Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

ANDAR COM FÉ

Na pandemia, é possível benzer à distância? Tire sua dúvida e veja se é eficaz

Benzimento, Reiki e outras práticas alternativas podem ter eficácia mesmo de longe, dizem especialistas
01/09/2020 07:45 - Marcos Pierry


Antigamente era bem comum, mesmo nas cidades urbanizadas. Mal nascia alguém na família e uma avó ou tia mais velha logo questionava os pais do bebê: “vai benzer quando?”. 

Com ou sem fé, as práticas alternativas de cura e proteção espiritual, bem como o desejo de saber o que diz o horóscopo e outras previsões, são um dado que permanece no imaginário contemporâneo e parece fazer parte do destino do homem desde sempre – mesmo para quem não acredita em destino.

Como anda esse universo paralelo, de consultas e tratamentos holísticos, em tempos de pandemia?  

Vale mesmo a pena dedicar-se aos ritos de modo não presencial para alcançar a paz de espírito? Para a terapeuta gaúcha Jacqueline Naylah, a resposta é sim, ainda que o cheirinho de arruda faça falta.

 
 

Bióloga e biopatologista de formação, Jacqueline se propõe a unir os conhecimentos acadêmicos ao holismo por meio do trabalho com vivências, cursos e palestras que buscam enxergar o ser humano em sua totalidade. A visão holística consiste justamente no esforço do olhar integrado em diagnósticos e tratamentos.

Com 15 anos de experiência como terapeuta holística em várias frentes e abordagens, Jacqueline acaba de lançar “Eu Te Benzo – O Legado de Minhas Ancestrais” (Editora Besouro Box, 136 páginas), seu livro mais recente, em que relata memórias e ensinamentos sobre o ato de benzer. 

Seu curso de benzimento on-line já formou 1.500 benzedores em vários estados brasileiros e seis países. 

Mas o benzimento a distância funciona mesmo? Segundo ela, é necessário apenas que seja criada uma lembrança sobre o benzido por meio de uma fotografia, uma peça de roupa ou uma palavra ao telefone.

 
 

Reiki e Energia Positiva

“Não há nada impossível mediante um ato de amor”, aposta a professora de ioga Fabrícia Sampaio, de 37 anos, que é mestra em Reiki e desde 2017 atua como terapeuta da técnica de cura pelas mãos. 

“Creio na eficiência tanto presencial quanto a distância do Reiki, do benzimento ou em qualquer outra intenção de auxiliar as pessoas a se harmonizarem e curarem”, afirma a terapeuta, que, desde a adolescência, também é especialista em leitura de cartas de tarô.

A professora explica que no nível dois da formação em Reiki há o estudo de um símbolo – o Hon Sha Ze Sho Nen – que “transcende o tempo e o espaço” e permite a aplicação do tratamento a distância.  

A formação completa na técnica reikiana divide-se em quatro níveis.

“O tempo e o espaço, diferentemente do que pensamos, não são lineares e bem definidos; são construções mentais que podem ser alteradas conforme a crença de cada pessoa”, diz Fabrícia, sem deixar de pontuar algumas contradições na evolução do própria técnica, da qual é mestra nível 3. 

“O aluno passa por uma cerimônia de iniciação em que recebe os símbolos diretamente das mãos do mestre professor. Os símbolos, inicialmente, eram secretos, hoje não são mais. É possível encontrar na internet. Porém, esses símbolos não funcionam, entre aspas, sem a cerimônia de iniciação”.

Universal

Criado na década de 1920 no Japão, o Reiki tem como objetivo o restabelecimento da saúde física e energética.

“A mágoa, a angústia e a tristeza são sentimentos que carregam uma energia densa, com poder de desencadear males físicos e psicológicos. O Reiki ajuda o paciente a se reequilibrar, eliminando conflitos internos e externos, fazendo com que o mesmo reflita sobre questões e comportamentos que o têm levado a esse estado”, explica a terapeuta Gleicy Vilela, de 38 anos, que também não vê empecilhos na aplicação remota do tratamento. 

“Não há contraindicações, a pessoa iniciada por um mestre devidamente habilitado pode aplicar presencialmente ou a distância o Reiki”, diz Gleicy, destacando que, longe ou perto do terapeuta, o paciente deve estar mentalmente receptivo ao tratamento.

