícios ambientais outrora nem pensados. Aliás, nem se pensava em produzir cana de açúcar em regiões como essa. 

Mas não é só isso, além da cana, já vemos a Inpasa se instalando em Sidrolândia, já operando em Dourados, e com uma vantagem: a empresa começou a receber um produto que até então a gente nem ouvia falar no Estado, que é o sorgo. Temos aqui em Mato Grosso do Sul a viabilidade de cultivar 1,5 milhão de hectares de sorgo, em áreas onde é inviável fazer uma segunda safra de milho.

E é possível fazer etanol a partir do sorgo?

Sim, é possível. E a unidade de Dourados já está recebendo o produto. Este exemplo mostra que trazer novas tecnologias, agrega valor tanto para dentro, quanto para fora da porteira. 
Podemos ter mais máquinas operando, mais prestadores de serviço, mais gente trabalhando no comércio ligado ao agro. São vários insumos que envolvem essa cadeia, onde é imprescindível essa melhoria, inclusive na cidade.

Poderia detalhar melhor o que essa comitiva de Taiwan vem mostrar para os produtores? 

Há alguns anos a gente vem trabalhando esses contatos e o governo de Taiwan se mostrando muito sensível às demandas por tecnologia aqui do Mato Grosso do Sul. Eles sabem da pujança de nossa produção, e da forma diferenciada em que as coisas são trabalhadas aqui dentro. Esse ano, depois de muita conversa, a chefe de comércio do governo de Taiwan vem aqui para nos dar uma palestra. A comitiva de Taiwan vem para falar um pouco sobre tecnologia de inteligência artificial, já nos antecipando que a tecnologia deles é muito barata. Então, quer dizer, isso gera um benefício direto para a produção e gera um benefício direto para o consumidor, porque quanto mais barato estiver a produção, mais barato o produto chega na ponta de consumo. E pela inteligência artificial vamos conseguir e ser mais eficientes nas aplicações de produtos biológicos, por exemplo. Porque o produto biológico é muito mais metódico, você tem que aplicar na quantidade certa.

Perfil - Alessandro Coelho

Alessandro Coelho é produtor rural e advogado. Está em segundo mandato a frente do Sindicato Rural de Campo Grande (SRCG). Entre as atividades do agro, Alessandro se dedica à pecuária de corte e de leite, além da produção de soja, milho e sorgo. Atualmente também é associado à ABPO – Associação Pantaneira de Pecuária Orgânica e Sustentável.

Assine o Correio do Estado 

Trabalho

Geração Z troca de emprego mais frequentemente, revela estudo da Gupy

Profissionais entre 18 e 24 anos permanecem em média nove meses em uma empresa

12/07/2024 21h00

Jovens seguram carteira de trabalho

Jovens seguram carteira de trabalho Arquivo

Continue Lendo...

Um estudo inédito da Gupy, a plataforma de recrutamento mais acessada no Brasil, revela que os jovens da geração Z mudam de emprego com maior frequência do que outras gerações. Segundo o levantamento, profissionais entre 18 e 24 anos permanecem em média nove meses em uma empresa, comparado aos dois anos das gerações anteriores.

O estudo, que entrevistou funcionários de empresas usuárias da plataforma Gupy Clima & Engajamento, destaca que a alta rotatividade da geração nascida entre 1995 e 2010 tem impacto significativo nas finanças das corporações. Tatiana Angelotto, gerente de carreiras do Insper, comenta que um dos principais motivos para as empresas buscarem reter esses jovens é o alto investimento no desenvolvimento de novos talentos.

Guilherme Dias, cofundador da Gupy, afirma que as corporações precisam oferecer mais desafios e oportunidades de mobilidade interna para manter os jovens. “Gerações anteriores preferem estabilidade na carreira, ao contrário da geração Z, que não quer fazer a mesma coisa por muito tempo”, explica.

O levantamento, realizado entre janeiro de 2022 e dezembro de 2023, aponta que o setor de tecnologia é o que mais sofre com o turnover voluntário entre jovens, com 7% de desligamentos. Varejo e atacado seguem com 4,6%, enquanto indústria e agronegócio registram 2,7% e 2,2%, respectivamente.

Raphael Tacla, de 28 anos, trabalha com tecnologia há 12 anos. Desde o início da faculdade, ele já mudou de empresa várias vezes. Em uma das empresas, ficou apenas três meses, motivado por um salário maior. Atualmente, Raphael trabalha como desenvolvedor PJ há mais de um ano e prefere cargos com horários flexíveis e possibilidade de trabalho remoto, mesmo que isso signifique abrir mão de benefícios como vale-alimentação.

Expectativas da Nova Geração

“O setor de tecnologia é o mais dinâmico da economia, onde novas oportunidades de crescimento profissional surgem a todo momento”, diz Naercio Menezes Filho, economista e especialista em mercado de trabalho e tecnologia do Insper.

O estudo Carreira dos Sonhos de 2024, da consultoria Cia de Talentos, também confirma a maior propensão dos jovens a mudarem de emprego. Enquanto 35% da geração Z trabalhou em apenas uma empresa nos últimos cinco anos, 62% dos baby boomers permaneceram na mesma organização.

Danilca Galdini, diretora de Insights da Cia de Talentos, aponta que os pedidos de demissão no Brasil cresceram significativamente a partir do final de 2022, impulsionados por reflexões sobre o papel do trabalho na vida das pessoas, especialmente entre os jovens.

Thaís Paixão, arquiteta de 27 anos, trocou de emprego sete vezes nos últimos dois anos devido à dificuldade de encontrar vagas na sua área de formação. Ela ressalta que a falta de um plano de carreira nas empresas em que trabalhou a desmotivou e até a fez adoecer. Atualmente, Thaís trabalha em uma construtora, aplicando o que estudou na graduação.

