Clique aqui e veja as últimas notícias!

IPCA

Aumento do custo de vida e do consumo impacta em inflação de Campo Grande

Índice de 0,73% foi puxado por alta no preço da gasolina e reajuste da energia elétrica em julho
08/08/2020 13:16 - Súzan Benites


O custo de vida ficou mais caro para o bolso do campo-grandense no mês de julho. 

Com aumentos nos preços da gasolina, da energia elétrica e de alimentos como a carne bovina, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) registrou alta de 0,73% em Campo Grande, 0,50 ponto porcentual (p.p.) acima da variação observada em junho, de 0,23%. 

O índice da Capital foi o segundo maior, atrás apenas de Rio Branco (0,75%).

A inflação oficial de julho, medida pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), é bem distinta da taxa registrada no mesmo mês de 2019, quando houve deflação de 0,01%. 

No acumulado dos sete primeiros meses, o indicador acumula alta de 1,07%.  

Segundo a economista do Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento Fecomércio (IPF-MS), Daniela Dias, de uma forma geral, há um aumento da demanda, porque as pessoas estão mais em casa em função da pandemia do novo coronavírus (Covid-19). 

“No quesito oferta, temos um impacto principalmente na parte de alimentação, porque estamos em um período de entressafra e, naturalmente, alguns produtos já têm essa elevação de preços. Por outro lado, temos o próprio hábito do consumidor: nós tivemos alterações de hábitos, inclusive voltadas para alguns segmentos específicos. Com mais gente ficando em casa, há essa tendência a comprar mais do supermercado. A frequência e o volume de compras são maiores. Então, realmente temos esse reflexo dos hábitos dos consumidores”, explicou.

Entre os nove grupos de produtos e serviços pesquisados, oito apresentaram alta em julho. O maior impacto (0,35 p.p.) veio dos transportes (1,72%). 

Em seguida, veio o grupo habitação (1,21%), que acelerou em relação ao resultado de junho (0,04%) e contribuiu com 0,18 p.p. 

O grupo alimentação e bebidas apresentou alta de 0,13%. Já o grupo despesas pessoais foi o único que apresentou queda, mas próximo de sua estabilidade, com -0,01%.