Cidades

Cidades

Gratidão

Gratidão

Redação

29/01/2010 - 09h25
Continue lendo...

Deputados da base aliada do Governo não pouparam críticas à decisão do prefeito de Campo Grande, Nelsinho Trad (PMDB), de manifestar sua preferência pela provável candidata petista à Presidência da República, Dilma Rousseff. Eles argumentam que o prefeito deveria ter aguardado a definição do governador para declarar sua preferência pelo candidato ao Planalto. E não ficaram somente nas críticas. Ameaçam, inclusive, privá-lo de um possível apoio caso venha a disputar o Governo do Estado, por exemplo. Eles entendem que o prefeito, assim como eles, deve ficar submisso aos interesses do governador. Fidelidade e coerência política é, realmente, uma característica importante em qualquer homem público. Porém, será que é mais importante que o homem público seja fiel, ou submisso, ao seu grupo político ou à população? O prefeito Nelsinho Trad, ao descer do muro a respeito do candidado à Presidência, certamente levou em consideração o que seria melhor para a população da cidade que administra. Seu argumento principal foi o de que não poderia ser ingrato com quem o ajudou e ainda deverá ajudar muito nos quase três anos que lhe restam à frente da Prefeitura de Campo Grande. Quer dizer, entre os políticos e aquilo que provavelmente é melhor para os campograndenses, o prefeito preferiu submeter-se aos eleitores da cidade onde nasceu. Gratidão, como ele próprio definiu sua opção, tem sido uma das virtudes nestes cinco anos à frente da administração. E, em nome desta, não é a primeira vez que desaponta interesses daqueles que se consideram caciques. O dinheiro repassado pela União é público e não pertence ao presidente ou à pré-candidata, argumentam seus críticos. Disto não restam dúvidas. Porém, ao longo dos últimos anos, o governador André só lhe repassou "abacaxis". Enquanto isso, Lula descascou vários deles. Talvez seja por conta disso que agora fez questão de se mostrar grato. Além disso, ao declarar-se "petista" na eleição presidencial e "andresista" na estadual, deixou clara, pela primeira vez, sua independência com relação ao grupo político ao lado do qual fez sua trajetória nestes últimos anos. E evidenciou que não se trata de rompimento ou qualquer coisa neste sentido. Somente mostrou que tem liderança suficiente, ou status, para definir o norte próprio e o do partido no Estado, até porque conta hoje com popularidade maior que a de todos os seus críticos juntos, os quais certamente falaram em nome do governador. Deputados que o reprovaram estão convencidos de que Nelsinho é um "simples" subalterno do "chefe André". Se algum dia este foi o caso, o próprio André já deixou claro, nas entrelinhas, que nem ele mais tem esta convicção. No dia em que afirmou que gostaria de ter Nelsinho e Simone Tebet, prefeita de Três Lagoas, como candidatos do PMDB ao Senado, assumiu a perda de prestígio pessoal e também que estava carecendo do socorro dos dois prefeitos para tentar salvar sua reeleição, já que o petista José Orcírio insiste em não se retirar da disputa. E, a partir do momento em que Trad anunciou apoio a Dilma Rousseff, o poder de convencimento de André em Brasília sofreu sério abalo. Se até o começo desta semana o governador havia determinado poder de barganha, agora ele caiu quase pela metade.

Cotidiano

Fundo Amazônia recebe R$ 120 milhões em doação da União Europeia

Iniciativa contabiliza R$ 3,9 bilhões para conservação da floresta amazônica

22/07/2024 22h00

Bandeira da União Europeia

Bandeira da União Europeia ONU/ Rick Majomas

Continue Lendo...

A União Europeia anunciou nesta segunda-feira (22) uma contribuição de 20 milhões de euros (cerca de R$ 120 milhões) para o Fundo Amazônia. Agora, a iniciativa contabiliza R$ 3,9 bilhões, que serão doados a projetos que visam a conservação da floresta amazônica.
Além do bloco europeu, o fundo tem o apoio de Noruega, Alemanha, Suíça, Estados Unidos, Reino Unido, Japão e Petrobras.

A doação foi celebrada durante o 4° Fórum União Europeia - Brasil, no Rio de Janeiro. No evento, foram debatidas políticas econômicas para a chamada transição verde. Assinaram o acordo a comissária europeia para parcerias internacionais, Jutta Urpilainen, e o presidente do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social), Aloizio Mercadante.

"No ano passado, liberamos R$ 1,3 bilhão, o maior desembolso da história do Fundo Amazônia, e hoje temos R$ 3,9 bilhões em caixa para liberar. Vão ter drones, helicópteros, navios, lanchas blindadas para combater o crime organizado da Amazônia, que está por trás de boa parte do desmatamento e do garimpo ilegal", disse Mercadante.

Parte dos recursos também será destinada às comunidades indígenas, ribeirinhas e quilombolas, para incentivar a participação na proteção da floresta.
"Esses recursos vão beneficiar 29 milhões de pessoas que vivem na Amazônia, mas sempre [em iniciativas] ligadas ao combate ao desmatamento", afirmou Mercadante.
De acordo com Urpilaine, da UE, o anúncio desta segunda é apenas o início do aprofundamento da parceria as regiões.

