Cidades
FINANÇAS

Veja como planejar melhor os investimentos em 2020

Especialistas em negócios apontam quais os passos para definir melhor as aplicações

SÚZAN BENITES

06/01/2020 11:00

 

É comum falar em planejamento financeiro no início do ano. 

Uma das grandes dúvidas é sobre como se planejar para investir em aplicações financeiras. Especialistas em negócios apontam quais os passos para definir onde aplicar os recursos e qual a tendência de  melhores investimentos em 2020.

O planejador financeiro e sócio na Expertise Investimentos, escritório credenciado da XP Investimentos, Trajano Ellera Gomes, explica que com a Selic (taxa de juros) em apenas 4,5% ao ano, sair da zona de conforto virou regra para conseguir retornos melhores. 


“É preciso reavaliar os investimentos e explorar novas alternativas. 

É natural se arriscar mais para buscar maiores retornos, mas lembrando sempre de respeitar o seu perfil de investidor”.

De acordo com o especialista, o momento econômico do Brasil diminui a percepção de risco e aumenta as oportunidades para se investir em ações. 

“As rentabilidades da renda fixa pública e privada ficam mais desafiadoras e os investidores terão que migrar parte das carteiras para a Bolsa, se quiserem retornos mais atraentes”.

O economista Márcio Coutinho, diz que a primeira estratégia para definir um investimento é saber o que você quer. 

“Você vai fazer esse investimento com qual objetivo, comprar um carro, um imóvel? 

Precisa definir também se é a curto prazo, longo prazo, então tem que estar muito claro o que você quer alcançar com esse investimento que quer fazer”. 

OPÇÕES

Na hora de escolher um bom investimento é preciso diferenciar resultados passados. 

Segundo o planejador financeiro, é importante avaliar se o que está sendo oferecido é bom para você ou para a instituição na qual você investirá.

“A maioria dos investidores está perdendo para a inflação e nem sabe disso. O dever fiduciário de qualquer profissional deveria ser com o seu cliente, infelizmente isso é muito raro devido as esmagadoras metas que bancários tem”, explicou Gomes.

Para definir em qual aplicação é melhor investir, o interessado deve respeitar seu perfil investidor.

“Se ele se sente confortável e entende o que está acontecendo, mas ao menos ganha da inflação, esse é o melhor investimento. Toda carteira de investimentos deve ser entendida como um time de futebol, cada investimento tem o seu papel que contribui para o resultado do time. Não conheço nenhum time campeão jogando com 10 zagueiros ou 10 atacantes além do goleiro”, exemplificou Gomes.

Os gestores em geral têm explorado novas alternativas para aumentar os retornos com ações.

“Muitos estão lançando produtos com a estratégia Long Biased. Basicamente, esse tipo de fundo possui uma parcela comprada de ações, mas também pode operar com uma parcela do fundo vendido (protegendo-se de quedas do mercado). A indústria ainda conta com bastante predominância de fundos com estratégia “Macroeconômica” e há poucos fundos com outras estratégias como Long Short, Arbitragem ou Quantitativos, onde essas estratégias diversificadas acabam servindo como um amortecedor para as variações da carteira de investimentos. Dentre as grandes apostas para 2020 há um grande consenso sobre a posição comprada na Bolsa brasileira”, informa Gomes.

Outra aposta do mercado, para 2020, é que além da expectativa de juros baixos fomentando novos projetos, a expectativa de recuperação econômica beneficia a melhora das operações. 

“Vemos retomada em todos os setores, com destaque para Lajes Corporativas e Shoppings”, afirmou o planejador financeiro que disse ainda que investir em estratégias internacionais deve melhorar a relação risco x retorno dos portefólios. “Já que os preços dos ativos no exterior são impulsionados por múltiplos aspectos. Como referência o PIB Brasileiro representa aproximadamente 2,5% do PIB mundial”.

MENOS ATRATIVOS

A poupança é considerada na média o pior dos investimentos, principalmente por render 70% da taxa Selic + variação da Taxa Referencial (TR) que atualmente é zero, totalizando hoje 3,15% a.a., o que é menos que a inflação.

Também merecem atenção do investidor os fundos de renda fixa pós fixada até 105% do Certificado de Depósito Interbancário (CDI). 

Segundo Trajano Gomes, as aplicações em renda fixa são: 

Certificado de Depósito Bancário (CDB), 

Letra de Crédito Imobiliário (CDI);

Letra de Crédito do Agronegócio (LCA), por si só, não são produtos ruins. 

“O investidor precisa mesmo é se atentar às rentabilidades oferecidas. 

Esses produtos que pagam até 105% do CDI bruto (sem descontar impostos) são péssimas escolhas, atualmente perdem para a inflação.

Ainda entre as opções que merecem atenção do investidor estão os fundos de renda fixa com altas taxas de administração. 

“São uma opção interessante para quem quer acessar bons investimentos em renda fixa com a expertise de um gestor. É preciso, porém, ficar atento às taxas de administração cobradas e a rentabilidade final, ela deve ser maior que 105% do CDI”, analisa Gomes.

Os fundos de previdência privada, contratados sem um objetivo e com taxas excessivas também são citados como menos atrativos em 2020.

“Fundos de previdência privada possuem uma tributação específica, ela é feita para que o investidor fique ao menos 8 anos com a aplicação. O PGBL só serve para quem pode utilizar o benefício de desconto do imposto de renda, e o VGBL serve principalmente como um plano de sucessão familiar. Taxas altas e excessivas, como taxas de administração, de carregamento, de entrada, de saída etc. afetam em muito a rentabilidade final do produto”, informou o planejador financeiro.

Para quem quer investir em aplicações o especialista dá a dica. 

“A primeira dívida que deveria ser paga todo mês é consigo mesmo(a). Invertemos a forma de pensar, o dinheiro a ser investido é o primeiro a ser separado, e o restante então paga as contas e o lazer. Investir é um hábito e esse hábito só se cria sendo exercitado, não importa se com R$ 10 ou R$ 1.000. Também é importante pensar onde se tem mais retorno, uma aplicação de R$ 300 mensal ou na mensalidade de um curso que pode aumentar a sua renda em 50%?”, conclui Trajano Gomes.

Segundo o economista é preciso fazer uma análise sobre a saúde financeira. 

“Verifique os gastos que pode cortar para transformar isso em investimento. Lembrando que é fundamental ter disciplina, não adianta você ter recursos disponíveis e não ter disciplina”, finalizou Coutinho.