Clique aqui e acompanhe o resultado das Eleições 2020

USO GERAL

Polícia disponibiliza ferramenta gratuita para consultar vazamento de dados

Sistema aponta número de vazamentos, sites e datas em que eles ocorreram
02/11/2020 17:59 - Glaucea Vaccari


Devido ao aumento nas ocorrências de vazamento de dados no meio digital, a Polícia Civil de Mato Grosso do sul disponibilizou uma ferramenta gratuita que permite consultar possível vazamento de senhas.

Conforme a PC, são considerados vazamentos a publicação de dados pessoais obtidos ilegalmente por um invasor e que, muitas vezes, são negociados na “darknet”.

Este tipo de crime costuma ser descoberto, em média, após dois anos.

Por conta disso, delegado titular da Delegacia Virtual, Juliano Toledo, disponibilizou para uso geral a ferramenta que permite consultar se a pessoa já teve dado vazados.  

No site do delegado, basta digitar o e-mail e clicar em pesquisar para que o sistema consulte várias fontes de vazamentos.  

A ferramenta também consulta bases de dados dedicadas especificamente para reunir informações sobre vazamento de dados sensíveis.

O sistema aponta a quantidade de vazamentos, sites e datas em que eles ocorreram. A detecção significa que pessoas mal-intencionadas pode ter acesso a senha utilizada para acessar o e-mail informado e utilizá-la para tentar acesso a outros serviços que tenham a mesma senha.  

Especialistas em segurança da informação aconselham a alteração mensal das senhas acesso para evitar esse tipo de crime, além da criação de uma senha diferente para cadas serviço, utilizando letras maiúsculas, minúsculas, caracteres especiais e números.

Um dos maiores vazamentos de dados já conhecido ocorreu entre os anos de 2013 e 2014, quando um invasor obteve acesso a três bilhões de contas de usuários dos serviços da empresa Yahoo, que atingiu dados de identificação pessoal, de cartão de crédito e senhas de acesso.

 
 

Felpuda


Comentários ouvidos pela “rádio peão”, em ondas curtas, são de que figurinha só ganharia apoio dos colegas caso pessoa agregada fosse “curtir a aposentadoria” de uma vez por todas. Como seu acordo político acabou naufragando nesta campanha, agora dito-cujo estaria querendo recuar e não ceder o lugar. 

Isso até poderia acontecer, se não fosse a sua, digamos, eminência parda. Afe!