Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

CORREIO VEÍCULOS

Um caça no asfalto: O 21C Hybrid

A Czinger pretende surpreender o mundo automotivo no Salão de Genebra com o hiperesportivo 21C
01/03/2020 08:00 - Daniel Dias/AutoMotrix


 

O Salão de Genebra 2020, aberto ao público de 5 a 15 de março, no Palexpo Convention Center, já tem uma de suas principais estrelas antes mesmo de sua apresentação oficial. O hiperesportivo 21C Hybrid, desenvolvido e produzido pela Czinger, fundada pelo norte-americano Kevin Czinger em 2009, na cidade de Los Angeles, tem tudo para encantar na tradicional mostra suíça, que normalmente dita as tendências da indústria automotiva na temporada. Por meio da Divergent 3D, Kevin Czinger, de 60 anos, já havia impressionado o setor em 2015 ao lançar o Blade, o primeiro superesportivo fabricado com estrutura montada com peças de alumínio saídas de uma impressora 3D, conectadas por meio de tubos de fibra de carbono formando um chassi leve e resistente, de apenas 630 quilos.

Segundo informações vazadas a partir da startup com sede em Los Angeles, o 21C eletrificado tem inacreditáveis 1.250 cavalos de potência (no conjunto de motor a combustão e elétrico) e pode acelerar de zero a 100 km/h em apenas 1,9 segundo – os carros da Fórmula-1 fazem a mesma aceleração em 1,5 segundo. O 21C tem o típico estilo de hiperesportivo de rua – a exemplo dos modelos feitos pela McLaren e pela Ferrari –, com para-choque volumoso na frente, “quadris” largos, saias laterais fortes, saliências curtas e aerofólio gigante com duas lâminas na traseira.

O carro tem ainda faróis divididos, faixa de luz traseira fina em leds com formato antagônico ao aerofólio, linha do teto em arco e rodas de raios tipo “Y” com tamanho bem proporcional ao veículo. Embora ainda não se saiba quais são as dimensões do hiperesportivo, tudo leva a crer que o 21C terá dois lugares (um atrás do outro), com o motorista colocado no centro, como em um cockpit de carros de “fórmula” ou de um avião de caça quando carrega dois pilotos. O preço deve seguir também os chamados modelos do “Clube do Milhão” e ultrapassar facilmente os sete dígidos.

Com toda a certeza, a construção do chassi e da própria carroceria do 21C seguiu os ensinamentos e a tecnologia revolucionária empregados no Blade. Outra confirmação é a utilização em alta escala da fibra de carbono – mesmo material usado em quase todos os componentes de um carro da Fórmula-1 e implantado pela equipe McLaren a partir da temporada de 1982. Também como na principal categoria do automobilismo mundial, em muitos detalhes do 21C as tramas da fibra de carbono – típicas desse material – ficam aparentes, conferindo um charme de carro de competição ao hiperesportivo norte-americano. 

A Czinger revelou recentemente um vídeo no YouTube com o 21C em ação, em partes da Pacific Coast Highway, que liga Los Angeles a São Francisco, serpenteando a costa da Califórnia junto ao oceano. Nas partes em que se escuta o ronco do motor a combustão – colocado no meio do carro –, se assemelha ao de um V6 preparado para a competição. Pelo menos nas imagens, o 21C tem a desenvoltura muito ágil, sempre “colado” ao chão. Com o 21C, Kevin Czinger, morador de Santa Mônica, em Los Angeles, não esconde sua ambição: tornar a fabricante californiana como referência norte-americana na criação e na produção de carros hiperesportivos, que até pouco tempo eram exclusividade dos alemães, italianos e ingleses.

 

Felpuda


Devidamente identificadas as figurinhas que agiram “na sombra” em clara tentativa de prejudicar cabeça coroada. Neste segundo semestre, os primeiros sinais começarão a ser notados como reação e “troco” de quem foi atingido. Nos bastidores, o que se ouve é que haverá choro e ranger de dentes e que quem pretendia avançar encontrará tantos, mas tantos empecilhos, que recuar será sua única opção na jornada política. Como diz o dito popular: “Quem muito quer...”.