Correio B

Correio B+

Capa B+: Entrevista exclusiva com o ator e apresentador Duda Nagle

"Estamos realizando um sonho com 'Os Nagle'. Tivemos essa ideia há anos, e finalmente está lançada".

Continue lendo...

Duda Nagle está no comando do podcast "Os Nagle" ao lado da mãe, a jornalista e ícone da TV Brasileira Leda Nagle. No projeto, que está em sua segunda temporada, eles entrevistam pessoas sobre saúde, bem-estar, educação e assuntos diversos, sempre dando a visão de cada geração. Em paralelo, segue também com o canal que leva o seu nome na mesma plataforma do YouTube.

Ao 41 anos e com mais de 20 de carreira artística, o ator fez sua estreia na novela "Agora é que São Elas", de Ricardo Linhares, em 2003 na TV Globo. Depois, vieram as novelas: "Caminho das Indias", "América", "Salve Jorge", "Páginas da Vida" e em três diferentes temporadas de "Malhação", todas na mesma emissora.

Mas foi em 2017 que o carioca fez seu papel de maior repercussão, o protagonista da novela infanto-juvenil "Cumplices de um Resgate", de Iris Abravanel, no SBT, que hoje faz parte do catálogo da Netflix.

Dali, entrou para "A Dona do Pedaço", novamente na Globo, onde interpretou um lutador de boxe decadente.  Seu último trabalho nos folhetins foi na série "Reis", da Record, onde deu vida a Jotã, um comandante do exército israelita.

Duda Nagle também tem no currículo as séries "Rio Heroes", da Fox, "Os Amadores" e "Divã", na Globo, "Milagres de Jesus", na Record, "Os Suburbanos", no Multishow e "Desencontros", na Sony. Nos cinemas, fez sua estreia em 2021 como o vilão do longa "A garota da Moto", disponível atualmente na Prime Video. Em 2023, lançou o filme "Tração".

Empreendedor, criou um projeto para desenvolver equipes para cenas de ação. Em 2019, organizou em São Paulo um workshop com Bobby Holland Halton, o maior dublê de Hollywood.  Atualmente, Duda Nagle é sócio de algumas empresas (como uma rede de açougues) e ainda faz as vezes de influenciador em suas redes sociais.

Capa exclusiva do Correio B+ desta semana, o ator conversou com o Caderno sobre o podcast 'Os Nagle" que está em sua segunda temporada no Youtube, paternidade e novos trabalhos.

O ator Duda Nagle é Capa exclusiva do Correio B+ desta semana - Foto: Thais Fujarra - Diagramação: Denis Felipe e Denise Neves

CE - Duda atualmente comanda o podcast 'Os Nagle' ao lado de sua mãe Leda Nagle no Youtube. Fale um pouco sobre o projeto e sobre a oportunidade de fazer um trabalho em família?
DN -
Estamos realizando um sonho. Essa é uma ideia que tivemos há alguns anos e que está finalmente lançada. Já gravamos 15 episódios (10 da primeira e 5 da segunda temporada disponíveis). Nos últimos anos, com a chegada da Zoe, a nossa prioridade como família é a criação e formação dela e, desde então, vamos entrando em contato com os dilemas da educação, da convivência e das prioridades na vida de todos no relacionamento familiar.

Pra isso, sempre buscamos nos informar melhor através de contato com pessoas, livros, palestras, podcasts etc. Então agora somos nós dois juntos, mãe e filho, na frente das câmeras buscando aprender sobre tudo isso junto com o público com esses grandes convidados. Fico muito feliz e honrado de aprender e interagir com minha mãe e nossos convidados.

CE - Conhecemos Duda Nagle há muitos anos como ator de novelas, mas agora vemos essa nova versão apresentador/entrevistador... Pretende investir nessa carreira?
DN - 
Pretendo investir cada vez mais nessa área. Gosto muito de escutar histórias e estou cada vez mais à vontade em estar na frente das câmeras fazendo perguntas e, também, por se tratar de podcast, puxar a conversa pro lado mais fácil informal.

Ultimamente, a vida foi me puxando pra esse lado e por mais que tenha resistido um pouco durante os últimos anos, cada vez mais estou entendendo que conviver com a minha mãe foi uma grande escola e que não posso desperdiçar essa herança. Pelo contrário, tenho que continuar com esse legado! Por conta desse nosso momento familiar que chegamos no conceito do podcast, "Os Nagle, O Encontro de Gerações"

CE - No podcast você faz um trabalho como entrevistador ao lado de uma importante jornalista, ainda que seja a sua mãe, dá mais medo (por medo de julgamento até dela) ou mais tranquilidade (por se sentir mais seguro com alguém experiente ao lado)?
DN -
 As duas coisas! Às vezes fico ainda receoso porque além de entrevistar, também tenho que tomar conta da parte técnica, da equipe, de patrocinadores e merchandising e da publicações dos vídeos etc. Às vezes me enrolo, às vezes me alongo e às vezes me empolgo e falo demais (risos).

