Cidades

consequências

A+ A-

Chuva espanta turistas e gera prejuízos milionários em Bonito

Com um volume de 495 mm registrado apenas no mês de fevereiro, o município ontem decretou situação de emergência; 15 atrativos permanecem fechados

Continue lendo...

Principal referência de ecoturismo no Estado, Bonito acumula prejuízos milionários. As recorrentes chuvas desde o dia 24 de fevereiro inviabilizaram passeios já contratados em diversas atrações da cidade. 

Ao Correio do Estado, o prefeito do município, Josmail Rodrigues (PSB), explicou que pelo menos 15 atrativos turísticos estão fechados por tempo indeterminado. Para conter os danos que o temporal causou, a cidade decretou situação de emergência na tarde de ontem. 

“Um levantamento preliminar aponta prejuízos de pelo menos R$ 350 mil em deques e passarelas no passeio do Parque das Cachoeiras. Outros empresários tiveram prejuízos acima de R$ 1 milhão, e com isso estou citando o prejuízo de apenas um passeio”, relatou Josmail.

Para se ter uma ideia do impacto das chuvas no principal destino turístico do Estado, levantamento do Centro de Monitoramento do Tempo e do Clima de MS (Cemtec) aponta que eram esperados 189,5 mm de chuva em janeiro e 140 mm em fevereiro, no entanto, o município registrou 234,5 mm de precipitação em janeiro e 495 mm em fevereiro deste ano. 

Em apenas seis horas, as chuvas do dia 24 de fevereiro resultaram em volume de 173 mm na área urbana e deaté 180 mm em alguns pontos da área rural.

Rodrigues explicou ainda que o levantamento total dos prejuízos no setor turístico estão sendo elaborados pela Associação dos Atrativos Turísticos de Bonito e Região (Atratur). Após a finalização, o documento será enviado para o governo de Mato Grosso do Sul. 

“O prejuízo é grande, e agora mesmo [ontem] está chovendo em Bonito, a previsão indica que entre quinta e sexta-feira teremos um acumulado entre 56 mm e 100 mm. Caso isso se concretize, teremos novos alagamentos”, disse o prefeito.

De acordo com os dados do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), há previsão de chuvas intensas em Bonito pelo menos até segunda-feira. 

IMPACTO

O Balneário Municipal de Bonito segue fechado para visitação, bem como os demais atrativos do Rio Formoso e boa parte dos que são banhados pelo Rio Mimoso. A régua instalada no município mostra que o Rio Formoso ainda está mais de 20 cm acima do nível normal.

Segundo a Secretaria de Turismo, Indústria e Comércio de Bonito, o nível normal do rio no local onde a régua está instalada é de 120 cm a 125 cm, mas até a manhã de ontem seguia em 148 cm. Para que o atrativo seja aberto, o nível deve ser de no máximo 130 cm.

“No mês de fevereiro, o balneário municipal esteve fechado 18 dos 28 dias do mês. Eu calculo que, se o tempo melhorar, em torno de 10 dias Bonito volta a operar normalmente. Mas estamos com uma média de 15 passeios interditados dos 36”, salientou o prefeito.

Com as chuvas acima do esperado, houve aumento do nível de diversos rios, especialmente os rios Miranda, Formoso, Mimoso e Anhumas e os córregos Restinga, Bonito e Saladeiro. 

OCORRÊNCIAS

O Corpo de Bombeiros registrou, no dia 24 de fevereiro, seis ocorrências de alagamento e, no dia 25, mais cinco ocorrências na área urbana do município e na ponte do Córrego Anhumas, a cerca de 15 km da cidade.

A Guarda Municipal e a Secretaria de Assistência Social atenderam outras três ocorrências de alagamento em residências no dia 24 do mês passado. 

Na área rural, a chuva provocou erosão em estradas vicinais, formação de dolinas, carreamento de sedimentos e assoreamento em diversos rios, o que resultou em danos nas pontes e interdições temporárias de estradas vicinais.

PASSEIOS COMPRADOS

O prefeito de Bonito esclareceu que os passeios já comprados pelos turistas poderão ser reagendados para outro dia ou serem ressarcidos, caso seja a opção dos visitantes. 

Os turistas podem entrar em contato com as agências para que sejam disponibilizadas as opções de reagendamento ou estorno.

