Clique aqui e veja as últimas notícias!

NOVO CORONAVÍRUS

Saúde Mental: saiba lidar com a ansiedade em tempos de pandemia

Especialista dá dicas importantes de qualidade de vida em meio à crise
14/06/2020 13:00 - Bruna Aquino


 

Ansiedade, estresse, insônia, são um dos maiores malefícios de viver em meio a correria da rotina. No entanto, nos últimos dias, a pandemia causada pelo novo coronavírus deixou a vida de muita gente de cabeça para baixo, e assim, os malefícios que antes ainda eram considerados “leves” se tornaram doenças psicológicas graves diante da sociedade. 

E como lidar com isso tudo? especialista em saúde mental, a psicóloga Laynara Vilagra destaca ao Correio do Estado, os principais pontos importantes quando a ansiedade se torna doença e dá dicas preciosas de como vencer esse mal em plena pandemia do novo coronavírus. 

Dados apontam que o Brasil é o 16° país que mais sofre com ansiedade, segundo levantamento Tracking the Coronavirus, realizado semanalmente pela pesquisadora Ipsos com entrevistados de 16 países. 

Segundo a pesquisa, quatro em cada dez brasileiros (41%) têm sofrido de ansiedade como consequência do surto do novo coronavírus. As mulheres são as mais afetadas: enquanto 49% se declaram ansiosas, 33% dos homens estão lidando com o sintoma no momento. 

Os dados fazem parte do índice de 41% ranqueia o Brasil na primeira posição entre as nações mais ansiosas. Em segundo lugar, está o México, com 35%. Com 32%, o terceiro posto vai para a Rússia. Por outro lado, Japão (6%), Alemanha (7%) e Coreia do Sul (15%) são os menos impactados pela ansiedade a nível global, segundo os ouvidos do estudo. 

Para a psicóloga, a causa da ansiedade depende dos sentimentos e da história singular de cada pessoa. Seja pelas experiências pessoais e a maneira como é tratada, elas podem causar predisposições que determinam transtornos e doenças psicológicas. 

“Existem diversas causas que, sozinhas ou combinadas, podem vir a desencadear o transtorno de ansiedade, tais como: traumas, estresse, genética, doenças físicas e até mesmo a depressão. É comum o paciente alternar entre quadros de ansiedade e quadros de depressão, pois uma condição pode gerar a outra. Os sintomas são uma mistura de manifestações físicas, psicológicos e emocionais, como suor em excesso, falta de ar, indigestão, náusea, taquicardia, pânico, dificuldades para dormir, dores musculares, irritabilidade e tensão. Eles aparecem com maior intensidade durante uma crise”, explicou. 

No entanto, a ansiedade de vez em quando é comum em situações da vida que a pessoa precisa enfrentar algo, porém quando se torna doença, não tem idade e nem perfil, principalmente na crise em que o país vive, tanto econômica quanto na saúde pública.

“Há uma diferença entre este sentimento passageiro e o transtorno de ansiedade generalizada. O transtorno de ansiedade generalizada é uma doença psicológica caracterizada pela preocupação ou expectativa excessiva. Fantasias de eventos desastrosos antes mesmo da situação se desenrolar são comuns. Assim, a pessoa está sempre em alerta, esperando o pior. A maior diferença entre eles é que o Transtorno de Ansiedade Generalizada é crônico e, eventualmente, se torna parte da identidade da pessoa enquanto o segundo é um estado emocional”, disse Laynara.