Economia

RANKING

MS ocupa o 4º lugar no índice
de conectados à internet

Vendas online no Estado também é alta

IZABELA JORNADA, COM ASSESSORIA

26/03/2018 - 14h36
Continue lendo...

Mato Grosso do Sul aparece em 4ª lugar no índice da população acima de 10 anos conectada à internet, chegando a 71,3%. O Estado também se destaca nas taxa de conversão de vendas online. As informações são de levantamento “E-commerce Radar”, feito pela Atlas.

Ainda de acordo com o estudo, Mato Grosso do Sul é o 3º estado com maior taxa de conversão de vendas online (1,5%), somente atrás do Rio de Janeiro (1,6%), e Santa Catarina (1,7%). Outro ponto a ser destacado é a média nacional de conversão de vendas na internet: 1,4%. 

Mesmo com o cenário econômico pouco favorável no Brasil, o setor de vendas online cresceu 12% em 2017 (Atlas), apontando que mesmo em clima de recessão econômica, o brasileiro ainda está consumindo, e cada vez mais online, fato que pode estar ligado ao grande número de internautas no país, aproximadamente 116 milhões, ou 64% da população acima de 10 anos, segundo o relatório mais recente divulgado pelo IBGE. 

A pesquisa intitulada “Logística do E-commerce Brasileiro 2017”, realizada pela ABComm (associação brasileira do comércio eletrônico), afirma que a logística é o principal fator de sucesso em uma loja virtual, e para 75,8% dos entrevistados o principal motivo para oferecer a entrega grátis é aumento que gera na taxa de vendas, seguido pelo fato de aumentar o tíquete médio (42,2%).

PROBLEMA NA ENTREGA

Levantamento também apontou que Mato Grosso do Sul é o 9º estado com maior índice de problemas com o serviço de entrega dos Correios. Os estados vencedores no ranking de insatisfação com os serviços são Rio de Janeiro, em 1º lugar; Bahia, em 2º lugar; Pernambuco, em 3º lugar; e Amazonas, em 4º. 

De acordo com o relatório E-commerce Radar, feito pela Atlas, a porcentagem média de vendas com entrega grátis é 30%. A categoria casa é a destaque em maior porcentagem de pedidos com frete grátis (57,4%), seguido por brinquedos (56%) e calçados (52,2%).

Por outro lado, as que possuem o maior preço de entrega sobre as vendas são: livraria (16,8%) e farmácia (15,7%). Consequentemente, o índice de abandono de carrinho nestas duas categorias são as mais altas, 88% para livraria e 88% em farmácia. Sinal que ainda há muitos pontos a serem melhorados no preço da logística ao consumidor final.

Os eletrônicos, apesar do índice relativamente baixo de entrega grátis nas vendas (14,1%), destacam-se no relatório por terem o menor índice de abandono no carrinho de compras (69%), além da porcentagem do valor da entrega ser de aproximadamente 10%. A Atlas aponta que, geralmente, a porcentagem do frete cobrado em cima das vendas é de aproximadamente 10,6%.

A pesquisa, com gráficos interativos, podem ser visualizados a partir deste link.

*Editada às 15h37, de 27/03, para atualização de informações.

Economia

Potência de usinas solares iguala capacidade da hidrelétrica de Itaipu

Em 2023, Brasil tornou-se terceiro mercado de energia fotovoltaica

23/06/2024 19h00

Marcelo Victor / Correio do Estado

Continue Lendo...

As usinas solares de maior porte no país ultrapassaram em junho a marca de 14 gigawatts (GW) de potência operacional, informou esta semana a Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (Absolar). A potência iguala a capacidade instalada de Itaipu, a segunda maior usina hidrelétrica do planeta.

Atualmente, todas as unidades da federação têm usinas solares de grande porte. Na divisão por regiões, o Nordeste ocupa a liderança, com 59,8% de potência instalada. Em seguida, vêm o Sudeste, com 39,1%, e o Sul, com 0,5%. Completam a lista o Norte e o Centro-Oeste, com 0,3% cada.

Segundo a Absolar, mesmo com a dependência da luz solar, é plenamente possível aumentar significativamente a participação das fontes renováveis na matriz elétrica brasileira. A ampliação, alega a entidade, pode assegurar a confiabilidade, a segurança e a estabilidade do sistema elétrico do país, mantendo o equilíbrio técnico e econômico dos contratos de todos os produtores de energia.

Variação de ventos

Um estudo realizado de 2019 a 2021 pelo Ministério de Minas e Energia, pela Empresa de Pesquisa Energética (EPE), pelo Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) e a GIZ, entidade de cooperação internacional do governo alemão, constatou sinergia entre as matrizes de energia renovável no Brasil.

