Cidades

estiagem

A+ A-

"São Pedro explica" timidez da dengue em Campo Grande neste ano

Após quatro meses de chuvas abaixo da média, Capital teve apenas 16 casos confirmados, o que é o menor número em pelo menos uma década

Continue lendo...

Historicamente Mato Grosso do Sul e Campo Grande aparecem nos primeiros lugares nos respectivos rankings de incidência da dengue. Neste ano, porém, quando o país enfrenta a pior epidemia da história, a situação por aqui é a melhor em pelo menos dez anos. Esta momentânea tranquilidade coincide com a escassez de chuvas desde outubro do ano passado. 

Conforme o meteorologista Natalio Abrahão Filho, janeiro de 2024 foi o menos chuvoso dos últimos 26 anos, com apenas 92,6 milímetros. A média histórica para janeiro é de 229 milímetros. A última vez que choveu menos que isso no primeiro mês do ano, segundo ele, foi em 1998, com 72,7 milímetros. 

Por coincidência ou não, janeiro deste ano também foi o mês com o menor número de casos confirmados de dengue em Campo Grande desde 2015. Dados da Secretaria Municipal de Saúde (Sesau) mostram que foram apenas 16 confirmações, apesar de terem sido notificados 879 casos.

Estatísticas da Sesau relativos aos últimos dez anos mostram que a última vez em que o número foi tão baixo foi em 2017, quando foram confirmados 63 casos. No pior janeiro desde 2015 a cidade confirmou 2.580 casos. 

Em janeiro do ano passado, quando a Capital registrou 342 milímetros de chuva, foram confirmados 254 casos. Nos meses seguintes, porém, a quantidade explodiu e em março foram 3,3 mil confirmações. 

E em fevereiro, a tendência é a mesma. Até agora, conforme o Inmet, foram apenas 46 milímetros na Capital. A média histórica é da ordem de 180 milímetros. E, até agora, conforme o boletim da Sesau relativo aos 14 primeiros dias do mês, nenhum caso de dengue foi confirmado. 

Neste período, foram apenas 63 notificações, mas os dados ainda carecem de atualização. No ano passado, ao longo do mês inteiro, a Sesau notificou 1.889 casos suspeitos e confirmou 1.249 deles.  O ano terminou com seis mortes em decorrência da doença na Capital, e 42 no Estado inteiro.

As poucas chuvas de janeiro não foram caso isolado somente aos primeiros dias do ano. Desde outubro a cidade registra volumes bem abaixo da média histórica. Além disso, normalmente são irregulares e de baixo volume, atingindo somente algumas regiões da Capital. Isso impede o acúmulo de água, que é condição adequada para o surgimento de criadouros do mosquito transmissor da doença. 

E assim como Campo Grande, o restante do Estado também normalmente faz parte dos epicentros das epidemias, tanto que foi o único que teve todos os municípios incluídos no programa de vacinação de crianças com a vacina Qdenga. 

O fato de a cidade de Dourados ter sido escolhida como única no mundo para a imunização em massa, com 150 mil doses, é outra evidência que aponta para a gravidade do problema no Estado em anos anteriores. 

E, assim como na Capital, no interior as chuvas também estão bem abaixo da média. Em janeiro, conforme o Cemtec, 41 das 48 cidades monitoradas tiveram chuva abaixo da média. No mês anterior, 39 receberam chuvas aquém do esperado. Situação parecida ocorreu em outubro e novembro, com   29 e 35 municípios aparecem com chuva abaixo do esperado, respectivamente, de acordo com dados do Cemtec. 

Dados alarmantes

Enquanto isso, boa parte do Brasil enfrenta a pior situação desde que a dengue voltou a assustar, no início dos anos 80 do século passado. Já são 113 mortos confirmadas nas sete primeiras semanas de 2024. 

Além disso, existem 438 óbitos em investigação, de acordo com informações divulgadas nesta segunda-feira (19) pelo Ministério da Saúde.

Até o último dia 17, o país havia registrado 653.656 casos prováveis, alta de 294% em comparação com o mesmo período do 2023, ano em que o país bateu recorde de mortes pela doença.

O atual patamar nunca foi atingido tão rapidamente, segundo dados do ministério. A pasta projeta que o país pode atingir os 4,2 milhões de casos até o fim do ano.
 

Assustou!

Formação de nuvem funil deixa campo-grandenses apreensivos

O fenômeno não é normal, mas acontece em formação de tempestades e caso toque no solo, pode se tornar um tornado.

12/04/2024 18h22

Reprodução/

Continue Lendo...

A formação de uma nuvem de funil no início da tarde de hoje (12), na região sul de Campo Grande, deixou os moradores apreensivos, após registrarem o momento da formação de um cone entre as nuvens

A nuvem funil é criada com a rotatividade do vento, criando nuvens em formato de funil, que se estende desde a base da nuvem, porém ela não atinge a superfície. 

Conforme informações de meteorologistas, a nuvem funil é o primeiro estágio de desenvolvimento de um tornado, e ela é associada a nuvens de tempestades. 

A formação dela ocorre quando há presença de vórtices no interior de uma nuvem. O mesociclone ou vórtice é responsável pela rotação da coluna de ar dentro da nuvem. 

