Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

VIAGEM

Em 8 horas, Jair Bolsonaro deve visitar três cidades de Mato Grosso do Sul

Governador Reinaldo Azambuja deve acompanhar visita do presidente a Corumbá
18/08/2020 07:45 - Adriel Mattos


O presidente da República, Jair Bolsonaro, deve iniciar sua primeira visita oficial a Mato Grosso do Sul na manhã desta terça-feira (18). Esta é a primeira vez que o chefe de Executivo vem ao Estado desde a posse em 2019.

Segundo o Palácio do Planalto, Bolsonaro embarca para Corumbá às 9h20 de Brasília, devendo desembarcar por volta das 10h de MS. Seu primeiro compromisso é a inauguração de uma nova estação de radares do Destacamento de Controle do Espaço Aéreo.

Após o evento, o presidente almoça na Cidade Branca e vem para Campo Grande assistir a um exercício de treinamento de 700 militares da Força Aérea Brasileira (FAB). Este compromisso não consta na agenda oficial.

À tarde, Bolsonaro viaja para Nioaque, cidade onde morou durante sua passagem pelo Exército Brasileiro, como tenente do 9° Grupo de Artilharia de Campanha. A visita está agendada para 15h30.

Ele deixa o Estado por volta das 17h, partindo de Campo Grande.

 
 

AUTORIDADES

O governador Reinaldo Azambuja estará em Corumbá para acompanhar o presidente. O senador Nelson Trad Filho (PSD) e o deputado federal Luiz Ovando (PSL) vão desembarcar juntos com Bolsonaro.  

A senadora Soraya Thronicke (PSL) também estará na Cidade Branca. A sul-mato-grossense Tereza Cristina (DEM), ministra da Agricultura, estará na comitiva presidencial.

Além dela, compõem o grupo o ministro-chefe do Gabinete da Segurança Institucional (GSI), Augusto Heleno, o ministro da Defesa, Fernando Azevedo e Silva e o comandante da Aeronáutica, tenente-brigadeiro-do-ar, Antonio Carlos Moretti Bermudez.

 

Felpuda


A lista do Tribunal de Contas de MS, com nomes de gestores que tiveram reprovados os balanços financeiros de quando exerceram cargos públicos, está deixando muitos candidatos de cabeça quente.  Conforme previsto pelo Diálogo, adversários estão se utilizando de tais dados para cobrar, principalmente nas redes sociais, deixando alguns gestores na maior saia justa e tendo que se explicar. O eleitor, por enquanto, só observa. E dê-lhe!