Mas o fato da minha mãe ser muito experiente também me deixa muito seguro porque sei que a entrevista vai seguir nos trilhos. Minha mãe também ajuda muito desde a preparação do ambiente para receber os convidados até as legendas e títulos dos vídeos. A gente se desdobra em várias funções e os convidados se sentem em casa.

Duda no Podcast 'Os Nagle' - Foto - Divulgação

CE - Aliás, sua última novela foi Reis, na Record em 2022. Pretende voltar a atuar na TV ou agora quer só focar na internet/redes sociais e apresentar?
DN - 
Pretendo voltar às novelas e séries. Acredito que depois da separação a minha vida entraria em colapso se eu inventasse de fazer uma novela no Rio de Janeiro, por exemplo, já que moro em São Paulo. A vida de ponte aérea é muito desgastante, e a minha presença familiar era muito urgente pra suavizar os impactos da separação na vida da minha filha. Graças a Deus não recebi nenhum convite pra não ficar nem balançado (risos). Nesse tempo, consegui montar uma estrutura através das empresas que participo e represento e com o trabalho nas redes sociais, que me sustentou bem nesse período de turbulência maior. Mas agora já estou me sentindo muito mais seguro e pronto pra retomar minha carreira principal.

CE - Além de ator, você virou um grande influenciador nos últimos anos. Como é a vida trabalhando através de redes sociais?
DN - 
Na verdade, ator e influenciador sempre foram coisas misturadas, né? Um artista sempre usou sua imagem para anunciar produtos etc. O bom das redes sociais é que a gente tem uma autonomia muito grande e você consegue comunicar quase direto com o público. E ali mistura também com os bastidores da sua vida pessoal com a sua rotina.

Com isso, as pessoas conseguem acompanhar um pouco mais de perto a vida da gente. Acho que o macete é misturar tudo sem tornar isso chato para o espectador, fazer uma curadoria legal de produtos/marcas com os quais nos associamos. Quando a gente consegue realmente achar um produto que a gente gosta e realmente usa, aí fica uma propaganda muito mais verdadeira e acaba envolvendo mais ainda o seguidor, o cliente. A rede social é uma ferramenta bem dinâmica.

CE - Você já foi cancelado? Tem medo do cancelamento que tanto assombra quem trabalha com imagem?
DN -
Sobre o cancelamento, eu acho que é um medo constante desses nossos tempos, né? Por mais que eu já trabalhe há mais de 20 anos nesse mundo, a gente sempre tem medo de uma fala tirada de contexto, de uma manchete manipulada para atrair atenção, um vídeo tirado de contexto que pode tomar uma proporção muito grande e a nossa resposta dificilmente vai ter o mesmo impacto.

Mas toda profissão tem o seu risco e a gente tem que estar disposto a manter a integridade do trabalho, a essência dos valores e o nosso comprometimento. A gente não pode se curvar a isso, a gente não pode deixar de produzir, de criar coisas por causa desse medo. Várias pessoas já foram canceladas várias vezes e continuam muito bem. Então, o cancelamento, por mais que faça uma sensação de pânico no ápice, depois ele se mostra passageiro e não tão perigoso assim.

Ao lado da mãe Leda Nagle - Divulgação

CE - Você chegou a estudar publicidade. Como foi sair dos bastidores para a frente das câmeras? 
DN - 
Sim, eu comecei como estudante de publicidade e propaganda, mas tinha vergonha de apresentar meus projetos na faculdade e até de me meter em entrevista de emprego já ficava apavorado. Aí eu entrei nas aulas de teatro. No começo, eram aulas particulares porque tinha vergonha que meus amigos soubessem. E aí, com o tempo, ganhei confiança e fui buscando aula de grupo e workshops.

Meu foco era trabalhar com publicidade e propaganda na televisão, na criação das campanhas, das histórias. Virei ator de novela pra conhecer o show business por dentro. Só que aí quando fiz minha primeira novela, já virei a chave de vez. Me empolguei muito!  Foi uma mudança gigante na minha vida. Eu nunca tinha trabalhado, de fato, e entrei pra uma novela das 18h da TV Globo (Agora é que são elas, em 2003). Minha vida mudou totalmente e aí eu nunca mais pensei em voltar.

