Cidades

Turismo

Amigos visitam 19 países em um só dia e quebram recorde

Amigos visitam 19 países em um só dia e quebram recorde

Continue lendo...

Conhecer 19 países em menos de 24 horas. Parece impossível, mas três amigos noruegueses se lançaram nesse desafio para quebrar um recorde mundial e lograram o feito em 23 horas e 33 minutos.

Gunnar Garfors, Tay-Young Pak e Øyvind Djupvik saíram da Grécia às 00h04 do dia 21 de setembro e chegaram a Liechtenstein às 23h37 do mesmo dia. No caminho, pegaram dois voos e dirigiram mais de 2.100 quilômetros com carros alugados para visitar outros 17 países.

Visitar é modo de dizer, já que, previsivelmente, não deu tempo de ver muita coisa de cada lugar. O objetivo, na verdade, era pisar no solo de todos os países  – esse era um dos prerrequisitos para registrar o recorde no site Recordsetter.com. Aeroportos também não contavam.

Eles ainda levaram um rastreador com GPS e tiraram fotos em todos os lugares, para provar que  cumpriram a meta. O recorde anterior pertencia a um grupo que viajou 17 países em um dia, no ano de 2012.

O trio norueguês já havia tentado quebrar o recorde em maio deste ano, mas, na ocasião, conseguiu visitar “apenas” 17 países, igualando o recorde anterior. “Decidimos pesquisar e planejar mais, pois não gostamos de dividir recordes mundiais”, disse ao G1 Gunnar Garfors. “Pesquisamos outros caminhos, voos e estradas para encontrar a melhor rota. Não queríamos falhar de novo”, conta.

Os dois voos que eles pegaram foram entre a Macedônia e a Sérvia e entre a Áustria e a Alemanha. O resto do caminho foi de carro, e só um deles, Øystein, dirigiu. “O Tay tirou carteira de motorista há apenas seis meses, e eu dirijo assustadoramente mal”, conta Gunnar.

A comida servida nos aviões e lanches comprados em postos de gasolina ajudaram a aguentar a maratona. “Agradecemos muitas vezes aos inventores das bebidas e barras energéticas. Não foi uma viagem gourmet”, diz o norueguês.

Aviões e postos de gasolina também eram a chance de ir ao banheiro. Tay havia comprado um saco para armazenar urina, mas não foi preciso usá-lo – “felizmente”, diz Gunnar.

Alguns contratempos atrasaram a viagem. O carro que eles tinham reservado para o primeiro trecho, por exemplo, não estava disponível e foi preciso recorrer a um modelo mais popular “caindo aos pedaços, com 100 mil quilômetros rodados”, conta Gunnar.

Na Suíça, uma chuva extremamente forte fez com que eles tivessem que dirigir mais devagar e também atrasou a jornada. “Poderíamos ter conhecido o 20º país se não fosse por isso”, lamenta Gunnar.

Outro problema foi que o cineasta que acompanhava o trio para registrar a viagem em um documentário foi detido na fronteira entre a Grécia e a Bulgária, por filmar em um lugar proibido. Após ser questionado por policiais durante horas, ele alcançou os amigos de avião na Alemanha e pôde continuar a filmagem. 

Eles comemoram, porém, o fato de não terem tido o carro parado pela polícia em nenhum lugar. Esse, aliás, era um dos itens que uma casa de apostas colocou disponível para que o público palpitasse em relação à viagem dos noruegueses. Ao longo do dia 21, as pessoas podiam apostar quantas vezes os amigos seriam parados pela polícia, se conseguiriam quebrar o recorde mundial e qual seria o próximo país visitado, já que o roteiro era secreto.

Gunnar, que já tinha entrado para o "Guinness Book of Records" em 2012 por ter visitado os cinco continentes em um dia só dia, garante que, mesmo com a correria, a viagem foi “incrível”.

"Não paramos muito, mas tivemos muitas experiências. Vimos florestas fascinantes, montanhas selvagens, vilas charmosas, cidades grandes e muitas áreas rurais. Recomendo para qualquer um", relata. E completa: "Melhor do que quebrar um recorde foi fazer isso na companhia de ótimos amigos."

Cidades

BR-163 teve em média uma morte a cada cinco dias em 2024

No último fim de semana, sete foram vitimados na "Rodovia da Morte"

14/07/2024 10h54

Reprodução/Dourados News

Continue Lendo...

De janeiro à primeira semana de julho, acidentes no trecho sul-mato-grossense da BR-163 vitimaram 36 pessoas, número que corresponde a um óbito a cada cinco dias, e que faz jus ao título "rodovia da morte".

