Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

TURISMO

Custo do Aquário do Pantanal triplicou nos últimos três anos

Governo previa gastar R$ 84,7 milhões, mas obra já consumiu R$ 244,6 milhões.
16/12/2014 00:00 - DA REDAÇÃO


 

Do valor inicial previsto para ser investido na obra do Aquário do Pantanal, que era de exatos R$ 84.749.754,23, o valor final identificado via análise das publicações em Diário Oficial, é três vezes maior. O governo Estado fala em gastos em torno de R$ 124 milhões, mas desde 2009, quando as primeiras licitações começaram a ser publicadas, várias suplementações foram feitas, que somadas, alcanças marca de R$ 120.337.637,37. O custo total chega a E# 244,6 milhões.

Somados o valor indicado pelo Estado, mais as suplementações, alcança-se o total de R$ 244.649.560,09 investidos, sendo que os dois maiores valores de suplementações foram publicados na edição de ontem do Diário Oficial do Estado, sendo de R$ 8.330.127,37 e de R$ 4.600.000,00, totalizando R$ 12.930.127,37. Não é informado de onde esses recursos foram tirados para então, serem aplicados no empreendimento. 

Conforme o governador André Puccinelli, mesmo sem ser entregue, todo recurso necessário para a finalização das obras estará no caixa do governo do Estado para o governador eleito Reinaldo Azambuja. Não é informado, no entanto, o valor. Pessoas envolvidas no projeto de operação do empreendimento também confirmam que todo recurso já está empenhado, sem gastos extras para o próximo governador.

A reportagem de Aliny Mary Dias e Lúcia Morel está na edição de hoje do jornal Correio do Estado.

Felpuda


A lista do Tribunal de Contas de MS, com nomes de gestores que tiveram reprovados os balanços financeiros de quando exerceram cargos públicos, está deixando muitos candidatos de cabeça quente.  Conforme previsto pelo Diálogo, adversários estão se utilizando de tais dados para cobrar, principalmente nas redes sociais, deixando alguns gestores na maior saia justa e tendo que se explicar. O eleitor, por enquanto, só observa. E dê-lhe!