Clique aqui e veja as últimas notícias!

CRISE HÍDRICA

Escassez leva Águas Guariroba a sair em busca de novas reservas no estado

Empresa já negocia retirada de água de outras represas, como faz no Balneário Atlântico
03/10/2020 11:30 - Eduardo Miranda


A escassez de chuvas e o calor intenso, que não devem terminar nos próximos dias, vão levar a Águas Guariroba a retirar água bruta de outros reservatórios, além do Balneário Atlântico. 

A informação é do diretor-presidente da concessionária de água e esgotamento sanitário de Campo Grande, Themis de Oliveira, confirmada em entrevista ao Correio do Estado.

Ele informou que a empresa negocia com vários proprietários rurais a retirada de água de lagos e represas no entorno da cidade, sobretudo na região leste, onde estão as duas estações de tratamento: Guariroba e Lageado. 

“Fechamos o mês de setembro com um aumento de 22% no consumo quando comparado com o mesmo período do ano passado”, ressalta Oliveira. 

Segundo ele, no ano passado também houve um aumento de consumo de 15% em relação ao ano anterior. O que também levou a concessionária a retirar água do Balneário Atlântico, porém, por menos dias, e com um volume menor.

Themis de Oliveira conta que a empresa chegou a se preparar para este ano, aumentando a capacidade do sistema de abastecimento. Em 2019, a média de abastecimento neste período de estiagem era de 267 milhões de litros por dia. Com os poços abertos em 2020, a capacidade foi de 280 milhões de litros por dia.

 “Aumentamos de 2019 para cá a produção em aproximadamente 13 milhões de litros por dia, com a perfuração de vários poços por dia, mas a situação deste ano foi surpreendente, não somente para nós, mas para outras empresas do setor também”, comenta o diretor da Águas Guariroba.

Foram construídos mais quatro poços ultraprofundos para retirar água dos lençóis freáticos: dois com vazão de 50 mil litros por hora, um de 200 mil litros por hora e outro de 300 mil litros por hora.

“Não é uma situação pontual de Campo Grande e nem mesmo de Mato Grosso do Sul. É uma realidade estabelecida em todo o Brasil e também no continente. É a maior seca em várias décadas”, frisa.