CE - Você sempre se mostra muito presente na criação da Zoe, sua filha. Como é o Duda Nagle pai? Como é criar uma menina em pleno ano de 2024?
DN -
 A paternidade exige presença. Então, o grande desafio foi conseguir me organizar, porque a minha vida era muito corrida, muito cheia de improvisos. E a criança precisa de rotina, precisa de constância, precisa de previsibilidade, que era uma coisa que eu não tinha muito. E aí tive que me esforçar muito para poder estar presente com ela, estar atento à ela.

E essa foi a grande lição que aprendi. Mas, ao mesmo tempo que dá muito trabalho, a energia que volta é uma coisa absurda. Então é absurda e positiva, muito boa. Isso serve de combustível para você e sacrificar mais, se esforçar mais. Então é meio paradoxal, porque quanto mais esforço você investe ali, mais retorna. E você precisa realmente parar a correria para estar presente.

E o fato de ser uma menina foi uma coisa surpreendente. A menina é delicada, ela é mais meiga e isso fez com que eu tivesse que rever vários pontos no meu jeito de ser, no meu jeito de comunicar, buscar ser mais doce, ser mais carinhoso. Então, aprendi e venho aprendendo muito também. A gente aprende mais do que eles com a gente, a gente aprende mais com os filhos do que os filhos com a gente.

Com a filha Zoe - Divulgação

CE - O que a paternidade te trouxe? E seus seguidores homens chegam a pedir dicas, conselhos?
DN - 
Acho que a paternidade trouxe uma responsabilidade muito maior e uma responsabilidade com a continuidade. Porque eu já era muito responsável na parte profissional, na parte intelectual, na saúde e tal. Mas, quando você tem que cuidar de outra pessoa, tem que ajudar a formação dela - ainda mais tratando da próxima geração da sua família.

Fiz um mergulho interno de autoconhecimento muito grande. E, realmente, as pessoas vem falar, vem pedir dicas. Igual eu fazia também quando eu soube que a Sabrina estava grávida. Na época, fui conversar com meus amigos que já eram pais para pegar dicas. A gente vai trocando muito também com seguidores na internet. Porque hoje está todo mundo muito conectado, né? Então, você vai aprendendo essas dicas, vai testando, os seguidores vão falando também...É uma coisa constante. A rede social aproxima. Então, quanto mais verdadeiro, mais rica essa interação nas redes sociais

CE - Quais os próximos projetos?
DN - 
Seguir com 'Os Nagle', voltar com o podcast presencial da minha mãe e lançar o meu podcast sozinho que vai se chamar "O Generalista", porque eu me considero um generalista (eu gosto de aprender um pouco sobre vários assuntos diferentes e quero explorar isso mais).

E quero muito voltar para as novelas e séries. Eu gosto muito dessa dinâmica. É o que eu realmente considero que faço melhor. Já estou conversando com pessoas da área. E sonho  também produzir de forma independente cinema de ação e efeitos especiais. Esse é o meu grande objetivo de carreira. Quero abraçar todas as oportunidades que surgirem.

Na novela REIS - Divulgação

Inclusão social

Inclusiva, escola de teatro tem professora com deficiência intelectual e múltipla

Aluna da Escola de Teatro Adote há 5 anos, Evelyn recebeu a oportunidade de ministrar aulas na instituição

12/07/2024 15h30

Evelyn Machado Soares durante apresentação do espetáculo

Evelyn Machado Soares durante apresentação do espetáculo "Filhos do Pantanal" Divulgação

Continue Lendo...

A Escola de Teatro Adote abriu inscrições para nova turma da oficina de Iniciação Teatral. A novidade do curso, com duração de três meses e voltado para atores e não atores acima de 14 anos, é a presença de Evelyn Machado Soares, uma professora de teatro com deficiência intelectual e múltipla, que liderará as aulas com o apoio de Daniel Smidt e Beth Terras, responsáveis pela escola que já conta com mais de 100 alunos.

Evelyn, com mais de cinco anos de experiência na Adote, tem se destacado tanto nos espetáculos da escola quanto em sua atuação na companhia de teatro da APAE. Recentemente, a companhia conquistou o primeiro lugar com o espetáculo "Filhos do Pantanal" no Festival Nossa Arte, vencendo também as etapas regional e estadual. Em dezembro de 2024, o grupo disputará a etapa nacional no Rio de Janeiro, sob a direção de Daniel Smidt.

Além da presença de Evelyn à frente da turma, a escola também está em novo endereço na Av. Tamandaré, nº 356, sala 11, Bairro Vila Planalto, que proporciona maior acessibilidade aos alunos pela amplitude e preparação do espaço para receber pessoas diversas.