"Brasil e UE são parceiros com ideias semelhantes. Unimos esforços para enfrentar desafios globais como desigualdade, pobreza, mudanças climáticas e perda de biodiversidade, e apoiamos os direitos humanos e a democracia", disse Urpilainen.

Segundo o Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais), os alertas de desmatamento no primeiro semestre deste ano chegaram ao menor patamar desde 2017 para a amazônia.
"Quanto mais a gente reduz o desmatamento, mais [subsídios] a gente recebe", disse Mercadante. As doações para o fundo acontecem quando há queda nas taxas de desmatamento, com base nos dados do Inpe.

O presidente do BNDES anunciou também que o banco de desenvolvimento brasileiro está prestes a receber um crédito de 300 milhões de euros do BEI (Banco Europeu de Investimento), que irá ao Senado para aprovação final.

Segundo Mercadante, o contrato entre bancos não inclui contrapartidas. O BNDES, disse, pretende usá-lo para o financiamento da indústria, transição energética, descarbonização da economia e energia limpa. "Nós temos bastante flexibilidade com esse recurso", afirmou o presidente do banco público.

Durante o fórum, Mercadante defendeu ainda a construção de um segundo fundo multilateral, via bancos de desenvolvimento, para desastres climáticos, citando as chuvas no Rio Grande do Sul.

 

*Informações da Folhapress 

Alerta

MS lidera o índice de violência contra indígenas no país

Segundo o Relatório de Violência Contra os Povos Indígenas no Brasil, o Estado está entre os que mais cometem violações contra os povos indígenas

22/07/2024 17h20

Divulgação Redes Sociais

Continue Lendo...

O relatório de Violência Contra os Povos Indígenas no Brasil, divulgado nesta segunda-feira (22), apontou que Mato Grosso do Sul é o estado com maior índice de violência contra a pessoa indígena (93) do Brasil.

As estatísticas apresentadas no relatório são referentes ao ano de 2023; o levantamento foi divulgado pelo Conselho Indigenista Missionário (CIMI). O levantamento apresenta seis categorias dentre elas Mato Grosso do Sul figura com dados negativos em três sendo elas:

  • Violência contra do patrimônio;
  • Violência contra a pessoa;
  • Assassinatos.

Em se tratando de assassinatos, o Estado segue na segunda posição entre os que mais matam indígenas, ficando atrás apenas de Roraima (RR).

Mantendo a linha preocupante do relatório do ano anterior, em 2023, o Estado segue na segunda posição entre os que mais matam indígenas, ficando atrás apenas de Roraima (RR).

Assassinatos de indígenas

  • Roraima com 47
  • Mato Grosso do Sul com 43
  • Amazonas com 36
Relatório CIMI

"A violência contra a pessoa se mantém não só elevada como dentro de um gráfico mais amplo que é um processo que a ONU e outras organizações vem alertando e alarmando que se trata de um processo estrutural de extermínio por conta da situação dos conflitos", explicou o coordenador do Conselho Indigenista Missionário, Matias Benno Rempel.

Relatório CIMI

 

Outro dado alarmamente coloca o Estado como segundo em incidência de violência contra o patrimônio (190), em segundo lugar está Roraima (71), e Amazonas (58).

Com relação ao informe do relatório que englobou números de casos de violência contra o patrimônio, em todo país, demonstrou que ocorreram 1.276 casos tendo sido divididas em três categorias:

  • Omissão e morosidade na regularização de terras, na qual foram registrados 850 casos;
  • Conflitos relativos a direitos territoriais, que teve 150 registros;
  • Invasões possessórias, exploração ilegal de recursos naturais e danos diversos ao patrimônio, com 276 casos.

Ainda, segundo o levantamento os conflitos territorias e invasões de terras indígenas embora tenham tido uma pequena diminuição, os níves são considerados elevados. 

Em conversa com o Correio do Estado, o Coordenação do Conselho Indigenista Missionário, Matias Benno Rempel, alertou que caso seja feito um recorte estrutural do ano de 2012 até 2023, o Estado figuraria como os que mais cometem assassinatos contra povos originários.

Tensão crescente

Diante do cenário de tensão que registrou novas ocorrências durante o final de semana, mesmo com o apoio da Força Nacional, Matias Benno, destacou que o cenário conflituoso é antigo na região. 

"Douradina que acontece nesse momento um processo de conflito, é um território que desde 2011, sofre invasões territoriais ininterruptas. Com queima de casas de reza, destruição de relíquias religiosas, de casas, perseguição de membros da comunidade, destruição de hortas. São comunidades que têm essa categoria da destruição patrimonial como uma constante. Eles estão sempre reconstruindo suas vidas", apontou Rempel

Assine o Correio do Estado

 

 

NEWSLETTER

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo.

Fique Ligado

Para evitar que a nossa resposta seja recebida como SPAM, adicione endereço de

e-mail [email protected] na lista de remetentes confiáveis do seu e-mail (whitelist).