“Por mais que haja terapeutas que discordem, não há diferença, inclusive fui iniciada a distância e a energia que senti foi muito forte. O fluxo da energia que imanta o paciente é cósmico, universal, viaja junto com o pensamento. Somos apenas um canal e não há obstáculos no caminho, apenas a permissão do paciente, a concentração e o trabalho do terapeuta”. 

Fabrícia diz que, com a pandemia, tem prestado apenas atendimentos on-line – tanto para as aulas de ioga quanto o Reiki e o tarô – e que a conexão é de fato mental. “Me conecto à pessoa através do pensamento, da intenção e sempre recebo feedbacks muito satisfatórios”.

Poder Divino e Ilimitado

A ligação com o outro lado – oculto, desconhecido – ganha variações e novos argumentos conforme a crença, mas a necessidade da presença é descartada como um fator obrigatório em diferentes religiões. 

“Nunca ouvi falar e nem testemunhei passe on-line ou por telefone, mas eu diria que existe, sim, o passe a distância e ele se dá pela oração”, afirma um educador que atua em um centro espírita kardecista de Campo Grande e prefere não ser identificado. 

“Já fui em casas espíritas que nem o passe tinha, pois considerava-se que só o fato de você estar lá, em um bom ambiente, já o deixaria sob influência de bons espíritos, então já está tomando passe ali”.

O pastor evangélico Ronaldo Leite Batista diz que o poder de Deus não tem limite e não está sujeito a canais. “Pode ser on-line ou nem on-line”, afirma. 

“Se eu orar por alguém que está na Europa creio que deus pode curá-lo sem nem a pessoa saber que estou orando por ela”, defende Batista, presidente do Conselho Municipal de Pastores de Campo Grande. 

“Temos o testemunho de uma senhora que estava na Alemanha e sentiu o chamado de madrugada para orar para um missionário que estava em Lesoto, na África, passando muito mal, com muita febre, por causa de uma água contaminada, e sem assistência médica. De repente, a febre cessou e um dia, ao trocarem cartas, viram a coincidência exata do dia e da hora”.

Dinheiro Não

Para o representante kardecista, o fundamental é que se esteja aberto no momento do passe. 

“Não é nada do outro mundo, o médium é só um intermediário dessa transmissão de energia que vem de um plano superior, são ondas de bons pensamentos que vão para onde você direciona; depende muito mais de quem está recebendo, tem de estar em sintonia”, diz o espírita, que só não concorda com a cobrança pelos serviços de ordem espiritual ou energética.

“Se a prática passa a ser remunerada, começa a perder eficácia; os bons espíritos se afastam quando você pula para o plano da questão financeira e a pessoa começa a ficar sob influência de outros tipos de energia, porque, como já foi dito, o que nos foi dado de graça temos de dar de graça. Somos meros servidores do plano espiritual”.

Jacqueline Naylah rebate: “As trocas entre serviços, produtos, produtores e consumidores sempre existiram desde a origem dos povos, o que altera é a moeda, que em tempos passados eram tecidos, animais, pedras, farináceos, tambos de leite e sal. Cada uma dessas moedas tinha um valor alto. Pegando o sal como exemplo, que era utilizado para preservar as carnes, valendo mais que ouro. Hoje, nossa moeda de troca é o real”.

Religiosidade Afro

A jornalista Yorrana Della Costa, de 25 anos, é iaô (filha de santo) de um terreiro de candomblé. Ela diz ser muito tênue, nas religiões de matriz africana, a linha que separa o que pode ser feito e o que não cabe. 

Por exemplo, seria impossível fazer uma iniciação a distância, fora do terreiro. “Não tem como transpassar a barreira da tradição, mesmo que seja na intenção de fazer o bem, quando na verdade não vai ter o efeito esperado”.

Já o jogo de búzios, banhos de folha e o acendimento de velas votivas podem ser viáveis. “São rituais que dependem muito do sacerdote ou sacerdotisa e da afinidade com a pessoa interessada, mas seriam procedimentos que dá para fazer”, avalia Yorrana.

 

Felpuda


Figurinha está trabalhando intensamente para tentar eleger a esposa como prefeita de município do interior.

Até aí, uma iniciativa elogiável. Uns e outros, porém, têm dito por aí que seria de bom tom ele não ensinar a ela, caso seja eleita, como tentar fraudar folha de frequência de servidores. 

Afinal, assim como ele foi flagrado em conversa a respeito com outro colega, não seria nada recomendável e poderia trazer sérias consequências. Só!