Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

CRESCIMENTO

Produção de grãos deve chegar a 22 milhões de toneladas em Mato Grosso do Sul

Com aumento da produtividade e da área, o Estado será o quinto maior produtor de soja do País
12/10/2020 10:00 - Súzan Benites


Mato Grosso do Sul deve ter uma produção de grãos recorde na safra 2020/2021. 

De acordo com o primeiro levantamento desta safra, divulgado pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), a colheita no próximo ano chegará a 22,051 milhões de toneladas, crescimento de 7,3% ante as 20,548 milhões de toneladas colhidas no ciclo 2019/2020.

Além do crescimento da produção, a área plantada também se destaca. Na próxima safra, a estimativa é de 5,360 milhões de hectares plantados, no ciclo anterior foram 5,029 milhões de hectares, 6,6% a mais.  

Os bons números estão principalmente atrelados à produção da próxima safra de soja. Com menos de 5% do plantio iniciado, a expectativa é de colheita recorde no próximo ano. Dados da Conab apontam que a produtividade da oleaginosa crescerá 7,7%, saindo de 11,362 milhões de toneladas em 2020 para 12,235 milhões de toneladas em 2021.  

A área plantada também será ampliada em 11,1%, chegando a 3,351 milhões de hectares ante os 3,016 milhões de hectares do ciclo passado. Com os resultados, o Estado vai figurar como o quinto maior produtor do País, atrás de Mato Grosso, Paraná, Rio Grande do Sul e Goiás.  

Conforme adiantado pelo Correio do Estado, a expectativa é de uma supersafra.  

“A gente tem dados de abertura de áreas de pastagens se transformando em áreas de agricultura, que indicam que teremos novamente um acréscimo na área plantada em cima de áreas degradadas. Temos a previsão climática que é favorável e a adoção de tecnologias e do momento que os grãos vivem no cenário mundial. A expectativa do governo do Estado também é de recorde na safra 2020/2021”, informou o superintendente da Secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar (Semagro), Rogério Beretta.

 
 

ATRASO  

Até o momento, menos de 5% das áreas de soja foram semeadas, de acordo com a Associação dos Produtores de Soja e Milho de MS (Aprosoja-MS). Apesar da falta de chuvas e de o plantio efetivo ainda não ter começado, as estimativas apontam para produção recorde no Estado.

De acordo com o departamento técnico da Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso do Sul (Sistema Famasul), não há atraso na semeadura da oleaginosa. 

“No histórico das últimas 10 safras, cerca de 65% do volume de plantio de soja em Mato Grosso do Sul aconteceu entre os dias 10 e 30 de outubro, portanto, ainda estamos na janela de plantio, com prazo para efetuar a semeadura em condições normais”, informou em nota.

Segundo o presidente da Aprosoja-MS, André Dobashi, caso haja atraso no plantio da soja, a chance de o produtor ter uma boa safra de milho é reduzida.  

“O atraso da soja vai muito de encontro com a vontade do produtor de plantar milho, porque a janela ideal para o plantio é em outubro. O produtor que ainda não plantou soja não está ansioso com a soja, mas com a área de safrinha dele. Cada vez que você entra mais para dentro do mês de outubro o plantio da safrinha fica mais longe do início de fevereiro, e isso é ruim”, explicou.

O departamento técnico da Famasul ainda informou que o plantio só será considerado atrasado a partir de 30 de outubro. Nas regiões sul e centro de Mato Grosso do Sul, algumas cidades iniciaram a semeadura no fim de setembro.

NACIONAL

No País, a estimativa é superar em 4,2% o recorde obtido na temporada recém-finalizada. De acordo com a Conab, a produção está estimada em 268,7 milhões de toneladas, superando em cerca de 11 milhões de toneladas o recorde de 257,7 milhões de toneladas da última safra.  

O estudo também aponta crescimento na área cultivada, na ordem de 1,3%. A expectativa é de que nesta safra o plantio ocupe cerca de 66,8 milhões de hectares, o que corresponde a 879,5 mil hectares a mais.

A produção de soja é estimada em 133,7 milhões de toneladas e mantém o Brasil como o maior produtor mundial da oleaginosa. A colheita total de milho deve atingir 105,2 milhões de toneladas, também a maior da série histórica – aumento de 2,6% sobre a anterior.  

A área cultivada com arroz deve aumentar 1,6%, mas a equipe da Conab estima que a produtividade pode não ser tão boa quanto a da última safra. 

Caso se confirme a redução de 4,2% do volume colhido por hectare, a produção nacional de arroz será de 10,885 milhões de toneladas, ajustada ao consumo previsto. As exportações do grão, por sua vez, podem diminuir em cerca de 400 mil toneladas.

A produção de feijão é distribuída em três safras e, por esse motivo, pode ter ajustes maiores do que as outras culturas ao longo do ano. 

O estímulo para uma safra é influenciado pelos resultados da colheita anterior. Com base nos dados atuais, a Conab estima produção também semelhante ao consumo. 

A área pode ter um pequeno aumento, mas a produtividade pode recuar. No balanço, a soma das três safras é esperada em 3,126 milhões de toneladas, o que significaria diminuição de 3,2% sobre a temporada passada.

Já para o algodão em pluma, projeta-se queda na área e na produtividade, com a produção devendo se limitar a 2,8 milhões de toneladas de pluma, redução de 6,2% sobre a safra passada.

 

Felpuda


Comentários maldosos nos meios políticos dão conta que duas figurinhas que se rebelaram contra os próprios colegas poderão ficar no sereno político e, de forma indireta, serem personagens das próprias manifestações.

Um deles defendeu a redução do número de vereadores, e o outro disse ter vergonha de exercer o cargo. Agora enfrentam altos e baixos na campanha eleitoral.