Clique aqui e acompanhe o resultado das Eleições 2020

SAÚDE

Campo Grande está em alerta para surto de infestação de doenças transmitidas pelo Aedes Aegypti

Os bairros com os maiores índices de risco são o Iracy Coelho e Tiradentes
18/11/2020 12:16 - Gabrielle Tavares


De acordo com o último Levantamento de Infestação Rápido pelo Aedes aegypti (LIRAa), da Secretaria Municipal de Saúde (Sesau), dois bairros da Capital estão com índices de risco de infestação do Aedes Aegypti e outros 29 estão em alerta.

O índice de infestação considerado satisfatório pelo LIRAa é inferior à 1%, referente ao número de imóveis visitados que apresentaram focos do Aedes. Até 3,9% é considerado alerta e a partir de 4% é chamado de risco de infestação.

Confira as últimas notícias do Correio do Estado

Os bairros em situações mais críticas são o Iracy Coelho, com índice de infestação de 5,4%, e o Tiradentes, com 4,8%. De acordo com a prefeitura de Campo Grande, já foram iniciadas ações intensivas de combate ao mosquito nas regiões.

Outros locais que estão próximos ao índice de risco são Batistão e Coophavilla, com 2,8% e 2,9%, respectivamente.

Quanto maior a infestação e identificação de criadouros do Aedes aegypti, proporcional são os números de infectados.

Além da dengue, o mosquito também pode transmitir doenças como zika, chikungunya e febre amarela.

Para evitar a proliferação, tampe os tonéis e caixas d'água, mantenha as calhas sempre limpas, deixe garrafas sempre viradas com a boca para baixo, mantenha lixeiras bem tampadas, deixe ralos limpos e com aplicação de tela, e limpe semanalmente ou preencha pratos de vasos de plantas com areia.

Ações de combate  

Nessa semana, foi dado início às ações do “Cidade Limpa”, onde é feita uma força tarefa para eliminar os depósitos de água nas regiões onde o risco de um surto das doenças transmitidas pelo Aedes aegypti é maior.

O mutirão está hoje na região do bairro Iracy Coelho, onde ficará por sete dias, e a partir da semana que vem, percorrerá o bairro Tiradentes.

Está previsto também, para iniciar a partir do mês que vem, as ações do “Mosquito Zero”, que teve sua primeira etapa entre fevereiro e abril e foi eficaz para redução dos números de notificações de dengue durante o ano inteiro.

 
 

Felpuda


Embora tenha manifestação de que não haverá mudanças na administração municipal que se iniciará dia 1º de janeiro, o que se ouve por aí é que a realidade não seria bem assim.

Alguns setores deverão passar por alterações, como forma de se azeitar engrenagens que estariam deixando a desejar. 

O Diário Oficial, a partir daquela data, deverá ser a publicação mais lida a cada manhã.