Em entrevista ao Correio do Estado no início desta semana, a secretária de Turismo de Bonito, Juliane Ferreira Salvadori, explicou que vários atrativos do município funcionam também no período de chuva, como grutas, flutuações e passeios de aventura. 

“É algo que acontece há muitos anos já [as fortes chuvas], principalmente em época de verão, quando chove muito. Então, os passeios estão bem-adaptados e lidam bem com essa situação”, pontuou. 

Ainda que as fortes chuvas tenham deixado alguns rios turvos, a representante da empresa Ecotur, Bella Schwind, afirmou que, sempre que possível, os passeios são adaptados em função das precipitações. 

“Algumas atividades realizadas em nascentes [continuam funcionando], independentemente de clima, temperatura ou chuva, as águas permanecem cristalinas. Atividades que antes eram feitas em 2 km, o pessoal está fazendo em 800 m, pegando área mais cristalina do rio, e o restante fazem por trilha. Passeios de caverna não são afetados, pois são contemplativos”, disse Bella sobre as adaptações necessárias. (Colaborou Leo Ribeiro)

Saiba: Entre os atrativos que continuam abertos em Bonito estão as grutas do Lago Azul, São Miguel e Catedral. Também é possível visitar o abismo Anhumas, o Recanto do Peão, o Bio Park e o Buraco das Araras. O Balneário Praia da Figueira também permanece aberto. 

Assine o Correio do Estado

Encontro Internacional

Conservação no Pantanal vira pauta mundial durante encontro de exploradores em Nova Iorque

Presidente do IHP, Ângelo Rabelo, foi indicado junto com outros brasileiros para tratar temas nacionais nos Estados Unidos

23/04/2024 18h25

A entidade existe há 120 anos e reúne mais de 3,6 mil pessoas de referência global que desempenharam ou realizam ações para transformar positivamente o mundo Divulgação IHP

Continue Lendo...

O grupo The Explorers Club, que reúne autoridades e pessoas com reconhecimento global que desempenham medidas que envolvem promoção da ciência e da conservação, discutiu em um de seus encontros a situação do Pantanal. O presidente do IHP, sediado em Corumbá (MS), Ângelo Rabelo, participou das reuniões realizadas em Nova Iorque, durante o encontro anual do clube. Ele apontou que é preciso haver atenção mundial com relação à conservação do Pantanal e da riqueza cultural do território.

A entidade existe há 120 anos e reúne mais de 3,6 mil pessoas de referência global que desempenharam ou realizam ações para transformar positivamente o mundo. Os encontros ocorreram entre sexta-feira (19) e domingo (21). Foram realizados diversos encontros e reuniões entre os participantes do clube, bem como ocorreram discussões sobre temas globais a serem trabalhados para promoção da conservação do Planeta.

 

Ângelo Rabelo, que atua em ações de conservação no Pantanal há cerca de 40 anos, pontuou que há diferentes esforços em andamento para prevenir incêndios florestais e promover desenvolvimento sustentável. Na semana passada, os governos de Mato Grosso do Sul e Mato Grosso, junto com o governo federal, assinaram termo de cooperação visando a união de esforços na defesa, proteção e desenvolvimento sustentável do Pantanal. Além disso, um fundo foi criado para financiar ações que ajudam a proteger o bioma, porém até hoje somente o governo de MS fez aporte de recursos (R$ 40 milhões) e o setor pública busca outras linhas de subsídio para essas ações. A promoção do Pantanal para o exterior pode contribuir nesse propósito, como já ocorre com a Amazônia, por exemplo.

“A maior área úmida do mundo, o Pantanal, está no mapa sobre as grandes explorações e os relatos que indicam locais que são desafiadores no Planeta. Por esse caminho cheio de desafios temos, primeiro, os povos originários que ainda habitam o território, como é o caso dos Guatós. Depois vieram as pantaneiras e os pantaneiros, que também seguem no Pantanal sabendo lidar com a ocupação e a conservação. Depois, temos os registros de outros esforços de pessoas que também se dedicam pela conservação desse Patrimônio Natural da Humanidade”, comentou Rabelo.