Apenas no fim de semana passado nos dias 6 e 7 de julho, foram registrados sete óbitos em dois acidentes, ambos envolvendo carros de passeio e carretas. No primeiro deles, na madrugada do sábado, o motorista de um Fiat Siena, que teria invadido a pista contrária, bateu de frente com o veículo de carga, no anel viário de Campo Grande. As três pessoas que estavam no carro, de idade entre 30 e 35 anos, morreram no local.

Na madrugada do domingo, quatro jovens, de idades entre 17 e 19 anos, morreram após o carro em que estavam invadir a pisca contrária e bater de frente com uma carreta, no km-300 da rodovia, entre Rio Brilhante e Dourados. 

Mais recente, no dia 12 deste mês, uma criança de 9 anos morreu na Santa Casa de Campo Grande, após ter sido atingida por uma peça que desprendeu de uma carreta, quebrou a janela do ônibus em que ela viajava e a acertou.

Se comparados os números do primeiro semestre deste ano (desconsiderando os últimos acidentes mencionados de julho), a BR-163 registrou mais acidentes do que no mesmo período do ano passado, mas menos mortes.

De janeiro a junho de 2023, foram registrados 330 sinistros, quantidade 17,5% inferior aos 400 sinistros registrados no mesmo período de 2024. No entanto, no ano passado os acidentes foram mais letais, com 33 mortes registradas, redução de 12,1% frente as 29 deste ano.

Mas, se compararmos com 2022, ano em que foram registrados 405 sinitros na BR-163 e 20 óbitos, o ano de 2024 se mostra mais letal.

Confira o levantamento da Polícia Rodoviária Federal (PRF) referente à primeira metade dos últimos quatro anos:

ANO SINISTROS ÓBITOS
2024 400 29
2023 330 33
2022 405 20
2021 366 30
2020 328 20

Rodovia da morte

Números compilados de 2018 mostram que no Mato Grosso do Sul e na Região Centro-Oeste, a BR-163 ainda mantinha o título de "rodovia que mais mata", sendo que a privatização de 2013 buscava tirar o título macabro do trecho. 

Cerca de dois anos após a privatização, os números de 2015, de fato, apontavam para uma queda de mais de 50% nas mortes, com a PRF indicando que os 64 óbitos de 2014 haviam caído para apenas 30 em 2015.

Acontece que os números voltaram a subir, e as melhorias na via estão paradas há sete anos, já que a CCR MSVia, não cumpriu com o contrato, que previa a duplicação de todos os 845 km da BR-163, de Mundo Novo, na divisa com o Paraná, a Sonora, na divisa com o Mato Grosso. Desde o início da concessão, há dez anos, foram duplicados apenas cerca de 155 km.

O prazo para a duplicação completa terminaria em 2024, mas a concessionária fez apenas a duplicação necessária para iniciar a cobrança de pedágio, nos três primeiros anos.

A rodovia não recebe investimentos desde 2017, quando a empresa solicitou o reequilíbrio do contrato. A CCR chegou a dizer em 2019 que não tinha interesse em permanecer com a rodovia e até cobrou a devolução de ativos da União, no valor de R$ 1,4 bilhão.

Desde então, o Governo Federal vem prorrogando o contrato com a CCR MSVia para a administração da BR-163.

Em 2023, foram realizadas audiências públicas em Brasília e em Mato Grosso do Sul para debater o futuro da rodovia federal que corta o estado. Em julho, uma decisão do Tribunal de Contas da União (TCU) autorizou a assinatura do acordo consensual entre o Governo e a CCR MSVia.

Dois meses depois, a União e o Estado fizeram uma proposta para que a CCR MSVia continuasse com a concessão, apresentando regras para assinatura do novo contrato, como a manutenção do pedágio, a duplicação de mais 68 km de rodovia e a implantação de 63 km de faixa adicional, 8 km de marginais e 9 km de contornos.

A CCR MSVia teria mais 20 anos com a BR-163, porém, com esse novo acordo, o prazo será estendido por mais 15 anos. Nos primeiros três anos contratuais, haverá investimento de boa parte do total de recursos destinados.

A empresa promete a duplicação de mais 190 km e mais 170 km de terceira faixa.

O novo contrato, que prevê R$ 12 bilhões de investimento na rodovia, deveria ter sido assinado no primeiro mês de 2024. No entanto, um impasse do Tribunal de Contas da União atrasou o processo, que ainda está parado.

