Clique aqui e acompanhe o resultado das Eleições 2020

NEGADO

Justiça Eleitoral nega novo recurso de Trutis para se manter candidato

Defesa pediu a suspeição do magistrado que indeferiu a homologação da candidatura do deputado, mas foi negado pelo TRE-MS
21/10/2020 16:12 - Flávio Veras


O Pleno do Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso do Sul (TRE-MS) negou mais um recurso do deputado federal, Loester Trutis (PSL), que tenta manter sua candidatura à prefeitura de Campo Grande. Dessa vez, a defesa de Trutis pediu a suspeição do magistrado que reconheceu irregularidades na convenção municipal que escolheu seu nome para disputar o cargo de prefeito da Capital pelo PSL.

O juiz-membro do TRE-MS, Djailson de Souza, indeferiu o recurso. Além disso,  o pleno da corte eleitoral confirmou a decisão e rejeitou a suspeição por unanimidade.

Ao Correio do Estado, o deputado informou que já pediu a suspeição de Tribunal e quer enviar seu processo ao Supremo Tribunal Federal (TSE), pois ele entende que o judiciário eleitoral local já tem sua decisão formatada. Logo, ele acredita que sofrerá outras derrotas caso recorra no Estado.

GUERRA INTERNA

A guerra interna no PSL começou a convenção do partido, realizada no último dia 12 de setembro. Em uma manobra pouco antes do início da reunião online, o deputado federal colocou seu nome para disputar o cargo de prefeito de Campo Grande pela sigla. No entanto, o nome certo, até a fatídica reunião, era do vereador Vinícius Siqueira.  

Após a convenção, no dia 14 do mesmo mês, o vereador foi até o TRE-MS e protocolou um pedido de cassação da reunião, O pedido foi aceito pela Justiça Eleitoral e reconheceu o nome de Siqueira para disputa.  Desde então, os dois travam disputas judiciais e de narrativas, onde às duas partes se acusam de cometer crimes eleitorais e calúnias.

 

 
 

Felpuda


Tropas de choque ligadas a alguns vereadores estão agitadas que só nas redes sociais na tentativa de desbancar a concorrência das “chefias” que querem porque querem. Querem a cadeira maior da Câmara Municipal de Campo Grande. A da presidência.

Segundo políticos mais antenados, trata-se do “segundo turno” das eleições do dia 15 de novembro, só que com apenas 29 eleitores.