Quando há variações nos ventos e no Sol, as hidrelétricas garantem o equilíbrio do sistema, não as termelétricas fósseis. Atualmente, o estudo está na terceira fase.

Ao considerar as unidades de produção de energia solar de todos os portes, da produção doméstica às usinas grandes, o Brasil alcançou, em 2023, 15,7 gigawatts de potência máxima de energia fotovoltaica.

Com 4% do mercado global, o país firmou-se como a terceiro maior produtor de energia solar, atrás apenas da China e dos Estados Unidos.

Placas para geração de energia solar têm utilização crescente no Brasil - foto - Soninha Vill/GIZ

A conclusão consta do relatório Perspectiva Global para a Potência Solar 2024-2028, elaborado pela organização SolarPower Europe e divulgado na Alemanha.

Tanto no levantamento da Absolar como no relatório europeu, a metodologia considera a potência máxima de produção, nos cenários de maior insolação, não a potência nominal instalada,

Segundo a Absolar, desde 2012, o setor foi responsável por R$ 60,7 bilhões em investimentos e gerou mais de 424 mil empregos verdes. No mesmo período, a produção de energia solar proporcionou R$ 20 bilhões em arrecadação aos cofres públicos.

ECONOMIA

Julho marca abertura da portabilidade do saldo devedor do cartão de crédito

A resolução é a mesma que, desde janeiro, limitou os juros do rotativo do cartão de crédito a 100% da dívida

23/06/2024 10h30

Resolução do Conselho Monetário Nacional (CMN) busca diminuir endividamento e melhorar capacidade do consumidor se planejar.

Resolução do Conselho Monetário Nacional (CMN) busca diminuir endividamento e melhorar capacidade do consumidor se planejar. Arquivo/ Correio do Estado

Continue Lendo...

A partir de 1º de julho, os donos de cartão de crédito poderão transferir o saldo devedor da fatura para uma instituição financeira que oferecer melhores condições de renegociação.

É que entrará em vigor uma resolução do Conselho Monetário Nacional (CMN) - aprovada em dezembro do ano passado - que busca diminuir o endividamento e melhorar a capacidade de o consumidor se planejar.

A resolução é a mesma que, desde janeiro, limitou os juros do rotativo do cartão de crédito a 100% da dívida.

Não estava prevista na lei do programa Desenrola a portabilidade do saldo devedor da fatura que foi aprovada na última reunião do CMN do ano passado.

Operação de crédito

A medida também vale para os demais instrumentos de pagamento pós-pagos, modalidades nas quais os recursos são depositados para pagamento de débitos já assumidos.

A proposta da instituição financeira deve ser realizada por meio de uma operação de crédito consolidada (que reestruture a dívida acumulada). Além disso, a portabilidade terá de ser feita de forma gratuita.

Caso a instituição credora original faça uma contraproposta ao devedor, a operação de crédito consolidada deverá ter o mesmo prazo do refinanciamento da instituição proponente.

Segundo o Banco Central (BC), a igualdade de prazos permitirá a comparação dos custos.

Transparência

O CMN também aumentou a transparência nas faturas do cartão de crédito. Também a partir de 1º de julho, as faturas deverão trazer uma área de destaque, com as informações essenciais, como valor total da fatura, data de vencimento da fatura do período vigente e limite total de crédito.

As faturas também deverão ter uma área em que sejam oferecidas opções de pagamento.

Nessa área deverão estar especificadas apenas as seguintes informações:

  • Valor do pagamento mínimo obrigatório;
  • Valor dos encargos a serem cobrados no período seguinte no caso de pagamento mínimo;
  • Opções de financiamento do saldo devedor da fatura, apresentadas na ordem do menor para o maior valor total a pagar;
  • Taxas efetivas de juros mensal e anual; e
  • Custo Efetivo Total (CET) das operações de crédito.

O CMN também obrigou as instituições financeiras a enviar ao titular do cartão a data de vencimento da fatura por e-mail ou mensagem em algum canal de atendimento. O aviso terá de ser remetido com pelo menos dois dias de antecedência.

Por fim, as faturas terão uma área com informações complementares. Nesse campo, devem estar informações como:

  • Lançamentos na conta de pagamento;
  • Identificação das operações de crédito contratadas;
  • Juros e encargos cobrados no período vigente;
  • Valor total de juros e encargos financeiros cobrados referentes às operações de crédito contratadas;
  • Identificação das tarifas cobradas; e
  • Limites individuais para cada tipo de operação, entre outros dados.

Assine o Correio do Estado 

NEWSLETTER

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo.

Fique Ligado

Para evitar que a nossa resposta seja recebida como SPAM, adicione endereço de

e-mail [email protected] na lista de remetentes confiáveis do seu e-mail (whitelist).