Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

REAÇÃO ADVERSA

Johnson interrompe estudo de vacina contra Covid-19 que seria testada em MS

Estudo clínico investiga segurança e eficácia da vacina e foi interrompido temporariamente
13/10/2020 11:36 - Glaucea Vaccari


Empresa  Johnson & Johnson comunicou a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) sobre a interrupção temporária do estudo clínico que investiga a segurança e eficácia de sua vacina contra a covid-19.

A vacina da Johnson & Johnson é uma das que Mato Grosso do Sul assinou termo de cooperação técnica para realização de testes no Estado.

De acordo com o comunicado, “o estudo foi temporariamente interrompido devido a um evento adverso grave ocorrido em um voluntário no exterior”.  

Não foi detalhado qual o efeito adverso, nem o estado de saúde do voluntário, e o estudo ficará suspenso até a investigação de causalidade, que faz parte dos procedimentos de boas práticas clínicas.

A doença do participante “está sendo analisada e avaliada pelo Conselho de Monitoramento de Segurança de Dados independente ENSEMBLE (DSMB), bem como por nossos médicos clínicos e de segurança internos”, disse a Johnson & e Johnson, em nota.

Também em nota, a Anvisa informou que, no Brasil, a inclusão do primeiro voluntário no estudo ocorreu no dia 9 de outubro.  

“Novas inclusões só poderão ocorrer quando houver autorização da Anvisa, que procederá com a análise dos dados da investigação e decidirá pela continuidade ou interrupção permanente, baseada nos dados de segurança e avaliação risco/benefício”, diz a nota.

Em Mato Grosso do Sul, ainda não havia começado a captação dos 2 mil voluntários do imunizante, que serão pessoas entre 18 e 58 anos, com preferência para profissionais da saúde e de segurança pública.

Estado também tem termo de cooperação para as vacinas Coronavac – do laboratório Sinovac e da farmacêutica francesa Sanofi em parceria com a empresa britânica GSK. 

 
 

Felpuda


Comentários maldosos nos meios políticos dão conta que duas figurinhas que se rebelaram contra os próprios colegas poderão ficar no sereno político e, de forma indireta, serem personagens das próprias manifestações.

Um deles defendeu a redução do número de vereadores, e o outro disse ter vergonha de exercer o cargo. Agora enfrentam altos e baixos na campanha eleitoral.