Clique aqui e veja as últimas notícias!

6ª FASE

Nova fase da Omertà tem como alvos o deputado Jamilson Name e o Pantanal Cap

Gaeco e Garras cumprem mandados de prisão e busca e apreensão em Campo Grande
02/12/2020 09:12 - Gabrielle Tavares, Glaucea Vaccari


Nova fase da Operação Omertà foi desencadeada na manhã desta quarta-feira (2) para cumprimento de 13 mandados de prisão e 17 de busca e apreensão em Campo Grande. 

Entre os alvos estão o deputado estadual Jamilson Name e a empresa Pantanal Cap. 

Acompanhe as últimas notícias

Equipes do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) e Delegacia Especializada de Repressão a Roubo a Bancos, Assaltos e Sequestros (Garras) cumprem os mandados.

Logo no início da manhã, equipes foram até a residência de Jamilson Name, no Itanhangá Park, onde realizam busca e apreensão. Ele é filho de Jamil Name, apontado como o líder da milícia armada e preso em Mossoró.

Equipes também estão na sede do Pantanal Cap, cumprindo mandado de busca e apreensão. A empresa também é de propriedade de Jamil Name e já foi alvo em outras fases da operação.

Em junho, funcionários da empresa, sobrinha e cunhada de Name foram presos, na terceira fase da Omertà.

Advogados de Jamilson Name e da Pantanal Cap acompanham a ação do Gaeco e Garras, mas ainda não deram declarações à imprensa. 

Mílicia de Name

Fragmentada em várias etapas, essa é a sexta fase da operação que investiga a organização criminosa comandada por Jamil Name e acusada de vários crimes em Mato Grosso do Sul. 

Ele já está preso, no presídio federal de Mossoró (RN), ao lado do filho, Jamil Name Filho, e outros integrantes do grupo de extermínio.

Name e Name Filho, ambos presos desde setembro de 2019, foram transferidos em novembro do mesmo ano para fora do estado para que não atrapalhassem as investigações. 

Decisão do Juiz Walter Nunes da Silva Junior do Tribunal Regional Federal da 5ª Região do Rio Grande do Norte, determinou que Jamil Name deve ficar até 29 de setembro de 2021 no presídio federal de Mossoró (RN).

A sentença afirma que “o preso é acusado de exercer a liderança de milícia armada, bem estruturada e de alto poder bélico e econômico, além de tramar atentados contra um delegado e um defensor público”.