Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

TRÁFICO POSTAL

Traficantes usam Correios para envio de drogas

Polícia Federal investiga envio de maconha e cocaína pelo Correios que saia de Mato Grosso do Sul para São Paulo, Nordeste e até para a Suíça
22/06/2020 10:00 - Eduardo Miranda


Não é só no comércio lícito de produtos que a venda remota de mercadorias vem ganhando espaço. 

Entre os traficantes, a remessa de pacotes com drogas para outros estados brasileiros, também vem ganhando força e, Mato Grosso do Sul, por estar estrategicamente localizado perto da fronteira do Paraguai, tem sido um dos grande remetentes de maconha pelos Correios, mas também há envio de cocaína, para outros países, inclusive.  

Os equipamentos de rastreio e raio-x da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos já flagraram pelo menos sete remessas de maconha para São Paulo (SP), e para estados de Pernambuco, Bahia, Rio Grande do Norte, Pará e Amapá nos últimos meses. 

Também há uma remessa de pouco mais de 1 quilo de cocaína para a Suíça.  

Na remessa que tinha a capital paulista como destino, a compra - conforme indicam os documentos - foi feita pelo “market place” (plataforma de negócios, na tradução livre) Mercado Livre.

Todos estes casos viraram inquéritos que tramitam na Superintendência Regional da Polícia Federal, em Campo Grande.

 Em um deles, já mais avançado, os agentes trabalham para identificar não somente a pessoa responsável pela encomenda, mas toda a quadrilha responsável por enviar as caixas com maconha para outros estados.  

MERCADO LIVRE?

A apreensão de 1.092 quilos de maconha em julho do ano passado, também na Central dos Correios de Campo Grande, resultou na abertura de inquérito policial na Polícia Federal. Neste caso específíco, a encomenda tinha como remetente um endereço de Ponta Porã, e o destinatário, um apartamento em São Paulo (SP).  

O produto foi identificado como “lúpulo a granel”.  

O remetente era um homem identificado como “Flávio Franco”, de Ponta Porã, e a destinatária, uma mulher identificada como “Júlia Mendes”.  

COCAÍNA

A partir de um remetente da cidade de Corumbá, os Correios, a Receita Federal e a Polícia Federal flagraram, no ano passado, uma encomenda de 1 quilo de cocaína para Genebra, na Suíça.  

Assim como as encomendas com maconha, a droga foi identificada pelos cães farejadores da Polícia Federal, em um único dia de inspeção na Central dos Correios de Campo Grande.  

PORTAL CAIOBÁ

Das encomendas encontradas pelos cães farejadores, três delas tinham o mesmo endereço, do Portal Caoibá, em Campo Grande, como remententes. Eram caixas com maconha enviadas para Macapá (AP), Mossoró (RN) e Santana do Araguaia (PA). Os volumes totalizaram 5 quilos.  

NORDESTE

Só neste ano, foram três objetivos despachados para as cidades de Recife (PE) e Salvador (BA), a partir da agência franqueada dos Correios da Rua Pedro Celestino, em Campo Grande.  

O Correio do Estado teve acesso à investigação, mas não informará os endereços dos destinatários para não prejudicar o trabalho trabalho da Polícia Federal. 

O destino da droga remetida por meio de caixas, devidamente embrulhadas como se fosse uma compra de uma grande loja do comércio on-line, são apartamentos em bairros nobres destas capitais nordestinas.  

Os policiais federais já estão com as imagens do rapaz que enviou pelo menos dois pacotes, fornecidas pelos Correios. Ele foi identificado, e o fato de o cartão de débito ter sido rejeitado ao remeter as encomendas, fez com que a atendente se recordasse do autor do crime.  

Nas caixas, ele usou um nome falso: “José Pedro”. Para Recife, foram enviadas duas caixas, uma com 482 gramas de maconha, e outra com 380 gramas. Para Salvador, a encomenda já era mais pesada: 1,26 quilos da droga. 

APREENSÕES

Pelo menos 9 quilos de drogas, destes, 1 quilo de cocaína, foram encontrados pelo sistema de raio-x e também por cães farejadores na central dos Correios de Campo Grande. 

CORREIOS

Os Correios, informou que trabalha em parceria com os órgãos de segurança pública para prevenir o tráfico de drogas e demais itens proibidos. 

“Quando algum objeto proibido e/ou ilícito é detectado, os Correios acionam os órgãos competentes. Muitas das operações policiais começam por apreensões realizadas pela fiscalização dos Correios. 

Por se tratar de assunto relacionado à segurança, os Correios não detalham informações das ocorrências, para não interferir em eventuais investigações”, informou a empresa estatal.

 

 
 

Felpuda


Devidamente identificadas as figurinhas que agiram “na sombra” em clara tentativa de prejudicar cabeça coroada. Neste segundo semestre, os primeiros sinais começarão a ser notados como reação e “troco” de quem foi atingido. Nos bastidores, o que se ouve é que haverá choro e ranger de dentes e que quem pretendia avançar encontrará tantos, mas tantos empecilhos, que recuar será sua única opção na jornada política. Como diz o dito popular: “Quem muito quer...”.