Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

FECHADO

Assembleia Legislativa de MS para atividades por 15 dias

Servidor da casa está com suspeita de estar contagiado com nono coronavírus
17/03/2020 12:04 - Camila Andrade Zanin


 A Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul (Alems) decidiu parar as atividades do local por 15 dias. O Legislativo realizaria uma reunião com os parlamentares na tarde de hoje (17), para deliberar ações de prevenção do coronavírus (Covid-19), porém, há um servidor na casa com suspeita de estar contagiado com o novo coronavírus (Covid-19). Assim, as atividades estão previstas para voltar dia 2 de abril.

As sessões solenes da Alems, estavam com os dias contatos. A última sessão ordinária aconteceu na manhã de hoje (17), e já estava proibido entrada do público no plenário. Em decorrência da pandemia do coronavírus, por meio da assessoria de imprensa, a Casa de Leis informou que não cogitava suspender as sessões ordinárias, porém, com o agravante da suspeita, a situação tomou outro rumo.

A Alems é um local aberto ao público, e tem grande fluxo de pessoas. Hoje, o local conta com a contribuição de 1.100 funcionários, divididos entre deputados, assessores, seguranças, copeiros, etc. A Mesa Diretora da Casa de Leis estabeleceu, de acordo com as recomendações do Ministério da Saúde, medidas temporárias de prevenção ao contágio do coronavírus.  

A criação do Comitê de Monitoramento do Coronavírus anunciado pelo presidente da ALMS, Paulo Corrêa (PSDB) na sexta-feira (13) trazia possibilidades e soluções para organizar o trabalho, com a prevenção do vírus. A suspensão temporária da entrada de público externo no Plenário Deputado Júlio Maia, durante a realização das sessões era uma das medidas, mas que agora será estendida para os trabalhadores do local.

 

 

 

Felpuda


Dia desses, há quem tenha se lembrado de opositor ferrenho – em público –, contra governante da época, mas que não deixava de frequentar a fazenda de “sua vítima” sempre que possível e longe dos olhos populares. Por lá, dizem, riam que só do fictício enfrentamento de ambos, que atraía atenção e votos. E quem se lembrou da antiga história garantiu que hoje ela vem se repetindo, tendo duas figurinhas carimbadas nos papéis principais. Ô louco!