Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

MÚSICA

Em single novo, Douglas Dakombi traz leveza em tempos difíceis

"Virar pó" foi lançado nas plataformas digitais do cantor
05/07/2020 09:40 - Naiane Mesquita


 

“Eu voltei a acreditar no que eu sou, eu sei para onde for só é preciso amor”. Nos versos de “Virar pó”, novo single do músico Douglas Dakombi, o ponto central é descobrir o que faz de nós, humanos. 

A música foi lançada oficialmente no dia 26 de junho, em todas as plataformas digitais, e já foi ouvida 7 mil vezes no Spotify. “Hoje meu estilo caminha mais para o indie folk rock”, explica Dakombi.

O sobrenome peculiar carrega muito da história de Douglas, que resolveu seguir os sonhos musicais há 5 anos. “Quando eu fui demitido em 2014 da empresa que eu trabalhava em Campo Grande, com o dinheiro do acerto eu comprei uma Kombi. Adaptei um sistema de energia interno nela e viajei o Brasil fazendo shows itinerários. E aí o público me chamava de Dakombi. Eu trouxe isso para o meu nome artístico”, explica. 

A energia na estrada trouxe bons frutos para Douglas, que segue com a carreira musical a pleno vapor. “Atualmente moro em São Paulo. Estou em Campo Grande desde que a pandemia do coronavírus piorou. A kombi ainda está lá”, conta. 

Sorteio

Para celebrar o lançamento do clipe oficial da música, Douglas lançou um sorteio de dois quadros, em parceria com a escritora Lara Martins, de São Paulo. A promoção acontece no dia 7 de julho, às 18 horas, no canal oficial do cantor no Youtube

Para participar do sorteio dos quadros é bem simples e rápido, basta seguir as instruções em um post no perfil do Instagram do cantor @douglasdakombi. 

Enquanto o clipe de "Virar Pó" não é divulgado, confira outra produção do cantor, "Acaso":

 
Acaso - Douglas Dakombi

Felpuda


É quase certo que a aposentadoria deverá ocorrer de maneira mais rápida do que se pensava em determinado órgão. O que deveria ser a tal ordem natural dos fatos acabou sendo atropelada por acontecimentos considerados danosos para a imagem da instituição. Os dias estão passando, o cerco apertando e já é praticamente unanimidade de que a cadeira terá de ter substituto. Mas, pelo que se ouve, a escolha não deverá ser com flores e bombons de grife.