Inclusão 

Evelyn Machado Soares enfatiza a importância desta oportunidade. "Estou sendo inserida no mercado de trabalho das artes cênicas, o que representa uma oportunidade muito grande. A visão das dificuldades que as pessoas com deficiência enfrentam para entrar no mercado de trabalho das artes cênicas é complicada, e ter a oportunidade que o grupo Adote está me dando, abrindo as portas para ministrar aulas, é algo rico e grandioso."

Daniel Smidt e Beth Terras, coordenadores da Escola de Teatro Adote, destacam o impacto transformador da arte e a importância da inclusão. "A oficina de Iniciação Teatral é uma oportunidade única para os participantes explorarem o mundo da arte cênica, desenvolvendo suas habilidades e potencialidades", comenta Beth.

"O teatro tem o poder de transformar vidas, e essa oficina é uma porta de entrada para aqueles que desejam se aventurar nesse universo. Estamos empenhados em proporcionar uma experiência enriquecedora e acolhedora para todos os participantes, promovendo a arte e a inclusão de forma cada vez mais ampla e significativa", complementa Daniel.

"Ela [Evelyn] está com a gente há muitos anos e tem um potencial muito grande. Eu sinto que ela tem pouca oportunidade, né? Ela sente isso também. Então a gente queria proporcionar algo diferente para ela. Então ela vai receber por isso como os outros professores", explica Daniel.

Escola de Teatro Adote

Para jovens e adultos, a Escola de Teatro Adote oferece cursos específicos para atores aos sábados e domingos, com técnicas de renomados mestres como Meisner, Chekov e Stella Adler. O curso para atores e não atores, disponível em horários variados, explora temas como comunicação, criatividade, estudo de cena e conceitos de Stanislavski. Para as crianças de 7 a 12 anos, a escola oferece um curso de iniciação às quartas-feiras.

Além dos cursos, a Adote proporciona oportunidades de casting para curtas-metragens, como o longa "Me Deixe Ficar". Sob a liderança de Daniel Smidt e Beth Terras, a escola é conhecida por espetáculos de sucesso, como "Boca de Ouro" e "O Beijo no Asfalto", e pelo sarau beneficente SARAGUÁ.

Com professores como Beatriz Bergler, Iago Arimura e Giovanna Zottino, a Adote oferece certificação de conclusão, portal do aluno e um portfólio diversificado de atividades, tornando-se o local ideal para desenvolver talento e paixão pela arte teatral.

As aulas da oficina estão previstas para começar em agosto de 2024 e ocorrerão todas as terças-feiras, das 19h às 20h30. O curso abordará técnicas de expressão corporal, voz, improvisação e interpretação, fundamentais para o desenvolvimento artístico dos participantes.

Para mais informações entre em contato pelo WhatsApp (67) 98117-9379

Assine o Correio do Estado

 

AGENDA CULTURAL

Viva o Rock!

No fim de semana do Dia do Rock, a celebração vai além da data oficial, neste sábado, e já começa hoje, com Coquetel Blue e Leca Harper no novo endereço da Cervejaria Canalhas; samba, reggae e filme com Scarlett Johansson também são opções

12/07/2024 10h00

A banda de thrash metal toca, de graça, na Plataforma Cultural, neste sábado, logo após a projeção de estreia do documentário

A banda de thrash metal toca, de graça, na Plataforma Cultural, neste sábado, logo após a projeção de estreia do documentário "Barulho do Mato" Foto: Divulgação

Continue Lendo...

Tem festival, tem filme inédito e lançamento de videoclipe, tem exposição e tem bandas de diversos estilos do gênero na agenda da Capital para celebrar o Dia do Rock. A data oficial é amanhã, mas a sonzeira dos roqueiros já ocupa vários espaços de Campo Grande a partir de hoje.

Na Cervejaria Canalhas, por exemplo, são duas atrações nesta sexta-feira, marcando a estreia do novo endereço da casa especializada em cervejas artesanais.

A Canalhas passa a funcionar na Rua Oceano Atlântico, nº 99, Chácara Cachoeira, e recebe hoje os shows da banda Coquetel Blue e de Leca Harper, acompanhada da banda Cozinha Cabeluda, com entrada franca até as 20h. Leca também está lançando hoje o videoclipe da canção “Feriados”, que é produzido pela RedBurn e traz, na gravação da faixa, feras como Gabriel de Andrade, Zé Fiúza e Renan Nonato. Quem toca por lá amanhã é o grupo Codinome Winchester, com ingressos pelo Sympla.