Guilherme Ceballos, sócio da plataforma de recrutamento Eureca, afirma que dois dos principais motivos que levam os jovens a desistirem de processos seletivos, mesmo após serem aprovados, são descobrir que não farão exatamente o que desejam e que o pacote de benefícios e remuneração não é competitivo.

Fernanda Canaan, estudante de ciências biológicas de 24 anos, trabalha como garçonete free-lancer em uma cafeteria em São João del Rei (MG). Ela já trocou de emprego várias vezes devido à baixa remuneração e à escala de trabalho, com apenas um dia de descanso semanal. Além disso, o desvio de função é outra causa de rotatividade, como quando foi contratada como caixa e teve que desempenhar diversas outras tarefas.

*Com informações de Folhapress

Assine o Correio do Estado

OPERAÇÃO

Receptadores de objetos furtados do apartamento de Azambuja são indiciados

Operação do Garras cumpriu mandados de busca e apreensão em São Paulo, mas apenas mochila furtada do ex-governador foi recuperada até o momento

12/07/2024 19h15

Várias joias foram apreendidas sob suspeita de serem produtos de crimes

Várias joias foram apreendidas sob suspeita de serem produtos de crimes Foto: Divulgação / Polícia Civil

Continue Lendo...

Um mês após criminosos furtarem o apartamento do ex-governador Reinaldo Azambuja (PSDB), a Polícia Civil de Mato Grosso do Sul identificou e indiciou dois homens, de 61 e 66 anos, que receptarem os objetos furtados. Mandados foram cumpridos em operação realizada nessa quinta-feira (11), em São Paulo.

O apartamento do ex-governador foi arrombado e furtado no dia 9 de junho, em Campo Grande, quando o Azambuja estava em agenda no interior do Estado. No dia seguinte, 10 de junho, três suspeitos foram presos em São Paulo.

As investigações apontaram a existência de uma associação criminosa, sediada em São Paulo, que era especializada em enviar criminosos para vários estados, incluindo Mato Grosso do Sul, onde praticavam furtos a apartamentos, de onde levaram joias.

Ao retornarem para o estado paulista, havia outros integrantes da quadrilha que eram responsáveis por adquirir as joias metais preciosos, para derretimento e pulverização, com objetivo de dificultar as investigações e obter lucro pelo crime.

Na continuidade das investigações, foram identificados dois integrantes desta organização criminosa que foram os responsáveis pela receptação dos itens furtados de Azambuja.

Os dois suspeitos tinham estabelecimento comercial relacionado a compra e venda de ouro, joias e semijoias.

Com base nas informações, foram expedidos pela Justiça mandados de busca e apreensão, que foram cumpridos em cinco endereços de São Paulo, sendo dois residenciais e três comerciais, durante a Operação "Gold Digger".

Durante as buscas, foram encontradas diversas joias, semijoias e itens preciosos, sem qualquer comprovação de idoneidade a respeito da procedência, o que indicava probabilidade de origem ilícita.

Um dos endereços era utilizado exclusivamente para derretimento de ouro de origem ilícita, de onde foram apreendidos materiais para fundição clandestina.

Em outro local, foi encontrada uma bolsa furtada no apartamento de Azambuja, que os criminosos usaram para transportar os itens de valor. No entanto, a princípio, apenas a mochila vazia foi recuperada.

Após o cumprimento das buscas e apreensão dos objetos, os dois homens, que não tiveram as identidades divulgadas, foram indiciados pelos crimes de receptação qualificada e associação criminosa.

Relembre

furto foi descoberto durante a tarde de um domingo, já que Azambuja não estava na Capital durante o fim de semana, cumprindo agenda ao lado do atual governador pelo interior do Estado. 

O ex-governador mora no 18º andar de um condomínio de luxo, localizado no Jardim dos Estados.

Durante a ação os criminosos teriam levado joias, que pertenceriam à ex-primeira dama, Fátima Silva Azambuja, além de outros objetos pessoais.

Por meio de câmeras de segurança, policiais do Garras identificaram o carro que os criminosos utilizaram e monitoraram por onde o veículo passou, localizando-o no município de São Paulo. 

Três suspeitos foram presos na capital paulista e disseram que não sabiam a quem pertencia o local e que furto foi realizado 'na sorte'. Bem vestidos, eles enganaram o porteiro e conseguiram entrar.

A quadrilha já cometeu crimes em outros seis estados brasileiros, sendo eles: Bahia, Espírito Santo, São Paulo, Pernambuco, Rio Grande do Sul e Santa Catarina. 

Segundo a Polícia Civil, em todas ações, o esquema era o mesmo: os bandidos escolhiam uma cidade, pesquisavam no 'Google' por apartamentos de alto padrão e iam até o local muito bem vestidos, lá, conseguiam entrar fingindo ser outras pessoas, enganando o porteiro e batiam de porta em porta - sempre do último andar, até o primeiro, aquele apartamento que não tivesse alguém na hora, era o 'escolhido'. 

Com isso, eles arrombavam a porta com chutes para não deixar sinais e colocavam os pertences em bolsas, mochilas, sacolas, da própria vítima, tudo de forma discreta, simples, silenciosa e rápida. Após o crime, os ladrões fugiam da cidade no mesmo dia.

NEWSLETTER

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo.

Fique Ligado

Para evitar que a nossa resposta seja recebida como SPAM, adicione endereço de

e-mail [email protected] na lista de remetentes confiáveis do seu e-mail (whitelist).