Clique aqui e veja as últimas notícias!

MOVIMENTO ESTUDANTIL

Professores e infectologistas são contra novo adiamento do Enem

Pelas redes sociais, grupo de estudantes fez manifesto para adiamento da prova que começa dia 17 de janeiro
07/01/2021 08:35 - Beatriz Magalhães


Pelas redes sociais, estudantes se manifestaram para que o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2020 fosse adiado. 

As provas estão marcadas para os dias 17 e 24 de janeiro na versão impressa e nos dias 31 de janeiro e 7 de fevereiro para a versão digital. 

O Enem é a principal porta de entrada dos estudantes para o Ensino Superior, porém, representantes dos professores e médica infectologista são contra o adiamento do exame.

Últimas Notícias

Para o presidente da Federação dos Trabalhadores em Educação de Mato Grosso do Sul (Fetems), Jaime Teixeira, o momento de reivindicar o adiamento já passou. 

O professor também afirma que a decisão da data foi unilateral. “No início do movimento, tínhamos uma posição bem clara por conta da perda de preparação dos alunos. Teríamos de ter mais tempo para que as escolas públicas tivessem como concorrer sem prejuízo, mas, neste momento, adiar uma prova dessas é muito difícil”, afirma Teixeira.

“A posição do movimento educacional e estudantil foi contrária a do governo federal, pedimos para que o exame fosse realizado em março, mas a decisão foi unilateral”, finaliza o presidente.

O movimento pedindo o adiamento do Exame Nacional do Ensino Médio teve início em 2020, com a necessidade de suspender as aulas para evitar o aumento dos números de contágio da Covid-19 nas escolas.

 

PREOCUPAÇÃO

Os estudantes demonstram grande preocupação com a disseminação do vírus. O cenário nacional é preocupante e em Mato Grosso do Sul não seria diferente. No Estado, 84.634 estudantes farão o exame, desses, 82.710 se inscreveram para a prova impressa.

O número de infecções no Estado sul-mato-grossense já chegou a 139.152 e uma das principais recomendações feitas pelos especialistas é evitar a aglomeração, mas de acordo com a infectologista Mariana Croda, o Enem é o mais tranquilo dos problemas.

“Qualquer medida de isolamento melhora o cenário, mas não é o que temos praticado. Em eventos com aglomeração, como o Enem, se tomadas todas as medidas corretas, não terá impacto nenhum. Os eventos que geraram e geram mais impactos são eleições, feriados e festas de fim de ano. Eu não me preocuparia com a prova nesse cenário”, afirma Croda.

A médica coloca ainda que, em um cenário diferente do que vivemos, em que o distanciamento, o uso de máscaras e a higienização fossem seguidos, aí, sim, um evento como esse geraria impacto. 

Ela ainda destaca as medidas essenciais que podem garantir a segurança dos alunos, como lavar as mãos ou usar álcool gel, usar a máscara e evitar se alimentar a todo instante durante a prova.

 

MOVIMENTO

A prova, referente ao ano passado será realizada em 2021. O adiamento foi realizado em rezão da Covid-19. Pelo twitter, a hashtag #AdiaEnem promovida pela União Nacional dos Estudantes (UNE) e União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (Ubes) ganhou força no dia 4 de janeiro.

Pela rede social, a UNE se posicionou. De acordo com o movimento estudantil, o Enem 2020 foi adiado para janeiro, ignorando a opinião dos estudantes.

“O Ministério da Educação fez uma movimentação de adiamento sem nenhuma articulação ou diálogo com os movimentos educacionais e estudantis. Escolheram uma data sem apresentar nenhum critério e empurraram o calendário para janeiro”, afirma a diretora-executiva da UNE, Maria Clara Delmonte.

Entendendo as redes sociais como um espaço importante de movimentação e pressão, os movimentos estudantis se posicionaram e vêm se mobilizando na internet. 

O objetivo é reivindicar o adiamento e a construção de planos para que os estudantes possam ter uma prova em breve, mas com mais possibilidades e segurança.

“Entendemos que esse será o exame mais desigual da história, visto que milhares dos estudantes que vão fazer essa prova nem sequer tiveram a oportunidade de ter aula no ano passado. Em muitos lugares existe um ensino a distância, mas muitas pessoas não podem cursar seu ano letivo por meio da internet por conta da desigualdade do nosso País”, finaliza Maria Clara.

 

EMOCIONAL

O nervosismo já faz parte da prova e uma pandemia pode potencializar tudo isso, é o que afirma a psicóloga especialista em neuropsicologia e coordenadora da Coordenadoria de Psicologia Educacional da Secretaria de Estado de Educação, Paola Nogueira Lopes.

“A proximidade de um evento, um marco tão importante na trajetória dos estudantes como o Enem, concomitante a um ano de 2020 de aulas remotas, aumentaram as inseguranças. A sensação de incompletude e de ausências pedagógicas, já que todos tiveram deficit educacional, podem e estão potencializando, sim, sentimentos e sensações como ansiedade e de impotência frente ao evento”.

A psicóloga coloca ainda que, diante de uma situação em que precisamos provar nossos conhecimentos como no Enem, que pode definir os próximos anos da vida de milhares de jovens, o peso da carga emocional já existe e em uma situação como essa pode ser ainda pior.

“Somamos e potencializamos tudo isso a um ano passado de muitas ausências, aumentando e muito a sensação de insegurança. É claro que cada um vivenciou esta situação da pandemia de uma forma, estamos no mesmo mar, porém, em barcos diferentes, e isso significa que precisamos e temos de usar repertório emocional para tal, como resiliência, empatia, perseverança e flexibilidade, principalmente, que foram e são tão necessários”, finaliza a psicóloga.