Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

BRASÍLIA

"Tive contato com metade do Congresso", diz senador suspeito de ter coronavírus

Trad esteve em comitiva presidencial onde integrante teve confirmação do Covid-19
13/03/2020 08:00 - Yarima Mecchi


 

Senador por Mato Grosso do Sul, Nelson Trad Filho (PSD) está isolado em sua residência, em Brasília, após o secretário de Comunicação da Presidência, Fábio Wajngarten, ter sido diagnosticado com o novo coronavírus (Covid-19). Trad e Wajngarten estavam na comitiva que viajou aos Estados Unidos da América (EUA) com o presidente Jair Bolsonaro no sábado (7) e retornou na terça-feira (10).

De acordo com a assessoria de imprensa de Trad, a esposa dele e a filha, que moram com ele na Capital Federal, também estão isoladas. Conforme divulgado na imprensa nacional, o Distrito Federal suspendeu as aulas da rede pública e eventos como missas e shows por cinco dias, para evitar a ampliação de casos de novo coronavírus.

“Estou bem, não estou com sintomas, mas não vou dizer que não estou apreensivo, porque estou. Elas (esposa e filha caçula) estão tranquilas. Quando eu falei que não teria aula, ela respondeu: viva o tio Mandetta”, disse, lembrando a fala da filha caçula sobre o primo de Trad e ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta.

Ainda de acordo com a equipe do parlamentar, “após ser informado de que o chefe da Secretaria Especial de Comunicação, Fabio Wajngarten, estava com suspeita de ter contraído o Covid-19 (caso agora já confirmado), o senador Nelsinho Trad deu início ao cumprimento de todos os protocolos do Ministério da Saúde”.  

“Diante de alguém que teve contato com uma pessoa que positivou, tenho que cumprir a quarentena. Todos nós [que viajamos] temos que ficar em quarentena, já providenciamos os exames, são amostras de secreção do nariz e da saliva”, descreveu Trad.  

Questionado sobre como foi sua agenda pública quando chegou aos Estados Unidos, Trad ressaltou que esteve em sessões no Congresso Nacional, recebeu duas delegações  internacionais, sendo uma da Síria e outra do Quênia.  

“Eu fui para o Senado Federal, para o Congresso, e eu abracei todo mundo que vinha me ver. Participei de reunião com Maia (Rodrigo Maia presidente da Câmara), Davi (presidente do Senado, Davi Alcolumbre), Mandetta, Guedes (Paulo Guedes, ministro da Economia), Ramos (ministro Luiz Ramos, da Secretaria de Governo, Jorge (ministro da Secretaria-Geral da Presidência da República, Jorge Francisco). Eu tive contato com metade do Congresso”, afirmou Trad. Caso o exame do senador se apresente positivo para o Covid-19, todas as pessoas que tiveram contato com ele devem fazer o teste e ficar em quarentena.  

“Se não der nada meu exame, vou seguir o protocolo, ficar em quarentena o tempo necessário que afasta a incubação”.

A presidente da Comissão de Constituição e Justiça do Senado, Simone Tebet (MDB-MS), disse que na semana que vem pode haver uma suspensão dos trabalhos.  

“As pessoas mais fáceis de transmitir são as pessoas públicas, a gente às vezes não tem sintomas, mas pode passar para muita gente. Um caso em contato com uma multidão pode piorar a situação. Quando vamos votar algo, pode ter 600 pessoas na sala do Congresso. Pode haver uma suspensão das atividades”.

COMITIVA

Além de Trad e Wajngarten, estavam presentes na comitiva o presidente Jair Bolsonaro, a primeira-dama Michelle Bolsonaro, o deputado Eduardo Bolsonaro, os ministros Ernesto Araújo, Augusto Heleno, Fernando Azevedo e Silva, Marcos Pontes e Bento Albuquerque e o secretário de Governo, general Luís Eduardo Ramos. Também viajaram o senador Jorginho Mello; o deputado Daniel Freitas; o assessor especial Filipe Martins; o presidente da Embratur, Gilson Machado; o secretário de Pesca, Jorge Seif; e o governador do Paraná Ratinho Júnior.

 

Felpuda


É quase certo que a aposentadoria deverá ocorrer de maneira mais rápida do que se pensava em determinado órgão. O que deveria ser a tal ordem natural dos fatos acabou sendo atropelada por acontecimentos considerados danosos para a imagem da instituição. Os dias estão passando, o cerco apertando e já é praticamente unanimidade de que a cadeira terá de ter substituto. Mas, pelo que se ouve, a escolha não deverá ser com flores e bombons de grife.