Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

BRIGA INTERNA

Trutis diz que Siqueira mentiu oficialmente sobre fraude em convenção do PSL

Vereador acusou a sigla de colocar pessoas que não estariam aptas a votar na convenção, que elegeu Trutis como candidato pela sigla
20/09/2020 16:14 - Flávio Veras


O diretório municipal do PSL de Campo Grande, presidido pelo deputado federal Loester Trutir, se posicionou judicialmente e alegou que o vereador Vinicius Siqueira mentiu oficialmente, ao afirmar que houve fraude na convenção realizada no último domingo (13) e, que resultou na escolha do nome do deputado, como candidato a prefeitura da Capital pela sigla, nas eleições de 2020. 

Na última segunda (14), o vereador; juntamente com a presidente estadual do partido, senadora Soraya Thronicke; deu entrada em uma ação no Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso do Sul (TRE-MS) pedindo anulação da reunião partidária.

Além disso, a senadora também protocolou um documento, onde tentou dissolver toda a diretoria do partido na cidade, que tem como presidente o deputado Trutis. No entanto, o comando nacional da legenda reativou o escritório político, bem como reconheceu a convenção que indicou no nome do parlamentar.  

Já na acusação, Siqueira alega que a eleição foi fraudulenta, pois pessoas que não teriam direito de votar, participaram da votação, além de impedi-lo de votar. “Ele colocou os suplentes para votar, o que não era permitido”, destacou o vereador, na última segunda.

Agora, a novela judicializada, ganha novo capítulo. Segundo a defesa diretório e do deputado, afirmaram que as acusações “são falsas, pois a certidão emitida pela próprio Sistema de Gerenciamento de Informações Partidárias da justiça Eleitoral no dia 14/09/2020 as 11 horas e 49 minutos horário de Brasília, mostra absolutamente contrário”

Em outro trecho da contestação, a defesa alega que inúmeros ligações foram feitas para o celular de Vinícius Siqueira, para que ele pudesse votar, mas nenhuma foi atendida. “No próprio FACEBOOK deste, pode se verificar quantas vezes durante a votação, a executiva municipal ligou para o senhor Vinicius Siqueira, sendo inclusive, que este, até brincava cantando assim: “eu não vou atender...”, diz o destaque.

Em sua justificativa, o vereador já havia citado que a votação era feita por videoconferência e não por telefone. Ainda conforme Siqueira, estavam autorizados a votar o presidente do partido, tesoureiro geral, secretário geral, vogal - integrante do executivo – e Vinícius, por ocupar cargo como vereador de Campo Grande.

Dois votos são questionados pelo vereador, o do suplente de tesoureiro, Alberto Gomes de Souza, e de Danny Fabrício, vice-presidente do partido. O PSL agora aguarda decisão da Justiça.  

Ouvido pela reportagem do Correio do Estado, Trutis foi enfático em afirmar que são “estranhos” os motivos para que Siqueira questionasse judicialmente às eleições dentro do partido. 

“Vamos levar o vereador à Justiça, pois ele mentiu em documento oficial. Além disso, ele me mandou um áudio afirmando que retiraria à candidatura. Eu questiono, qual seria a vantagem de não colocarmos candidato nessas eleições?.... Pois, se ele não queria sair, alguém deveria”, afirmou.  

E finalizou dizendo que “não fomos acusado de nada pelo Ministério Público ou juizado eleitoral. Juntamos a ata da convenção apenas, esta mesma convenção que já foi considerada legal pelo diretório nacional do partido.”

 

 
 

Felpuda


Mesmo sem ter, até onde se sabe, combinado com o eleitor, candidato a prefeito começou a apresentar nomes do seu ainda hipotético secretariado, pois parece estar convicto de que conseguirá vencer a disputa.

Os adversários dizem por aí que ele está muito distante de “ser um Jair Bolsonaro”, que, ainda na campanha eleitoral para presidente da República, já falava em Paulo Guedes para ser seu ministro de Economia. Como sonhar é permitido