O bioma Pantanal é considerado uma das maiores extensões úmidas contínuas do Planeta e apesar de ser o menor em extensão territorial no Brasil, abriga 263 espécies de peixes, 41 espécies de anfíbios, 113 espécies de répteis, 463 espécies de aves e 132 espécies de mamíferos, conforme dados do Ministério do Meio Ambiente. Além disso, o Programa de Monitoramento dos Biomas Brasileiros por Satélite – PMDBBS, realizado com imagens de satélite de 2009, mostrou que o Pantanal mantêm 83,07% de sua cobertura vegetal nativa. Mais de 90% do bioma está em propriedades privadas, enquanto 4,6% estão classificadas como unidades de conservação, dos quais 2,9% correspondem a UCs de proteção integral e 1,7% a UCs de uso sustentável.

A participação de Rabelo na reunião do The Explorers Club ocorreu porque ele foi nomeado, neste ano, como uma das 50 pessoas a fazer a diferença no Planeta. A escolha foi feita por integrantes do The Explorers Club e o presidente do IHP entrou na lista do EC50 2024. Concorreu com mais de 200 pessoas indicadas. Seus apoiadores na nomeação foram Dereck Joubert e Beverly Joubert, exploradores que atuam diretamente pela conservação da vida selvagem e desenvolvimento sustentável em países africanos. O casal convidou, neste mês, o governador Eduardo Riedel (PSDB) para conhecer iniciativas que são realizadas no continente africano.

Além do presidente do IHP, os brasileiros nomeados nesse grupo chamado EC50 deste ano foram a geóloga Fernanda Avelar Santos, o ictiologista Luiz Rocha, o designer naturalista Lvcas Fiat e o paraquedista profissional Luigi Cani. Além dos brasileiros recém-nomeados, personalidades mundiais fazem parte do Clube, como a ex-astronauta e géologa Kathryn Sullivan, veterana de três missões a bordo de ônibus espacial; o geneticista e biólogo nuclear James Dewey Watson, um dos autores do modelo de dupla hélice para estrutura da mólecula de DNA; bem como o explorador que fez parte do primeiro voo solar ao redor do mundo, concluído em 2016, André Borschberg; e Dominique Gonçalves, criadora do Programa de Ecologia de Elefantes no Parque Nacional da Gorongosa, em Moçambique, entre outras pessoas.

Também em Nova Iorque, a diretora-executiva do Instituto Moinho Cultural Sul-Americano, localizado em Corumbá (MS), Márcia Rolon, participou dos eventos abertos do The Explorers Club para divulgar o trabalho de diminuir a vulnerabilidade social de crianças e adolescentes da região de fronteira do Brasil por meio da arte.

 

Assine o Correio do Estado

Cotidiano

Com 300 doses disponíveis, vacinação contra dengue deve acabar nesta semana

Aproximadamente 130 doses estão sendo aplicadas por dia; segundo a expectativa da pasta é que a vacinação se encerre até o final desta semana.

23/04/2024 18h15

Gerson Oliveira/

Continue Lendo...

As vacinas contra a dengue com prazo de validade até 30 de abril e que estão disponíveis pela Sesau (Secretaria Municipal de Saúde) devem ser aplicadas até o final desta semana. A expectativa da pasta é que nenhuma dose deve ser descartada em Campo Grande. 

De acordo com a secretária, cerca de 130 doses estão sendo aplicadas por dia nos postos de saúde da cidade. Por causa disso, a expectativa é que todas as doses que estão perto do vencimento sejam aplicadas até sexta-feira (26).

A baixa procura do imunizante em Mato Grosso do Sul levou o Ministério da Saúde a informar aos municípios para ampliar a idade de vacinação. Segundo a pasta, pediu para todas as cidades priorizar a faixa etária entre 6 e 16 anos, mas com imunização ampliada para pessoas entre 4 e 59 anos. 

A medida foi tomada para reduzir a perda de doses que estão perto do vencimento, cabendo a cada município definir a estratégia de aplicação.  As doses que estão sendo utilizadas vencem no dia 30 de abril. 
 
Segundo a Sesau, em Campo Grande tem cerca de 300 doses estão espalhadas pelos postos de saúde da Capital. 

 

Assine o Correio do Estado.


 

NEWSLETTER

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo.

Fique Ligado

Para evitar que a nossa resposta seja recebida como SPAM, adicione endereço de

e-mail [email protected] na lista de remetentes confiáveis do seu e-mail (whitelist).