Assine o Correio do Estado

Cidades

Diretrizes do novo ensino médio podem sair até dezembro

Entenda as novas mudanças

14/07/2024 10h05

GERSON OLIVEIRA

Continue Lendo...

O novo texto do ensino médio, que aguarda sanção do presidente Lula (PT), prevê que o Conselho Nacional de Educação (CNE) atualize as diretrizes curriculares do país até dezembro, apenas dois meses antes do início do ano letivo de 2025, quando a reforma deve ser implementada. Essas diretrizes definem as competências e habilidades a serem desenvolvidas na etapa final da educação básica, bem como os conteúdos que devem compor essa formação.

Preocupados com o prazo, secretários estaduais aguardam a deliberação do CNE, órgão vinculado ao Ministério da Educação (MEC). Em entrevista, o presidente do conselho, Luiz Roberto Liza Curi, garantiu a divulgação dos procedimentos antes do prazo final.

O novo modelo de ensino médio, patrocinado pelo governo Lula, exigirá, além da criação de diretrizes, ações como adaptação da carga horária e definição de itinerários formativos. A estrutura definida na reforma de 2017 será mantida, com a divisão do ensino em dois blocos: uma parte comum a todos os alunos e outra de itinerários formativos, linhas de aprofundamento a serem escolhidas pelos estudantes. Agora, haverá mais tempo de aulas para a parte comum.

Considerando uma jornada de cinco horas de aulas diárias, totalizando 3.000 horas nos três anos de formação, 80% da carga horária (2.400 horas) será destinada à parte comum, que abrange disciplinas tradicionais como português, matemática, física e história, com conteúdo vinculado à Base Nacional Comum Curricular. No caso do ensino técnico, serão 2.100 horas. O restante será direcionado para os itinerários, divididos em cinco linhas: linguagens, matemática, ciências humanas, ciências da natureza e ensino técnico e profissional.

Roni Miranda, secretário de Educação do Paraná, vê com preocupação a necessidade de implementar a reforma já no próximo ano, destacando o tamanho do estado como a principal dificuldade. "Para uma rede pequena, talvez seja mais tranquilo, mas para uma rede grande, como a nossa, São Paulo, Rio, Minas, é muito complexo", afirma. Ele explica que a implementação envolve construção de currículo, adequação de matriz curricular, formação de professores e matrícula, considerando o prazo curto. Apesar das dificuldades, Miranda comemora a aprovação do novo ensino médio, que, segundo ele, permite maior aprofundamento nas necessidades dos estudantes.

Luiz Roberto Liza Curi, presidente do CNE, afirma que não há motivo para preocupação. Os membros do conselho já tiveram uma primeira reunião e terão outras em breve. "As diretrizes serão divulgadas antes de dezembro", garante.

Secretarias de Educação de diversos estados, como Bahia, Rio de Janeiro, Sergipe, Distrito Federal e Rondônia, reforçam que as deliberações do CNE são necessárias para iniciar a implementação do novo ensino médio. A aplicação da reforma será feita de maneira escalonada: para o 1º ano em 2025, 2º em 2026 e 3º em 2027. O ministro da Educação, Camilo Santana, afirmou em nota que todas as redes terão tempo para organizar a implementação das mudanças já para o próximo ano letivo.

Entenda as Novas Mudanças no Ensino Médio

Divisão de horas de aulas: Considerando uma jornada de 5 horas diárias, totalizando 3.000 horas nos três anos do ensino médio, 80% da carga horária será vinculada à Base Nacional Comum Curricular. O restante é direcionado aos itinerários formativos.

Organização dos itinerários: A nova mudança do ensino médio mantém os cinco itinerários previstos em 2017: linguagens, matemática, ciências humanas, ciências da natureza e ensino técnico e profissional, com mudanças na carga horária.

Disciplinas obrigatórias: O texto elimina a obrigatoriedade do ensino de espanhol, incluída quando o texto passou no Senado, mas não acatada na votação final na Câmara. O inglês continua como língua estrangeira obrigatória.

Motivo das novas mudanças: Com a implementação da reforma de 2017 a partir de 2022, surgiram problemas na rede pública. Estudantes, professores e especialistas denunciaram perdas de conteúdos tradicionais na parte comum e oferta deficiente dos itinerários.

COM FOLHA PRESS

NEWSLETTER

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo.

Fique Ligado

Para evitar que a nossa resposta seja recebida como SPAM, adicione endereço de

e-mail [email protected] na lista de remetentes confiáveis do seu e-mail (whitelist).