Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

PROTESTO

Protesto de dívidas em cartórios não terá custo para credor

Protesto de dívidas em cartórios não terá custo para credor
26/09/2019 09:35 - IZABELA JORNADA E ADRIEL MATTOS


 

Empresários de Mato Grosso do Sul passarão a não gastar ao protestar uma dívida em cartório. Com o projeto de alterações das tabelas de emolumentos, o credor não paga mais pelo protesto, apenas o devedor. Assim, o cartório, que é o intermediário entre as duas partes, não receberá no ato do registro de protesto, como ocorre hoje, os cartórios passarão a receber apenas no momento em que o devedor retirar o protesto de cartório. 

 “No modelo atual, o empresário paga as custas do protesto. Se o devedor pagar, também se cobra novamente as custas. Essas custas recebidas eu devolvo ao empresário junto da dívida”, explicou o presidente da secção Mato Grosso do Sul do Instituto de Estudos de Protesto de Títulos do Brasil (IEPTB-MS), Leandro Corrêa. No caso de o devedor não pagar a dívida no ato da cobrança, o cartório fica com as custas pagas pelo credor. Pela proposta, o credor ainda arca com as custas, e apenas o cartório não recebe nada no processo. “Nessa relação entre o comerciante, devedor e cartório, quem perde é o cartório, que trabalha de graça nesses casos, assumindo o risco da inadimplência”, declarou Corrêa.

O Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul (TJMS) está revisando o valor das taxas cartorárias. Enquanto as escrituras com valores declarados de imóveis serão baixadas, outros serviços serão reajustados e terão aumentos de até 24%. De acordo com o juiz auxiliar da corregedoria geral do Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul, Renato Liberali, a proposta está prevista para ser entregue na Assembleia Legislativa na segunda quinzena de outubro.

Como o texto ainda não está finalizado, a previsão é de que as mudanças propostas anteriormente pelo TJMS, em 2018, sejam mantidas. Entre elas está a lavratura ou aprovação de testamento que passaria a custar R$ 735 – aumento de 24% em relação aos R$ 592 cobrados atualmente. O processo para habilitação do casamento poderá ter reajuste de 15%, passando R$ 290 para R$ 332.

Levantamento dos atos cartorários entre 2016 e 2018 apontou os problemas da tabela atual e como uma nova se comportará. “É um trabalho inédito quanto à tabela de emolumentos e que servirá para projetos futuros. Os cartórios precisam ser viáveis financeiramente”, disse o juiz.

 

*Matéria editada às 12h26 para alterações de informações

Felpuda


A parceria que até então era cantada em prosa e verso, com direito à divulgação de fotos em momentos de muita alegria, dá sinais de que realmente está se esgotando. O tal parceiro quase não mais aparece nos meios de divulgação, e até criticas, digamos, “meio de leve” vêm sendo feitas. Dizem que está o “maior climão”.Mas pelo sim, pelo não, resta esperar para ver onde é que essa parceria chegará. Sei não...