METAL NA PLATAFORMA

Na Plataforma Cultural, a banda de thrash metal Katastrofe faz show grauito, amanhã, marcando o lançamento do média-metragem “Barulho do Mato”, de Lucas Arruda e Mariana Sena, com projeção no mesmo local, a partir das 19h.

O documentário investiga as origens do heavy metal em Campo Grande e traz preciosos depoimentos de membros de bandas pioneiras, como Alta Tensão, Necroterium e Sacrament, além do Kastastrofe.

Outra banda veterana do rock é tema de “Noites em Claro – Palavras do Bando do Velho Jack”, de Gabriela Dias. A pré-estreia para convidados é hoje, no Espaço Energia (Av. Afonso Pena, nº 3.901, Jardim dos Estados). Amanhã, o documentário será lançado para o público no Shopping Bosque dos Ipês, às 19h, com direito à exposição Rock Cine.

PEDRADA

Neste sábado também acontecerá o Pedrada Sunset Rock Festival, no Sunset Growler Station, nos Altos da Afonso Pena, com abertura dos portões ao meio-dia e participação de cinco bandas: Haiwanna (rock nacional); Ana & Mais (indie rock); Hellora, com um rock clássico “lado B”; Lowdown (grunge); e a paulista Manchester Oasis Cover, revisitando o grupo britânico do irmãos Liam e Noel Gallagher, extinto em 2009. Ingressos por R$ 55 no terceiro lote pelo Sympla.

DIOGO E TON

Com sua mistura de black music e MPB, que já o fez dividir o palco com Milton Nascimento e Marina Peralta, entre outros nomes, Ton Alves faz o show de abertura de mais uma edição do MS ao Vivo, neste domingo, no Parque das Nações Indígenas, a partir das 17h. O EP “Bad in House” (2021) e o single “Nada em Comum” (2019), que o artista divide com Marina, são alguns dos destaques do repertório de Ton, conhecido tanto pelo vozeirão quanto como instrumentista.

“Pé na Areia”, “Alma Boêmia”, “Clareou” e “Sou Eu”, do seu repertório autoral, somam-se a canções do samba de roda da Bahia e outras de Arlindo Cruz, Chico Buarque, Zeca Pagodinho e Tim Maia no show de Diogo Nogueira, que entra em cena após Ton Alves.

O sambista carioca rende, ainda, homenagens ao pai, com “Espelho” (João Nogueira e Paulo Cesar Pinheiro), Cassiano (“Primavera”, de Cassiano e Silvio Rochael), Beth Carvalho (“Andança”, de Danilo Caymmi, Paulinho Tapajós e Edmundo Souto) e Gilberto Gil (“Aquele Abraço”). Faixas de “Sagrado”, mais recente álbum de inéditas do cantor, também estão previstas para a apresentação, que terá uma superbanda de 11 músicos.

REGGAE

Em Três Lagoas, a música de origem jamaicana é o destaque neste sábado, com a festa Fóreggae na Casa do Vô João, que marca a inauguração do Hostel Loft 67 House (Rua João Carrato, nº 1.122) e terá atrações locais – a banda Resistência e o DJ Roots – e de Campo Grande – o reggaeman Sandim e o Rockers Sound System – das 16h21min às 23h.

O espaço conta com uma minirrampa de skate e patins e os ingressos – R$ 25 no primeiro lote – estão disponíveis pelo site www.diango.com.br.

Quem não tiver como pegar a estrada, pode ainda tentar uma vaga na “van oficial” da produção do evento, que sai de Campo Grande neste sábado: R$ 200 por pessoa, com direito a hospedagem, ingresso, café da manhã e retorno à Capital no domingo. Mais informações: (67) 99239-6078/99154-9029.

PRAÇA BOLÍVIA

No domingo, em mais uma edição do Praça Bolívia, também tem rock, com mais um show da Coquetel Blue, de Lua e os Cometas e de Os Walkírias, além de outras atrações musicais: bandas Canela, Barganhas, O Tal do Forró, Brisa do Mato, Beca e Gaia; a cantora Lucy; e a dança de Lisa Lima. Das 9h até as 14h. Na Vila Nova Ipanema, bairro Santa Fé, entre as ruas das Garças, Barão da Torre, Aníbal de Mendonça e Dias Ferreira. Grátis.

Assine o Correio do Estado

NEWSLETTER

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo.

Fique Ligado

Para evitar que a nossa resposta seja recebida como SPAM, adicione endereço de

e-mail [email protected] na lista de remetentes confiáveis do seu e-mail (whitelist).