Clique aqui e veja as últimas notícias!

SAÚDE

É perigoso tomar vacina? Plano nacional foi apresentado nesta quarta-feira pelo Governo Federal

As vacinas são utilizadas para induzir imunidade a vírus e bactérias causadores de doenças, já que estimula o organismo a produzir os próprios anticorpos
16/12/2020 13:15 - Agência Brasil, Gabrielle Tavares


Nesta quarta-feira (16) foi apresentado o plano nacional de vacinação contra a Covid-19 pelo Governo Federal. Mas, mesmo diante do crescente número de casos da doença no Estado e no país, parte da população ainda possui dúvidas sobre a segurança de tomar o imunizante.

Hoje também, Mato Grosso do Sul somou 116.612 casos confirmados de Covid-19 e 1.978 óbitos pela doença. São 1.981 casos e 11 mortes a mais que ontem. No Brasil, já são mais de 180 mil mortes pela doença. 

Junto com os casos, o movimento anti vacina também cresce nas redes sociais. Páginas com mais de 600 seguidores se posicionam contrários a imunização no país e publicam afirmações sem comprovação em suas páginas.

São inúmeros os boatos espalhados pelos aplicativos de conversas instantâneas, como o Whats App, e também por redes sociais. Agências de checagem, entretanto, como o Projeto Comprova, iniciativa da qual o Correio do Estado faz parte, tem se esforçado em desmentir os boatos que induzem as pessoas a desconfiar das vacinas. 

Recentemente, por exemplo, grupos não identificados espalharam pelas redes textos em que afirmavam que a vacinação contra a Covid-19 causaria alteração genética, como vídeo que circula no Instagram e no Youtube. Alguns chegaram a alegar que vacinas eram de “células fetais”, e que o DNA do “feto”, entraria no corpo do receptor.  

Estas informações foram desmentidas pelo Projeto Comprova, conforme o leitor poderá checar na reportagem elaborada pela equipe de checagem. 

Últimas notícias

 

Ciência para a imunidade

As vacinas são utilizadas para induzir imunidade a vírus e bactérias causadores de doenças, já que estimula o organismo a produzir os próprios anticorpos.

Esses anticorpos já são criados naturalmente pelo corpo humano quando é infectado por algum corpo parasitário. Porém, algumas doenças, como é o caso do coronavírus, colocam em riso a vida de certos grupos de pessoas se forem expostas à doença para adquirirem imunidade natural.

Dessa forma se faz necessário as produções das vacinas. Elas estimulam a produção de anticorpos apresentando ao corpo humano vírus, ou da bactéria, inativos, de uma maneira que o vacinado não adoece e, ainda assim, adquire imunidade.

Para isso, existem diversos tipos de vacina. Cada um apresenta de forma diferente o micro-organismo ao corpo humano, mas o resultado sempre será o mesmo: imunidade.

Os efeitos adversos dos imunizantes podem ocorrer, mas os sintomas costumam ser mais leves que as próprias doenças e duram pouco. Uma vacina só pode ser aprovada para uso pela Anvisa se os seus efeitos colaterais graves foram raros e os leves forem curtos.

Os efeitos colaterais podem estar associados à própria vacina, ou, muitas vezes, à ansiedade pela vacinação ou a algum evento que coincidiu com a vacinação, mas não tem relação com ela.

No caso da vacina contra o coronavírus, o plano apresentado apenas contraindica a imunização para pessoas menores de 18 anos, gestantes, e aquelas que já apresentaram reação anafilática.

O plano

O plano está dividido em dez eixos, que incluem descrições sobre a população-alvo para a vacinação; as vacinas já adquiridas pelo governo e as que estão em processo de pesquisa; a operacionalização da imunização; o esquema logístico de distribuição das vacinas pelo país; e as estratégias de comunicação para uma campanha nacional. 

O documento entregue não indica data para início da vacinação.

Doses

O Plano Nacional de Vacinação contra a covid-19, apresentado pelo governo, prevê quatro grupos prioritários que somam 50 milhões de pessoas, o que vai demandar 108,3 milhões de doses de vacina, já incluindo 5% de perdas, uma vez que cada pessoa deve tomar duas doses em um intervalo de 14 dias entre a primeira e a segunda injeção.

O primeiro grupo prioritário, a ser vacinado na Fase 1, é formado por trabalhadores da saúde (5,88 milhões), pessoas de 80 anos ou mais (4,26 milhões), pessoas de 75 a 79 anos (3,48 milhões) e indígenas com idade acima de 18 anos (410 mil).

A Fase 2 é formada por pessoas de 70 a 74 anos (5,17 milhões), de 65 a 69 anos (7,08 milhões) e de 60 a 64 anos (9,09 milhões).

Na Fase 3, a previsão é vacinar 12,66 milhões de pessoas acima dos 18 anos que tenham as seguintes comorbidades: hipertensão de difícil controle, diabetes mellitus, doença pulmonar obstrutiva crônica, doença renal, doenças cardiovasculares e cerebrovasculares, indivíduos transplantados de órgão sólido, anemia falciforme, câncer e obesidade grave (IMC maior ou igual a 40).

Na Fase 4, deverão ser vacinados professores do nível básico ao superior (2,34 milhões), forças de segurança e salvamento (850 mil) e funcionários do sistema prisional (144 mil).

O Ministério da Saúde pondera, no documento, que os grupos previstos ainda são preliminares e poderão ser alterados.

Assine já