Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

PANDEMIA

Assembleia prorroga quarentena e deve permanecer fechada por mais 15 dias

Deputados devem se reunir por meio remoto e caso necessário em plenário
31/03/2020 16:00 - Yarima Mecchi


 

A Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso do Sul (ALEMS) publicou no Diário Oficial desta terça-feira (31) a prorrogação por mais 15 dias o prazo de suspensão das atividades legislativas. Conforme o texto, além das recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS e do Ministério da Saúde, o ato visa “à necessidade de se estabelecer medidas aptas a evitar contaminação e a restringir riscos, ante a prestação contínua de serviços por parte do Poder Legislativo e dos recursos de tecnologia da informação existentes, e considerando o número de casos confirmados de contaminação pelo COVID-19 no Estado de Mato Grosso do Sul”.

No dia 17 de março os deputados definiram em sessão plenária que as atividades da ALEMS seriam restringidas internamente aos serviços essenciais por 15 dias, os integrantes do Legislativo deveria voltar ao prédio no dia 2 de abril, mas com a medida de hoje a suspensão segue até o dia 17 de abril.

De acordo com o ato assinado pelo presidente da Casa, Paulo Corrêa (PSDB), “poderão ser realizadas sessões extraordinárias em Plenário, assim como reuniões da Comissão de Constituição, Justiça e Redação e das Comissões Temáticas”.  

Os deputados podem se reunir por meio remoto e “as deliberações poderão ser realizadas por meios eletrônicos e os votos dos parlamentares poderão realizados e computados por meio do aplicativo Whatsapp, a serem encaminhados para o Secretário de Assuntos Legislativos e Jurídicos, a quem competirá emitir certidão atestando os votos apresentados por cada um dos deputados”. 

 

Felpuda


Nos bastidores, há quem garanta que a única salvação, de quem está com a corda no pescoço, é ele aceitar ser candidato a vice-prefeito em chapa de novato no partido. Vale dizer que isso nunca teria passado por sua cabeça, uma vez que foi eleito com, digamos, “caminhão de votos”. Se aceitar a imposição, pisaria na tábua de salvação; se recusar, poderá perder o mandato. Ah, o poder!