Quando ocorre este movimento se origina o encontro de fortes correntes de ar em direções opostas, formando o funil. Dependendo da intensidade dos ventos, ela pode tonar no solo, o que acarreta um tornado.  


Nuvem funil assusta moradores durante formação de temporal em Sidrolândia 

No início deste ano, em Sidrolândia, a formação de uma nuvem funil, deixou trabalhadores de um frigorífico de Sidrolândia, a 71 quilômetros de Campo Grande, apreensivos. No momento da formação dessas nuvens, o tempo estava fechado com possibilidade de chuva na região.      

Segundo depoimento de trabalhadores que se depararam com a nuvem, relataram que não ventava no momento da formação desse funil. 

Buscando entender o porquê deste fenômeno em Mato Grosso do Sul, o meteorologista do Cemtec, Vinicius Sperling, disse que o funil não é algo raro, mas pode ocorrer em outras ocasiões.

“Esse funil  não é algo normal, mas também não é raro, até porque já tivemos casos parecidos no ano passado. O que ocorreu é que essa nuvem funil que geralmente é uma nuvem mais intensa foi criada por causa de um choque entre um ar mais quente com um ar mais instável e acabou criando uma vórtice da base, que sai de uma ponta da nuvem girando em direção ao solo. Resumindo, esse fenômeno é parecido com um tornado, por ocorrer mais próximo à superfície”, explicou.  

Apesar de ser um fenômeno parecido com um tornado, o meteorologista da Cemtec explica que não é preciso se apavorar, mas buscar proteção, em caso de formação de nuvens mais pesadas para chuvas.  

Escreva a legenda aqui

Assine o Correio do Estado. 

Política

Lula adere a rede rival de Musk após movimento da esquerda contra X

Bluesky recebeu autoridades brasileiras nos últimos dias em protesto a Elon Musk

12/04/2024 18h00

(Imagem: AliSpective/Shutterstock)

Continue Lendo...

O presidente Lula (PT) aderiu nesta sexta-feira (12) a Bluesky ("céu azul", em inglês), rede social rival do X de Elon Musk.
A plataforma, que inicialmente proibia a entrada de chefes de Estado, anunciou a mudança de posição também nesta sexta.

Lula fez a sua primeira publicação na rede pela manhã, sobre evento em Campo Grande (MS) de habilitação de frigoríficos para exportação de carne para China. O perfil tem a mesma descrição e foto que no X.

A criação do perfil oficial do presidente ocorre após movimento de integrantes da esquerda brasileira contra o X, antigo Twitter.

O empresário embarcou na onda de bolsonaristas e trava uma disputa com o ministro Alexandre de Moraes, do STF (Supremo Tribunal Federal), a quem tem chamado de ditador. Moraes, por sua vez, determinou a investigação de Musk, que ameaçou liberar contas bloqueadas na Justiça por fake news.

Anunciada pela primeira vez em 2019, a Bluesky chegou no Brasil no ano passado. A rede, criada por Jack Dorsey, fundador do Twitter, surgiu como um projeto interno à plataforma de microblogs, mas ganhou vida própria quando Dorsey deixou a presidência da rede no final de 2021.

Mas foi nesta semana que a plataforma começou a receber adesão em peso de autoridades, num movimento de retaliação a Musk.

Políticos como o líder do governo no Congresso, Randolfe Rodrigues (sem partido-AP), e a presidente do PT, Gleisi Hoffmann, já criaram seus perfis na rede.

"Prestação de serviço não pode transformar-se em imposição de vontade. Quem opera no Brasil tem de respeitar as regras, a democracia e a Constituição. Ameaças não tiram nossa liberdade, nem podem penalizar seguidores por suas posições", disse.

Ministros da Esplanada, Jorge Messias (AGU) e Paulo Pimenta (Secom), também aderiram à Bluesky.

O chefe da Secom fez críticas a Musk, sem citá-lo nominalmente. "Não vamos permitir que ninguém, independente do dinheiro e do poder que tenha afronte nossa pátria. Não vamos transigir diante de ameaças e não vamos tolerar impunemente nenhum ato que atente contra nossa democracia", disse.

Pimenta disse ainda que o Brasil não será "tutelado" pelas plataformas de redes sociais.
Já Messias publicou uma foto da constituição e reiterou apoio ao STF e aos seus ministros. "Todos os que amam a democracia precisam se unir para defendê-la das ameaças que buscam garrotear a liberdade, nas palavras de Ulysses Guimãres", afirmou.

As atitudes de Musk de atacar Moraes e desobedecer ordens judiciais levaram autoridades a sair em defesa do ministro e do STF nos últimos dias. O magistrado, por sua vez, afirmou que "liberdade de expressão não é liberdade de agressão".

O presidente Lula já fez críticas a Elon Musk nos últimos dias, mas sem citá-lo nominalmente. Ele disse que o empresário nunca produziu "um pé de capim no Brasil" e defendeu o STF.

"Temos uma coisa muito séria nesse país e no mundo que é se a gente quer viver em um regime democrático ou não. Se a gente vai permitir que o mundo viva a xenofobia do extremismo. Que é o que está acontecendo", disse, na última quarta-feira (10).


 

NEWSLETTER

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo.

Fique Ligado

Para evitar que a nossa resposta seja recebida como SPAM, adicione endereço de

e-mail [email protected] na lista de remetentes confiáveis do seu e-mail (whitelist).